5 de agosto de 2013

primeiro-último amor



Amo o jeito que ele sorri. Amo o som da sua risada. Amo quando o riso atrapalha as palavras que tentam ocupar sua garganta. Ele sorri com gestos. Sorri com a inteligência sutil de me cantar. Me distraí no momento e segura minhas mãos, me contagia com o divertimento de sermos nós. Bobos. Parece meu primeiro amor, mas não quero: seja o último.


Cáh Morandi

Curta