31 de julho de 2013

te moro


Quero ficar morando no teu beijo. Agora dei de ficar desabrigada, você que se parece tanto com minha casa. Você que tem o descanso do meu lar. Você que agora é meu endereço, adereço. Você, moço, sem cabelo para eu deixar de pé. Você que parece ser exatamente o que é: um amor para mim.


Cáh Morandi

29 de julho de 2013

cicatriz



descarto as dúvidas
para conhecer os sinais
das tuas mãos, perco-me
nas linhas do teu traço,
será que meu destino
estava escrito na tua
cicatriz?

se for não, desejo sim,
não te amei primeiro
mas deixa eu amar até o fim -
guardei tua saliva
pra ter teu gosto
em mim

Cáh Morandi

28 de julho de 2013

reflorescer


Sei de você até quando não pergunto. O sol da tarde de domingo sempre confessa teus lugares. Você me convidou para amá-lo, mas não sabia que convites tinham respostas que valiam para sempre. Não dispenso a falta que você me faz, ela é também companhia. Pego o telefone, abro um email, penso e penso, chego a escolher as palavras, mas não irei avançar, não irei dizer o que sobrou de mim após a despedida. Quanto tempo demora a tua hora de voltar? A espera é sempre o tempo que um lírio tem ainda na sua semente. Me ensina a reflorescer fora de uma primavera.

Cáh Morandi

25 de julho de 2013

não te supero


[...] Não soube mais viver depois de nós. Ninguém consegue substituir teu nome, teu rosto, teu toque, tuas palavras prontas para meus delírios na madrugada. Falávamos a sós – juntos. Não tínhamos mais segredos para confessarmos, então criamos os nossos (esqueci para não entregar). Não vivo mais, vagueio pelas nossas lembranças. Ainda não sei se morri de amor ou de saudades. No final é quase a mesma coisa. Não te supero mais – e não me importo.

Cáh Morandi

24 de julho de 2013

te amo além


Se eu disser que nunca amei estaria mentindo. Entenda, eu não poderia te enganar, a dúvida dói mais. Ainda não está tudo acabado, mas agora não quero amar novamente. Para você quero inventar um amor novo, não quero recomeçar o mesmo sentimento de sempre. Somos diferentes demais para um sentimento comum, você não merece o que todo mundo tem, você não pode ser tratado com rotina. Preciso te-amar-além. Preciso ainda inventar o que não existe para amá-lo. Não é sacrifício. Sacrifício é o comum: ligação, jantar na quarta, domingo com a família, cinema. Quero o amor que se revela quando acaba a madrugada. Quero o amor que vem depois do beijo mais intenso. Quero a palavra que testifica a declaração dos votos. Quero o gesto que ultrapassa o carinho. Quero as digitais da tua alma quando tua mão dorme em minha cintura. Nós sempre viveremos além. Nós ainda inventaremos algo maior que a eternidade.


Cáh Morandi

23 de julho de 2013

estrela-mulher-cadente



Gosto mais de você, assim, quando a tarde chega no fim. E aí a leveza do teu sorriso retira meu cansaço quase que imediatamente. Esqueço da rotina e quero viver algo novo, iniciamos a noite antes das estrelas. Sou guiada por tua mão em meus cabelos para o escuro da nossa intimidade, juntos decidimos o sonho. Quero descansar, repouso em teu abraço, como uma estrela-mulher-cadente. Não me poupe o teu pedido.

Cáh Morandi

22 de julho de 2013

re-verso



e para o nosso 
antigo caso
quero inventar
palavras diferentes
só pra te dar
um amor-recém-nascido
que cresce
desde sempre

reinvento e te vejo
no avesso, re-verso,
ainda bonito, poema,
de-corado nos meus 
lábios



Cáh Morandi

19 de julho de 2013

febre


Desisto antes de conhecer o fim. Não antecipo a dor: evito. Quero apenas o beijo e não os lábios. Quero abraço e não estar nos braços. Quero o que ninguém me rouba. Quero o que não parte. Quero o que não me arde, mas me deixa na febre.

Cáh Morandi


18 de julho de 2013

cansaço


e de tanto que eu quis
cansei de querer
cansei de você
perdeu a graça
perdi o riso
e eu existo
para alguém
me fazer
feliz


Cáh Morandi

17 de julho de 2013

na ausência



sou mesmo quando não sou
e estou mesmo quando não estou -
aprendi todas as contrariedades:
existo ainda mais na ausência.


Cáh Morandi

16 de julho de 2013

infiltralidade




Sei que não, mas não importa. O amor deixa de ser amor se precisa ser exigido. Não quero pedir qualquer coisa, não quero dizer uma palavra que demonstre súplica, não confesso mais minhas desesperanças, esta não sou mais eu. Aprendi a guardar carinho com a infiltralidade das pedras. Na beira que as ondas batem, se você tentar me pegar, meu limo me desliza. Veja de longe, uma pedra na mão é uma arma. Você me quer nas mãos? A você mesmo se fere. Não me ame mais do que hoje, deixe que eu seja só o que fui até agora. Para ultrapassar arriscaríamos mudar o destino, e destino não muda trajetória. Por causa de você desenfeitei minha paisagem, desaprendi o gosto dos domingos. Tua falta é também minha falta, dividimos agora a ausência. Acho que você deu muitas palavras que o delírio me deixa em ciclos. Qual foi a última vez que fomos verdadeiros? 


