7 de janeiro de 2016



sei que tenho uma palavra sempre escondida
- na verdade, um sentimento - me colocando
sempre uma sombra no rosto, ocasionando
o desvio de olhar, o tremor do lábio inferior.
o que oculto, me faz oculta para quem desejo,
e não sabe que é desse mistério que vivo
em imaginar.
e assim, tu não sabes, que passeias de mão dadas
comigo em todos os domingos nas ruas da
minha cidade; nem sabes, mas te leio alguns
poemas certas noites e, às vezes, uma
lágrima tua me responde; tu não sabes
dos planos em que fazes parte, e até
dessa minha arte - escrever - é tu que
inspira, e motiva, e sempre é o primeiro a ler.
queria ter a coragem de te dizer as coisas
que te escrevo em todos os poemas,
- esses poemas que são tua ausência -
mas não. quero que venhas porque
o caminho até é mim seja acaso,
ou seja desejo, mas não o (meu) pedido.
mas ainda é bela essa dor de amar
tudo que não tenho.


Cáh Morandi

2 comentários:

Gabriel disse...

"um sentimento - me colocando sempre uma sombra no rosto (...) mas ainda é bela essa dor de amar" - simplesmente perfeitas essas frases.

Ah, o você que permeia meus sonhos, olhares perdidos e palavras... sempre você.

Adorei a forma como escreves. Primeira vez que venho ao seu blog e encontro boa poesia, voltarei mais vezes sem dúvida, abraço!

http://devaneios-irreais.blogspot.com.br/

Ani Braga disse...


Seu blog é uma graça e você escreve lindamente...

Se puder dá uma passadinha no meu e segue também se gostar.

Beijos
Ani

HTTP://cristalssp.blogspot.com.br

Curta