29 de março de 2016

queria gastar o resto do tempo
para que me desconhecesses,
que com as passar das horas
menos pudesses saber, e
desaprender os caminhos
que te guiei e que ficasse
estranho o que te fiz provar,
que houvesse ainda o receio
de ter liberdade comigo,
e não me admirar por nada
ou se preocupar com tudo
que me referencia, desaparecer
da tua memória até meu traço
ser comum a qualquer rosto
se a súplica antecedesse o milagre
e então o futuro me desse
a possibilidade de usar o
destino do avesso, evitaria
o começo e te resgataria
antes de todos os danos

Cáh Morandi
foi de recortar as dores
e espalha-las assim no
chão da sala que pude
me ver melhor e
encontrar surpresa
um fio de amor a me
resgatar
agarrada a ele com
unhas e restos, subi
do mais profundo o
meu corpo à luz de
uma esperança tímida
que me penetrou para
anular a esterilidade
que havia me escorado
exposta ao primeiro
novo golpe, não serei
dúbia aos que desconfiam:
sou mais forte no regresso

Cáh Morandi

22 de março de 2016

meu medo era esse:
habituar com tua falta
aprender a te ter
sem que estejas, e 
me sentir a vontade
na tua ausência como
se povoasse o mesmo
espaço, e aos poucos
minha voz estranhar
teu nome a ponto
de te chamar num
pensamento muito
intimo, e aconteceu de ser
que te amo e o amor não
existe, mas me sinto absolvida
por não desfazer as distâncias



Cáh Morandi

16 de março de 2016

essa emoção antiga
me brinda a lágrima
repentinamente e
um aperto saudoso
um respirar mais fundo
algo no mundo
tempo-espaço
eterno-acabado
resume a vida
uma só memória

Cáh Morandi

11 de março de 2016

para ganhar é necessário
a renúncia, o mérito
a gota de suor
a integridade do caminho
a honra da palavra
a verdade do afeto
essencial ainda é
descobrir a dor
de tudo que se
perde ao vencer

Cáh Morandi

10 de março de 2016

deveria chegar maduro
inteiro e livre, sem alarmar
sem prometer e endoidecer
não ser a pedra no caminho
e nem ser, também, o próprio
caminho, não nos ser. o amor.
a identidade foi perdida
a razão não mais recuperada
nos dá as dores, as dúvidas
e as nossas sobras. o amor,
o quanto de tudo isso é nada.

Cáh Morandi

3 de março de 2016

tanto lugar para se encontrar
e foi acontecer de ser no
labirinto de tudo o que sinto
e você de tudo que esperava
foi bem ali: nesse ponto
incógnito, na linha invisível
do trópico de capricórnio
que meu ascendente em
fogo foi descongelar
para entrar não teve segredo
nem senha, nem mistério,
e se tiver saída, onde
perderam o mapa?
onde os que nos antecederam
no amor já chegaram?

Cáh Morandi

2 de março de 2016

não é tarefa do tempo
esquecer
nem se estender para
a dor apaziguar
nem deveria me visitar
com seus ares antigos
lá, daquelas que eu vim
e nem adiantou,
distorcer o passo
alternar o compasso
pra sair do seu curso
o fato é que o tempo
sempre tem uma forma
de reaparecer, às vezes
me dizia tão moço, agora
vem deixar mais um traço
no rosto

Cáh Morandi
Já que está tudo perdido
Vou me encontrar nos
Achados de quem havia
Me esquecido
Já que o que sobra
É quase nada, há
Também quem desperdice
Não vá dizer que eu não disse:
Só estava mesmo enganada

Cáh Morandi

Curta