Cáh Morandi

15 de julho de 2013

meu sim



Conheço os nomes e os locais 
de todos os terremotos se ele me olha
inexistem as minhas estruturas –
queria cair no meio do seu abraço –
não sei o que há entre nós
ou é justamente o que não há

tire de mim o meu sim,
não é só você,
eu já quis bem antes.

Cáh Morandi

10 de julho de 2013

amor futuro




Não preciso mais ter medo de errar no amor. Vi nos seus olhos que me aceitaria depois de todas as minhas desilusões, me esperaria chegar exausta depois de tantos desacertos. Descanso quando sua mão pressiona meu braço, beijo seus lábios enquanto você me ama com suas milhões de palavras. Me perdoe por não saber corresponder ou não poder corresponder na altura e profundidade que você merece. Agora vou errar, e você sabe, sofre e espera. Sei que é você que irá me recompor no futuro e me ensinará tudo de novo sobre todas as coisas, e quero reaprender. Ainda não estou, mas caminho para você, sei que sabes. Queria ter dito. Queria que você me chacoalhasse pelos ombros e derrubasse as minhas intenções que não são suas. Mas teu amor é paciente, teu amor não me atropela, teu amor me dá a liberdade da escolha. Teu amor me espera, teu amor se guarda para mim sem mais perguntas. Ainda te amarei. 

Cáh Morandi

9 de julho de 2013

esquecerá



Com o tempo você irá me esquecer, assim como se esquece as chaves sobre a mesa, como se esquece as tristezas num dia qualquer de domingo, como se esquece de observar as flores se abrindo na sua estação. Você vai, e algum dia olhará para nós de um lugar já muito distante, mas um sentimento de ontem poderá se balançar. Esquecerá com a obrigação da tua nova vida, esquecerá porque é o que restará depois de inúmeras alternativas. Esquecerá de aquecer meus pés no inverno, esquecerá de procurar livros que ninguém tem, esquecerá as canções que escolhemos para eternizar nossas histórias, esquecerá o som da nossa voz no meio da madrugada, esquecerá de viver o imprevisto que nos assaltava, esquecerá nossos desejos mais secretos: nossa boca com gosto de mel, nossos corpos embrulhados na fita, nossa garganta arranhada das profundidades das palavras perdidas. Me esquecerá quando cruzar comigo em alguma rua, a distância envergonhará nossa nudez. Me esquecerá quando outra poesia te surpreender e te ler mais do que a mim. Me esquecerá fixando os olhos em outras costas, em traços de outras tatuagens. Me esquecerá nos domingos, em outra sala, novos sofás, parecidos carinhos. Talvez também te esqueça. Penso (e sei que pensas) em quem, um dia, nos roubará de nós. O amanhã nos atravessará com a sua covardia. Sem perceber estaremos em mapas desiguais. Haverá saudade, haverá vontade e nada poderemos fazer. Colheremos a escolha do agora, inevitável. Será isto, previsto. O caminho é sempre para frente, um trem não tem escolhas, e aqui nos colocamos de passagem. Amadureceremos na dor, não na culpa. Teremos novas mãos entre as nossas. Nossos planos conheceram seus nomes, nossos filhos não reconhecerão nossos rostos. Nosso amor não conheceu a vida, ficará sempre por nascer, prematuramente.

Cáh Morandi

3 de julho de 2013

me decora


(...) Doce é ver ele decorando cada pintinha da minha pele, como se fosse uma poesia, como se fosse a mais linda poesia, como se eu fosse sua poesia. Meu corpo agora é seu livro de cabeceira. Conhece minhas páginas marcadas. Me grifa a palavra que alerta. Me dedica para sua vida, com amor.


Cáh Morandi

1 de julho de 2013

para a vida


Hoje acordei perdida para meus olhos. Vejo além do que me parece, certo ou errado, esquece, hoje não me convém acertar. Quero o vento e o beijo no rosto e um gosto na boca perto do romã, descansar um cobertor nas minhas costas e um abraço repleto de uma remota vontade de amar. Quero o livro, comer a palavra, me alargar na poesia. E quero a voz, a voz no ouvido, a voz que tem um gemido para me torturar. Quero os pés descansados na areia, ou dentro da meia, ou jogados no ar. Quero a varanda ao invés da casa, quero a paisagem, a folhagem, a aragem, a bobagem de jurar um amor. Quero deixar meus olhos fechados, meus lábios guardados, meu coração chaveado. E quero que você venha, quero que você chegue, quero que você more, quero que demore o tempo de uma vida ao meu lado.

Cáh Morandi

Curta