16 de julho de 2013

infiltralidade




Sei que não, mas não importa. O amor deixa de ser amor se precisa ser exigido. Não quero pedir qualquer coisa, não quero dizer uma palavra que demonstre súplica, não confesso mais minhas desesperanças, esta não sou mais eu. Aprendi a guardar carinho com a infiltralidade das pedras. Na beira que as ondas batem, se você tentar me pegar, meu limo me desliza. Veja de longe, uma pedra na mão é uma arma. Você me quer nas mãos? A você mesmo se fere. Não me ame mais do que hoje, deixe que eu seja só o que fui até agora. Para ultrapassar arriscaríamos mudar o destino, e destino não muda trajetória. Por causa de você desenfeitei minha paisagem, desaprendi o gosto dos domingos. Tua falta é também minha falta, dividimos agora a ausência. Acho que você deu muitas palavras que o delírio me deixa em ciclos. Qual foi a última vez que fomos verdadeiros? 


Cáh Morandi

Curta