16 de abril de 2013

Não responda, amor.




Meu perfeccionismo precisou falhar. Tive que reaprender a pousar o olhar mais leve sobre as expectativas. Esperava sempre por algo grandioso, fulminante e arrebatador, mas este mundo se limita ao mediano. As boas palavras só existem na garganta. A curva oculta o segredo da estrada. Melhor é sempre não esperar. O amor não se esquece, somente peca na incompetência de se confessar. Desisto. Meu beijo em teu rosto é me aceno. Teu gosto em meus lábios é o merecimento. Começo onde o cansaço te derrota. Meu suor é tua sede. Não entenda, eu também já me perdi nas alternativas. Talvez eu tenha perdido muito tempo construindo boas perguntas que – para não mais me doer – não quero respostas.

Cáh Morandi

Nenhum comentário:

Curta