27 de agosto de 2013

me cuida



Não foi necessário dormir para que sonhássemos juntos. Estou descansando com os braços imóveis dentro do teu abraço, seu corpo me protege as costas, tuas mãos se aquecem se fechando e se aproximando em meu coração, sua voz desliza baixo em meus ouvidos, você respira quente sobre meu pescoço arrepiado. Relutei por tanto tempo escolhendo sempre o amor errado. Não cheguei inteira até aqui, mas me entreguei quando você disse que ama todos os meus pedaços. Me cuida, deixa tuas mãos se perderem em meus cabelos para que eu me encontre segura. Guarde sempre teu próximo beijo para mim.

Cáh Morandi

12 de agosto de 2013

definições


a realidade me atravessa
já não posso tardar na resposta
tudo agora me define –
decido o futuro
sem conhecer o fim

o amor será adiado,
outra vez

Cáh Morandi

9 de agosto de 2013

Pare



Se você não parar exatamente agora, irei me apaixonar. Vou entregar todos os pontos, vou abrir o mais largo sorriso, vou atender todas as suas ligações, vou responder todas as tuas mensagens, vou querer te dar a mão para me sentir segura na rua, vou só conseguir dormir em conchinha para anteceder o sonho. Vou expor todos os sintomas de uma apaixonada.

Mudaremos o domingo para a nossa cama, sem pressa de levantar, tardaremos todos os horários. Redescobriremos novos filmes, os novos poetas irão compor canções para ouvirmos. Irei de novo contar o tempo de soltar o “eu te amo” e sempre será na hora errada, cedo ou tarde demais. Meu guarda-roupa começará a ter peças suas misturadas com as minhas, e nossos cheiros darão um novo ar para minha casa. De repente, estaremos fazendo planos, replanejando sonhos, revendo as possibilidades. E o melhor: podemos incluir todas as coisas novas para o amanhã, o amor nos dirá que sempre será possível.


Pare. Meus poemas se resumirão a todos os teus detalhes. E agora não quero escrevê-los, quero descobri-los.


Cáh Morandi

5 de agosto de 2013

primeiro-último amor



Amo o jeito que ele sorri. Amo o som da sua risada. Amo quando o riso atrapalha as palavras que tentam ocupar sua garganta. Ele sorri com gestos. Sorri com a inteligência sutil de me cantar. Me distraí no momento e segura minhas mãos, me contagia com o divertimento de sermos nós. Bobos. Parece meu primeiro amor, mas não quero: seja o último.


Cáh Morandi

1 de agosto de 2013

multiplico


construo a poesia para o nosso amor queria eternizar todos os nós que somos inútil pensar que posso nos caber - intermináveis, recomeçamos se achamos um fim, para nós o horizonte desperta a cidade mais próxima, não encontro mais em mim o findo me encho de ti e multiplico: trapaceamos a eternidade.

Cáh Morandi

Curta