18 de dezembro de 2014

sob pele


dorme minha pele
sob a tua
a ternura
de madrugar
nuas
as palavras
mais secretas

Cáh Morandi

11 de dezembro de 2014

cereja




cereja
você quer que
eu seja
essa proeza
no gosto
da sua boca,
mas delícia
são essas
palavras que
você me tira
do sério


Cáh Morandi

10 de dezembro de 2014

Outra Vez


O amor sempre é outra vez. Sempre está na expectativa do próximo rosto. Do próximo drink. Do próximo táxi. Da próxima ida ao mercado. Do próximo embarque. Do próximo encontro com os amigos dos amigos. Da próxima estação. Da próxima cidade. Do próximo apartamento. Da próxima gentileza no trânsito. Da próxima tarde na livraria. Da próxima caminhada na praia. Do próximo encontro às escuras. Da próxima fila no banco. Do próximo lançamento nos cinemas. Do próximo show do seu cantor preferido. Do próximo domingo na feira. Do próximo atraso no dentista. Da próxima ida a lavanderia. Da próxima busca do afilhado na escola. Do próximo tropeço na rua. Da próxima troca de presente de Natal. Do próximo alguém que sentará ao nosso lado no banco da praça. Da próxima volta com o cachorro. Do próximo sábado naquele barzinho bacana. Da próxima vez que olhar a rua duas vezes antes de atravessar. Da próxima abertura de alguma porta errada. Do próximo casamento. Do próximo pane no elevador. Da próxima festa da empresa. Da próxima hora - uma hora especificamente oportuna, comum, e não esperada para que o amor então apareça, ou se revele, ou aconteça. Agora, o que há em nós de tanta dor ou cegueira que só enxergarmos o amor no futuro? Não raras vezes, o amor já foi - outra vez.

Cáh Morandi

9 de dezembro de 2014

Livro 'Internidades" - Cáh Morandi


Se você ainda não adquiriu o #livro "Internidades", você pode aproveitar essa semana a promoção:
R$30,00 com frete incluso e com direito a uma dedicatória cheia de carinho! 

Mais informações: contato@cahmorandi.com

1 de dezembro de 2014

prece



Quando fecho os olhos
Deus tece em mim
a prece de quem tem pressa
ou de quem passa
talvez de quem pesa
até de quem possa
de quem não tem posse
Deus  é um menino prosa
por vezes um pássaro de pose
que em meu coração posa
e sussurra: "-Peça!"
e desconfio do que posso.


Cáh Morandi

30 de outubro de 2014

Perspectiva


Coleciono fracassos, alguns inesperados, outros previstos. Adormecemos com a culpa de sermos tão ingênuos e com questionamentos do tipo: "como eu não previ isso?" - torturamos a a nós mesmos com muitas perguntas, e talvez (e só dessa vez) tenhamos mais respostas do que as interrogações insistem. O precioso é isso na maturidade: admitir as culpas, mas não deixar que elas se apoderem sobre nós. Começamos a perceber o quanto todos os erros e falhas foram nos lapidando para que silenciosamente a brutalidade em nós fosse esmorecendo. 

Há algo maravilhoso em transformar desertos em fontes, porque sem perceber, podemos dar água antes que se instaure a sede - se é que me entendem. Esse vazio em nós, acumulado pela auto-punição de não estamos sendo perfeitos, é um bom presságio: um pouco de futuro nos mostra a importância do passado.


Cáh Morandi

29 de outubro de 2014

Adoecer




Ser quem se é, nem sempre é leve, mas árdua tarefa. Quem nos olha, mesmo que de muito perto, nem de longe consegue enxergar além do mais raso em nós. Afinal, eu sei, você sabe: há lugares tão íntimos, tão escuros, tão profundos, que nem o "eu-mais-próprio" tem o hábito de frequentar. Comum é deixar sempre o lado mais ameno, o mais amável, o mais tolerável, o mais pacífico e seguir dando harmonia para as coisas, as pessoas, as situações. A pergunta é: até quando viveremos sendo apenas uma parte de nós ou até quando nossas dores e feridas merecerão esquecimento ao invés da cura? 

