9 de dezembro de 2013

Não, não é demais
talvez seja até de menos
meu exagero no receio
em te/me apaixonar

depois não vá dizer
que não avisei
que eu era caso sério
feliz demais para ser
mistério

Cáh Morandi

19 de setembro de 2013

vem

Vem, quero descansar no silêncio do teu peito tímido, quero adormecer em teu abraço para acordar no sonho. Vem, me ama sem a pressa do dia que virá, se o futuro nos separa, então não acreditaremos nele - por hoje. Vem, quero deixar minha boca no teu beijo mais macio, trocar meu gosto pela tua saliva. Vem, diz todas aquelas poesias em meu ouvido, dedilha em minha cintura nossa música, segura meus pés entre os teus para criarmos um caminho. Vem, há este tempo tão suspenso de possibilidades, e meu desejo, por agora, é não te perder para sempre, novamente.


Cáh Morandi

9 de setembro de 2013

Aceno



Foi em que traço, personalidade? Em que noite, madrugada se endereçou? Em que face foi mesmo que o amor ficou? O amor sempre será esse lado menos exposto, arranhado no corpo, com ares de futuro. Se entrega à próxima composição, mas segura os sinais. Desabotoa represas, mas encolhe os canais. Suspenso-lento-ardendo. O amor sempre será esse teu lado que não desemboca, que não vem à tona, que não vale meu sopro, minha noite, minha pena, meu poema. Não diz, não age, é inerte, insosso, imaturo, indeciso, impreciso ao que preciso, agora. Quanto mais abandona, mais me encontra: providencial; um lado meu que só renasce porque te espera. Acredita ainda, e envelhece. Renasce porque te melhora. Renasce para que no ventre dessas entregas, uma palavra pequena aborte as próximas distâncias. Uma palavra só, ou uma ponta de coisa-qualquer que valesse uma poesia. O amor sempre será esse hiato que não se desenvolve. Essa pedra que onda bate e não se dissolve. O amor sempre será alguma coisa sua, que não me resolve. Que não absorve. Que não me suga. Que não me seca para que eu me molhe. Que não te recomeça. Que não te escolhe. O amor te acena. Agora temos pressa.

Cáh Morandi & Priscila Rôde

2 de setembro de 2013

Doer

... mas e essa dor? Teria mesmo sentido que ficasse por tanto tempo? Ao contrário de você, não me abandonou. De tanto convívio, agora a chamo de minha. Minha dor. Há coisas que deixa-se de compreender. Que fique a dor, mas não quero que arda a ferida antiga. Quero alguém que venha me rasgar de novo a pele, com fúria, me deixando em estado de calamidade. Um amor adolescente. Inconsequente, sequente. Uma nova tatuagem, uma cicatriz que se feche diferente. Se vou dolorir, que não seja de saudade. Quero doer, doer, doer de amor.

Cáh Morandi


27 de agosto de 2013

me cuida



Não foi necessário dormir para que sonhássemos juntos. Estou descansando com os braços imóveis dentro do teu abraço, seu corpo me protege as costas, tuas mãos se aquecem se fechando e se aproximando em meu coração, sua voz desliza baixo em meus ouvidos, você respira quente sobre meu pescoço arrepiado. Relutei por tanto tempo escolhendo sempre o amor errado. Não cheguei inteira até aqui, mas me entreguei quando você disse que ama todos os meus pedaços. Me cuida, deixa tuas mãos se perderem em meus cabelos para que eu me encontre segura. Guarde sempre teu próximo beijo para mim.

Cáh Morandi

12 de agosto de 2013

definições


a realidade me atravessa
já não posso tardar na resposta
tudo agora me define –
decido o futuro
sem conhecer o fim

o amor será adiado,
outra vez

Cáh Morandi

9 de agosto de 2013

Pare



Se você não parar exatamente agora, irei me apaixonar. Vou entregar todos os pontos, vou abrir o mais largo sorriso, vou atender todas as suas ligações, vou responder todas as tuas mensagens, vou querer te dar a mão para me sentir segura na rua, vou só conseguir dormir em conchinha para anteceder o sonho. Vou expor todos os sintomas de uma apaixonada.

Mudaremos o domingo para a nossa cama, sem pressa de levantar, tardaremos todos os horários. Redescobriremos novos filmes, os novos poetas irão compor canções para ouvirmos. Irei de novo contar o tempo de soltar o “eu te amo” e sempre será na hora errada, cedo ou tarde demais. Meu guarda-roupa começará a ter peças suas misturadas com as minhas, e nossos cheiros darão um novo ar para minha casa. De repente, estaremos fazendo planos, replanejando sonhos, revendo as possibilidades. E o melhor: podemos incluir todas as coisas novas para o amanhã, o amor nos dirá que sempre será possível.


Pare. Meus poemas se resumirão a todos os teus detalhes. E agora não quero escrevê-los, quero descobri-los.


Cáh Morandi

5 de agosto de 2013

primeiro-último amor



Amo o jeito que ele sorri. Amo o som da sua risada. Amo quando o riso atrapalha as palavras que tentam ocupar sua garganta. Ele sorri com gestos. Sorri com a inteligência sutil de me cantar. Me distraí no momento e segura minhas mãos, me contagia com o divertimento de sermos nós. Bobos. Parece meu primeiro amor, mas não quero: seja o último.


