28 de fevereiro de 2015

você me deixou
em estado de febre
não há o que em
mim não arda
ou incendeie e
fere
sou a própria
chama, não assopre,
se queime

Cáh Morandi

22 de fevereiro de 2015

Quanto tempo já partimos do território do nós? Andamos, andamos, andamos, mas permanecemos perto de alguma lembrança mútua de um passado impassável. O amor nos fez nômades. Nenhum corpo nos completa, nenhum abraço nos completa. Não houve madrugadas como as nossas, os dias não amanhecem como eram de costume. Uma estranheza preenche as horas não preenchidas dos compromissos da rotina. Mas apesar da distância do amor, ainda sorrimos, brindamos os amigos, celebramos as boas novas. Tem sido possível viver. A vida está aparentemente completa. Aparentemente.

Cáh Morandi

8 de fevereiro de 2015


Mais do que nunca fazes falta. Não só comigo, mas em mim e na vida que levo de arrasto. Dedico-me à rotina, trabalho e pouco durmo - a insônia ocupa as horas que eram nossas. Tenho tentado me distrair, sair, provar para mim e para ti que foi possível seguir sem que a dor tenha nos dilacerado. Sabes, sou boa nas coisas que invento. E tenho tentando inventar um mundo em que não existas - mas que mundo seria possível sem que lá estejas, mesmo com todas as distâncias de mim? 

Não sei por onde andas, em que pensas, que escolhas fazes. Não sei se a minha falta te dilacera como a tua faz em mim. Mas minha parte faço: confesso. Neste momento quero-te mais do que amo-te. Porque tu me é uma necessidade. 


Cáh Morandi

4 de fevereiro de 2015

Eu nunca serei o que você quer. Sempre serei o que eu decidir ser e mais - nunca me defino, porque quando quiser mudo, me reinvento. Você não tem noção de quantos recomeços eu precisei para não ir até o final. E sou isso, sou do gênero da inconstância, vizinha da mudança, próxima da inovação. Desculpe se não sou o que você resume ou pretende e não me leve a mal: amo minha versão original. Não serei rascunho, nem você me passará a limpo. Se quiser, vem comigo correr perigo, amanhecer e ser sempre novo e outro, descobrir o gosto de desaprender quem dizem que somos.

Cáh Morandi

Curta