2 de junho de 2013

Nosso (improvável) amor



Nosso amor é uma expectativa constante, sobrevivemos do que pode ser.
Pode ser que amanhã você me ame. Pode ser que não.
O improvável alimenta nossos afetos. As possibilidades nos unificam.
Precisei fechar os olhos para enxergar o tamanho da sua importância na minha vida e quando despertei, amanheci em você, já não soube provar os dias de solidão. Estou para ti, porque só assim sei estar. 
Não conheço mais caminhos, não procuro novos mapas, faço minha história no permanecimento. Você é minha casa, meu terreno, minha pátria, meu lugar tranquilo, meu descanso, você é a bandeira sobre qual me estendo. Nos confundimos nos nomes e sobrenomes, nas datas e nascimentos. Não sei se eu termino, ou se você começa, ou então se é o avesso. Somos laço. Nos perdemos em um abraço, já não sobra dúvidas sobre ocuparmos o mesmo lugar no espaço. 
Hoje vamos inaugurar nosso amanhã.

Curta