3 de abril de 2015

cabe agora



O que cabe em mim é a tua parte. É a tua mão dormitando entre meus seios. É o teu pão na minha mesa. É o teu corpo em minha cama. É a tua presença preenchendo os dias. Cabe tua palavra que convida para o poema. Teu peso sobre meus músculos. Tua ansiedade em minha calmaria. Tua camisa em meu armário. Cabe substituir a aliança nos dedos. Cabe tua mão entrelaçar a minha. Cabe teu caminho ser a extensão do meu. Cabe despedir os "porques", "pra quês", "poréns". Cabe no meu delírio tua razão. Cabe tua censura em meu vestido. Cabe dividir as contas, o tédio, o mau humor, para aliviar o ruim. Cabe dar-te a novidade, o amor, a generosidade, a primícia do melhor. Cabe ceder-te mais espaço. Cabe dar-te o que em mim é ímpar para ser par contigo. Cabe tua vida na minha. Cabe até tua ausência em minha presença. O que não me cabe mais é a saudade que divide o pensamento contigo. Não me serve mais a distância. Os quilômetros. Os pedágios. Cabe a ideia de que venha morar comigo.

Cáh Morandi

Curta