28 de fevereiro de 2013

nós, depois


o que será que viria
depois que nos desencontramos
nas palavras e no olhar?

eu poderia escolher
outra palavra que
anula-se teu aceno
e não fiz

que o futuro seja segredo
guardado no tempo -
nem nós sabíamos
o que faríamos de nós


Cáh Morandi

27 de fevereiro de 2013

Indecisa

se o meu coração
se deixar enganar
por você, outra vez
vou ter que encontrar,
redescobrir, nova
forma de me curar

sair de ti
me desenlaçar do teu abraço
moreno, sereno no amar
forte que toma meu medo
mas me deixa insegura
se você me largar

não sei se eu mereço
amar ou sofrer por você
desconheço o que vou fazer
se quero, não quero
te pertencer


Cáh Morandi

im-pressão




me deixa ir
não prenda meu amanhã
na tua incerteza

já que tua idéia muda
a cada segundo
se me ama ou não
ao menos me poupe
de dias longos
dois a dois na solidão

deixa nossos dedos
se descruzarem
nosso olhar se desenfeitar
ao menos quero
te guardar
no instante da
primeira vez

Cáh Morandi

25 de fevereiro de 2013

Previsível



Sempre sei quando estou prestes a fazer algo do qual vou me arrepender, e continuo. Depois irei me torturar, fazer mil questionamentos, levantar todos os "por quês?", me culpar e falar para mim mesma: "como você foi boba!". Me conheço, a ação feita ocupará o pensamento presente. Me roubará a palavra da boca, me inundará de escritas. Não desejo para ninguém e nem articulo uma mudança para o meu jeito. Descobri que o arrependimento é justamente para estes casos: viver demais, pensar de menos.

Cáh Morandi

21 de fevereiro de 2013

me recomeço



ponto final

era é o que pensava
que era, mas na verdade
tinha mais, o tempo
acumulado das esperas

fui virando só em riso,
felicidade própria
instinto de se refazer

agora eu já não tinha fim
o mais bonito de mim
era ser feita
de recomeços

Cáh Morandi

20 de fevereiro de 2013

ganhos e perdas


encontrei-o, é certo
sempre sabemos
quando é.

ainda não sei
como dizê-lo.

confessar um amor
pode significar
perdê-lo.

Cáh Morandi

15 de fevereiro de 2013

amor é acontecer


Aprendi com muita pancada da vida, que amor a gente nunca deve pedir. Mesmo que a gente precise muito, mesmo que a falta dele nos tire os últimos respiros de ar. Amor mendigado não é amor, pode ser qualquer coisa perto da ilusão ou do desprezo, mais do que isso não. Amor deve nos chegar gratuitamente. Sutilmente se penetra na solidão dos dias, recolhe as lágrimas, abre as janelas das noites mais frias, apaga as palavras que cortaram, lava nosso rosto, redescobre nosso riso. Não nos pede nada, nem aceita pedidos. Amor é acontecer.

Cáh Morandi

13 de fevereiro de 2013

estilhaços



Não nasci inteira. Abri os olhos a primeira vez e me estilhacei. Passei a vida recolhendo pedaços de mim, me encontro em lugares inesperados, me inauguro a cada milagre que desvendo. Não me completo sozinha, sou parte do outro. Então não me conte suas tristezas. Meu riso também não veio pronto, nasceu de muitas lágrimas.

Cáh Morandi

12 de fevereiro de 2013

Alto risco




Certa vez, pensei que jamais conseguiria
Dar o próximo passo, retomar as rédeas
Da vida, sair do circulo das nossas ideologias
Sonhar demais me levou para longe
Me perdi por muito tempo
E ainda tenho desencontros
Se apenas penso em nós

Me obriguei a pular o muro que me
Estancava dentro da nossa paixão
Saí bem mais ferida do que quando entrei
Mas é melhor a dor do que todo bem
Do que nada além de um beijo
Para recordar, melhor tremer, suar,
Evaporar com uma saudade que valeu
À pena. Nosso amor foi de alto risco

A canção atravessa minha janela
Agora somos livres como o vento
Lá fora, que pode ser chuva, se chorar.
Não sei mais teu endereço, embora
Meu corpo seja teu antigo lar.
Não sei mais noticias suas, embora
Tua vida seja minha poesia e
Te apresentas a cada palavra
Que me revelo.

Talvez o amor tenha esquecido de nos contar.
Talvez o tempo tenha esquecido de passar.
O “talvez” não deixa o amor terminar.

Cáh Morandi



8 de fevereiro de 2013

Deus sorri para mim




Me distraio e de repente, Deus sorri para mim. Um riso tímido se fosse comparado as minhas expectativas, mas não importa. Um pequeno sinal divino é o impulso que me sustenta no vir dos dias. Confio nas promessas feitas a mim: plantei com lágrimas, mas colherei com alegria. Ser feliz apesar de... é minha expressão ao amor de Deus.


Carine Morandi

6 de fevereiro de 2013

antes do beijo



Era só um fio de cabelo do vento separando nossas bocas, o segundo antes do beijo, a mão que chega primeiro nas costas, o abraço que imobiliza a ação, a última respiração depois de perdê-la, a palavra decorada que flutua, o cheiro do outro que se confunde com o cheiro do corpo, as pernas que se entrosam, os umbigos se encaixando para um novo mundo, os seios se comprimem contra o peito. Tudo um segundo antes. A certeza de nos conhecermos inteiros para nos entregar para o outro.

Cáh Morandi

Curta