10 de dezembro de 2014

Outra Vez


O amor sempre é outra vez. Sempre está na expectativa do próximo rosto. Do próximo drink. Do próximo táxi. Da próxima ida ao mercado. Do próximo embarque. Do próximo encontro com os amigos dos amigos. Da próxima estação. Da próxima cidade. Do próximo apartamento. Da próxima gentileza no trânsito. Da próxima tarde na livraria. Da próxima caminhada na praia. Do próximo encontro às escuras. Da próxima fila no banco. Do próximo lançamento nos cinemas. Do próximo show do seu cantor preferido. Do próximo domingo na feira. Do próximo atraso no dentista. Da próxima ida a lavanderia. Da próxima busca do afilhado na escola. Do próximo tropeço na rua. Da próxima troca de presente de Natal. Do próximo alguém que sentará ao nosso lado no banco da praça. Da próxima volta com o cachorro. Do próximo sábado naquele barzinho bacana. Da próxima vez que olhar a rua duas vezes antes de atravessar. Da próxima abertura de alguma porta errada. Do próximo casamento. Do próximo pane no elevador. Da próxima festa da empresa. Da próxima hora - uma hora especificamente oportuna, comum, e não esperada para que o amor então apareça, ou se revele, ou aconteça. Agora, o que há em nós de tanta dor ou cegueira que só enxergarmos o amor no futuro? Não raras vezes, o amor já foi - outra vez.

Cáh Morandi

Nenhum comentário:

Curta