Adoecer de nós mesmos não é a melhor forma de passar pela vida.


Cáh Morandi

8 de outubro de 2014

Amanhecer


Difícil despertar para o amanhã, sei do que falo. Há em nós, em certa parte da vida, uma madrugada mais duradoura, mais profunda, mais oculta que o normal. Se parecerá intransponível, acumulará parte dos sonhos de outras noites ainda quentes, trará a insônia e as perguntas infantis de quem ainda não conhece o mundo. Os lençóis sabem o contorno do corpo, os travesseiros colecionam os cabelos e se perfumam. O rosto é cada vez mais salgado de lágrimas. Não há tortura maior do que quando não saímos de nós mesmos por estarmos enclausurados no outro. Ignoramos a despedida para tornar anônima a história sobre o final. Partir é mais fácil que ficar. Quem parte leva o que precisa e no caminho se distrai com a nova paisagem. Mas quem fica, fica com tudo e se torna prisioneiro do ambiente do fracasso. Depois de um tempo – que para uns dura mais e outros menos – uma frestinha de luz tenta atravessar as cortinas e somos surpreendidos ao lembrar que vida continua em movimento. E nesta história tão universal e ao mesmo tempo tão particular, pensei: não ficarei atrás das cortinas, é hora de abrir as janelas.

Cáh Morandi

25 de junho de 2014

...

aqui desisto de você
esconderei seu nome
esquecerei seu endereço
apagarei as digitais da pele
o gosto do beijo na boca
não lembrarei nossos dias
suspenderei seus contatos
doarei a sua camisa que me vestia
reorganizarei os livros e os quadros
alterarei a ordem das cores
deletarei as nossas músicas
dormirei no centro da cama
replanejarei meu lugares
não irá se topar comigo
não saberá a cor do meu vestido
não conhecerá minhas novas cicatrizes
não amará ninguém mais inconstante,
não amará ninguém que te escreva -
(talvez sim, é possível,
mas não com tanta verdade.)
e de repente teremos nos esquecido,
teremos nos substituído em outro alguém,
saberemos, vez em quando,
feliz ter sido. Aqui-agora não decidimos,
não nos permitimos. Ousar, se quiséssemos.
Amar se fossemos precisos.



Cáh Morandi

13 de junho de 2014

Cansada de relutar no amor, confesso a entrega. Demorei para cair nos teus braços com medo de que o deslize me deixasse em tuas mãos. E estou.

Cáh Morandi
Eu quis entender
mas, para certas coisas,
como no amor,
as respostas são
desentendimentos

Cáh Morandi

3 de junho de 2014

Mea Culpa

Antes que se perca este instante que me invade, vou te escrever algumas palavras. Não se engane, e nem me engano, talvez isto seja mais para mim do que para você. Não sei lidar muito bem com o amor, falta de prática ou talvez excesso de tentativas.  Da última vez, sei que estraguei tudo, sei que coloquei seu coração em dúvida, sei que torturei seus pensamentos por dias, que talvez tenha até roubado intencionalmente parte do seu sono. Mas as palavras não encontram descanso em minha garganta, e entre um beijo, e enquanto suas mãos brincavam na covinha do final das minhas costas, eu disse. Disse que gosto muito de você para aprisioná-lo a mim. Disse que não estou pronta. Que tenho medo. E que ainda há um passado em mim que não desfaz as malas. Não, não é amor... é apenas um passado. Gosto do que temos, da intimidade que construímos anos e anos. Você que me encontrou menina e comigo se tornou homem. Nos vimos amadurecer. Nos vimos amar e desamar. Nos vimos nas despedidas e nos encontros. E é isso que quero que entenda: não cabe a nós sermos um casal, porque somos a melhor dupla que conheço. E somos mais, bem mais, porque somos cúmplices. Conhecemos nossas raízes e nossos frutos. Conheço teus fracassos. Você sabe os meus escândalos. E por toda vida, até aqui, você sempre foi o abraço que reteve quando me machuquei andando pelo mundo (e quero que continue sendo). Por favor, não estrague. Por favor, não me ame. Não é com você, é comigo.  Foi sempre comigo que o amor sacaneou.

