30 de outubro de 2014

Perspectiva


Coleciono fracassos, alguns inesperados, outros previstos. Adormecemos com a culpa de sermos tão ingênuos e com questionamentos do tipo: "como eu não previ isso?" - torturamos a a nós mesmos com muitas perguntas, e talvez (e só dessa vez) tenhamos mais respostas do que as interrogações insistem. O precioso é isso na maturidade: admitir as culpas, mas não deixar que elas se apoderem sobre nós. Começamos a perceber o quanto todos os erros e falhas foram nos lapidando para que silenciosamente a brutalidade em nós fosse esmorecendo. 

Há algo maravilhoso em transformar desertos em fontes, porque sem perceber, podemos dar água antes que se instaure a sede - se é que me entendem. Esse vazio em nós, acumulado pela auto-punição de não estamos sendo perfeitos, é um bom presságio: um pouco de futuro nos mostra a importância do passado.


Cáh Morandi

29 de outubro de 2014

Adoecer




Ser quem se é, nem sempre é leve, mas árdua tarefa. Quem nos olha, mesmo que de muito perto, nem de longe consegue enxergar além do mais raso em nós. Afinal, eu sei, você sabe: há lugares tão íntimos, tão escuros, tão profundos, que nem o "eu-mais-próprio" tem o hábito de frequentar. Comum é deixar sempre o lado mais ameno, o mais amável, o mais tolerável, o mais pacífico e seguir dando harmonia para as coisas, as pessoas, as situações. A pergunta é: até quando viveremos sendo apenas uma parte de nós ou até quando nossas dores e feridas merecerão esquecimento ao invés da cura? 

Adoecer de nós mesmos não é a melhor forma de passar pela vida.


Cáh Morandi

8 de outubro de 2014

Amanhecer


Difícil despertar para o amanhã, sei do que falo. Há em nós, em certa parte da vida, uma madrugada mais duradoura, mais profunda, mais oculta que o normal. Se parecerá intransponível, acumulará parte dos sonhos de outras noites ainda quentes, trará a insônia e as perguntas infantis de quem ainda não conhece o mundo. Os lençóis sabem o contorno do corpo, os travesseiros colecionam os cabelos e se perfumam. O rosto é cada vez mais salgado de lágrimas. Não há tortura maior do que quando não saímos de nós mesmos por estarmos enclausurados no outro. Ignoramos a despedida para tornar anônima a história sobre o final. Partir é mais fácil que ficar. Quem parte leva o que precisa e no caminho se distrai com a nova paisagem. Mas quem fica, fica com tudo e se torna prisioneiro do ambiente do fracasso. Depois de um tempo – que para uns dura mais e outros menos – uma frestinha de luz tenta atravessar as cortinas e somos surpreendidos ao lembrar que vida continua em movimento. E nesta história tão universal e ao mesmo tempo tão particular, pensei: não ficarei atrás das cortinas, é hora de abrir as janelas.

Cáh Morandi

Curta