3 de março de 2015

Por muito tempo havia fechado o coração para o amor. Amor daqueles dos bons, sabe? Daqueles que tomam nosso pensamento, que trazem um sorriso discreto enquanto você espera na fila do trânsito, daquele que você tem até uma música para referenciar. Amor que dá vontade de até replanejar a vida, mudar de cidade, mudar de estilo, substituir os planos por decisões momentâneas. Amor que faz você esquecer a panela no fogo, o óculos no banheiro, a água das plantas. Amor que te desperta para o que nunca viu ou teve tempo: novos livros, a decoração do quarto, começar um jardim, conversar mais tempo com nossos vizinhos. Amor que só por existir faz com que nos sintamos incrivelmente capazes de sermos felizes, considerando até as impossibilidades e incertezas. Estou me abrindo de novo, quero a chance de uma nova felicidade, mesmo que se façam novas cicatrizes. Que as minhas marcas sejam de amor.

Cáh Morandi

Um comentário:

Rosemildo Sales Furtado disse...

Acredito que o primeiro passo seja amar a si própria, pois somente assim aprenderá amar o próximo para ser amada.Rsrs.

Abraços,

Furtado.

Curta