Cáh Morandi

6 de maio de 2014

Balancê


Logo eu, estabanada, que sempre dancei conforme o vento balançava. Eu que não criei raízes, que não sei o que herdei. Me deparei com você, e deu vontade de ficar, de sossegar. De colocar a rede, e balançar de onde te enxergue.

Cáh Morandi

22 de abril de 2014

Sem pressa

descanso as palavras
porque, de certa forma,
tenho descansado no amor

já não tenho pressa ou força,
mas a calma me repousa,
estou esperando pouco:
apenas o que mais preciso

Cáh Morandi

23 de janeiro de 2014

Namoro com ele


Namoro com ele porque é nesse instante que (sobre)vivo a felicidade. Namoro com ele para contrariar tudo que acredito, que julgo, que desconfio. Namoro com ele para descobrir novamente meu corpo e as canções antigas de algum lugar bem antes de nós. Namoro com ele para agora compreender os poemas, e ficar, e demorar, e reler a mesma página para nos encontrar muito além das palavras. Namoro como ele para beber mais água, para comer mais devagar, para usufruir melhor do sono e me submeter as mudanças que acontecem não só no coração, mas também no corpo que agora também é dele. Namoro com ele para replanejar todos os planos falidos do passado, as viagens adiadas, o apartamento desejado, as cores e objetos da nossa sala. Namoro com ele para escolher os nomes dos filhos que teremos, e antes de adormecermos ficamos entre Andrés, Luizas, Helenas, Claras e Felipes, gestando em nós a rotina que um dia mudará. Namoro com ele para mudar minhas reações, minhas irritações, minhas ansiosidades, porque ele sempre surpreende, sempre discorda, sempre atrasa. Namoro com ele porque dividimos a louça, dividimos o banho, dividimos a cama. Namoro com ele para escolher sempre o melhor vestido, o hidratante que amacia melhor minha pele, a cor que deixa meus cabelos mais castanhos com o sol. Namoro com ele para encontrar quem sou, quem fui e quem quero ser ao seu lado, sem jamais imaginar a vida solitária outra vez. Namoro com ele para amá-lo com suas virtudes e defeitos, com seu melhor e seu pior, para beijar cada cicatriz do seu corpo sem querer saber as histórias, para recompor o que ele já perdeu pela estrada, para dar minhas mãos à ele sem destino, mas com segurança de ancorar. Namoro com ele para descobrir que o amor não é nada do que eu pensava de perfeito. O amor é um vazio abismal e profundo, que só se preenche um no outro.

Cáh Morandi

17 de janeiro de 2014

aconteceu de ser de repente
e no meio de tanta gente
uma multidão de amor
nos deixou a sós
frente a frente

Cáh Morandi

Amei e não me culpo. O amor não é um laço para o arrependimento, mas sim o caminho do amadurecimento. Não poupar o beijo, não tardar a pele. Conhecer-se na entrega: estar no outro para poder "se estar". Deitar sem a pressa do relógio, permitir o delírio das palavras flutuantes com o corpo em um abraço. Pousar a mão sobre o peito e esquecer-se. Repousar a cabeça sobre o coração do outro e ser embalado pela sua respiração. Vivo de ser livre me prendendo em outras mãos. Amar como se o dia-a-dia não existisse. Amar com o mais profundo que pudermos sem economizarmos os “euteamo”. No final doerá, sempre doerá e será dilacerante. Mas se a dor não poupa, porque pouparemos na intensidade do que nos causa?

Cáh Morandi
sinto paz em nosso amor
discreto das agitações
do beijo leve, que leva
do abraço seguro
com ar de liberdade
e gosto da forma
que pesas teu peso
e demoras afundando
teus olhos nos meus
até me encontrar tua

uma leveza em nós
com a infinidade
de sermos
sempre


Cáh Morandi

Curta