25 de julho de 2013

não te supero


[...] Não soube mais viver depois de nós. Ninguém consegue substituir teu nome, teu rosto, teu toque, tuas palavras prontas para meus delírios na madrugada. Falávamos a sós – juntos. Não tínhamos mais segredos para confessarmos, então criamos os nossos (esqueci para não entregar). Não vivo mais, vagueio pelas nossas lembranças. Ainda não sei se morri de amor ou de saudades. No final é quase a mesma coisa. Não te supero mais – e não me importo.

Cáh Morandi

Curta