6 de maio de 2014

Balancê


Logo eu, estabanada, que sempre dancei conforme o vento balançava. Eu que não criei raízes, que não sei o que herdei. Me deparei com você, e deu vontade de ficar, de sossegar. De colocar a rede, e balançar de onde te enxergue.

Cáh Morandi

2 comentários:

Bell disse...

Quando o amor acontece tudo muda.

bjokas =)

Alexandre Lucio Fernandes disse...

O amor nos acalma. Voamos sem sair do lugar. Sossegamos quando com ele nos deparamos. Mudamos.

Beijo!

Curta