1 de abril de 2015

o dia da mentira



Nenhuma mentira é maior do que a mentira no amor. Podemos perdoar um amigo, considerar as razões dos pais, compreender os irmãos. Mas num relacionamento a mentira é como decretar o fim. Mesmo que acertem, que tentem diferente e de novo. A mentira sempre viverá à sombra do casal. Aparecerá no meio de uma discussão meses, se não dias, mais à frente. A mentira do outro sempre será o argumento para condená-lo ou para justificar suas falhas na relação. E vice-e-versa. O problema sempre será maior do que pensamos. Mesmo que o outro nunca mais faça aquilo, andaremos com um pé atrás. Procuraremos sinais que comprovem as palavras antes e depois do encontro com os amigos. A saída sem você será sempre uma dúvida ocupando o pensamento. Ele pode ter mentido sobre como usou o dinheiro guardado, sobre o lugar que foi, com quem esteve, que trajeto fez em sua viagem e não importará quão leve ou profunda seja o que deixou de ser verdade, não há mais segurança nas palavras. Podemos mentir para salvar o amor, não raro, a verdade é a primeira coisa que sacrificamos.

A mentira não começa a existir no dia que nasceu. Ela nasce quando é confessada ou descoberta. Quando você já está dentro dela que nem percebeu. Quando é impossível de remedia-la. Quando você já é cúmplice. Quando não há mais resgate para o amor. O que mais agride não é o porque a mentira foi criada. Recomeçamos os relacionamentos, a confiança não se recomeça. A dor nunca será o que o outro ocultou em suas circunstancias, mas não compreender o porque não eramos dignos da verdade.



Cáh Morandi

Curta