Cáh Morandi

1 de agosto de 2013

multiplico


construo a poesia para o nosso amor queria eternizar todos os nós que somos inútil pensar que posso nos caber - intermináveis, recomeçamos se achamos um fim, para nós o horizonte desperta a cidade mais próxima, não encontro mais em mim o findo me encho de ti e multiplico: trapaceamos a eternidade.

Cáh Morandi

31 de julho de 2013

te moro


Quero ficar morando no teu beijo. Agora dei de ficar desabrigada, você que se parece tanto com minha casa. Você que tem o descanso do meu lar. Você que agora é meu endereço, adereço. Você, moço, sem cabelo para eu deixar de pé. Você que parece ser exatamente o que é: um amor para mim.


Cáh Morandi

29 de julho de 2013

cicatriz



descarto as dúvidas
para conhecer os sinais
das tuas mãos, perco-me
nas linhas do teu traço,
será que meu destino
estava escrito na tua
cicatriz?

se for não, desejo sim,
não te amei primeiro
mas deixa eu amar até o fim -
guardei tua saliva
pra ter teu gosto
em mim

Cáh Morandi

28 de julho de 2013

reflorescer


Sei de você até quando não pergunto. O sol da tarde de domingo sempre confessa teus lugares. Você me convidou para amá-lo, mas não sabia que convites tinham respostas que valiam para sempre. Não dispenso a falta que você me faz, ela é também companhia. Pego o telefone, abro um email, penso e penso, chego a escolher as palavras, mas não irei avançar, não irei dizer o que sobrou de mim após a despedida. Quanto tempo demora a tua hora de voltar? A espera é sempre o tempo que um lírio tem ainda na sua semente. Me ensina a reflorescer fora de uma primavera.

Cáh Morandi

25 de julho de 2013

não te supero


[...] Não soube mais viver depois de nós. Ninguém consegue substituir teu nome, teu rosto, teu toque, tuas palavras prontas para meus delírios na madrugada. Falávamos a sós – juntos. Não tínhamos mais segredos para confessarmos, então criamos os nossos (esqueci para não entregar). Não vivo mais, vagueio pelas nossas lembranças. Ainda não sei se morri de amor ou de saudades. No final é quase a mesma coisa. Não te supero mais – e não me importo.

Cáh Morandi

24 de julho de 2013

te amo além


Se eu disser que nunca amei estaria mentindo. Entenda, eu não poderia te enganar, a dúvida dói mais. Ainda não está tudo acabado, mas agora não quero amar novamente. Para você quero inventar um amor novo, não quero recomeçar o mesmo sentimento de sempre. Somos diferentes demais para um sentimento comum, você não merece o que todo mundo tem, você não pode ser tratado com rotina. Preciso te-amar-além. Preciso ainda inventar o que não existe para amá-lo. Não é sacrifício. Sacrifício é o comum: ligação, jantar na quarta, domingo com a família, cinema. Quero o amor que se revela quando acaba a madrugada. Quero o amor que vem depois do beijo mais intenso. Quero a palavra que testifica a declaração dos votos. Quero o gesto que ultrapassa o carinho. Quero as digitais da tua alma quando tua mão dorme em minha cintura. Nós sempre viveremos além. Nós ainda inventaremos algo maior que a eternidade.


Cáh Morandi

23 de julho de 2013

estrela-mulher-cadente



Gosto mais de você, assim, quando a tarde chega no fim. E aí a leveza do teu sorriso retira meu cansaço quase que imediatamente. Esqueço da rotina e quero viver algo novo, iniciamos a noite antes das estrelas. Sou guiada por tua mão em meus cabelos para o escuro da nossa intimidade, juntos decidimos o sonho. Quero descansar, repouso em teu abraço, como uma estrela-mulher-cadente. Não me poupe o teu pedido.

Cáh Morandi

22 de julho de 2013

re-verso



e para o nosso 
antigo caso
quero inventar
palavras diferentes
só pra te dar
um amor-recém-nascido
que cresce
desde sempre

reinvento e te vejo
no avesso, re-verso,
ainda bonito, poema,
de-corado nos meus 
lábios



Cáh Morandi

19 de julho de 2013

febre


Desisto antes de conhecer o fim. Não antecipo a dor: evito. Quero apenas o beijo e não os lábios. Quero abraço e não estar nos braços. Quero o que ninguém me rouba. Quero o que não parte. Quero o que não me arde, mas me deixa na febre.

Cáh Morandi


18 de julho de 2013

cansaço


e de tanto que eu quis
cansei de querer
cansei de você
perdeu a graça
perdi o riso
e eu existo
para alguém
me fazer
feliz


Cáh Morandi

17 de julho de 2013

na ausência



sou mesmo quando não sou
e estou mesmo quando não estou -
aprendi todas as contrariedades:
existo ainda mais na ausência.


Cáh Morandi

16 de julho de 2013

infiltralidade




Sei que não, mas não importa. O amor deixa de ser amor se precisa ser exigido. Não quero pedir qualquer coisa, não quero dizer uma palavra que demonstre súplica, não confesso mais minhas desesperanças, esta não sou mais eu. Aprendi a guardar carinho com a infiltralidade das pedras. Na beira que as ondas batem, se você tentar me pegar, meu limo me desliza. Veja de longe, uma pedra na mão é uma arma. Você me quer nas mãos? A você mesmo se fere. Não me ame mais do que hoje, deixe que eu seja só o que fui até agora. Para ultrapassar arriscaríamos mudar o destino, e destino não muda trajetória. Por causa de você desenfeitei minha paisagem, desaprendi o gosto dos domingos. Tua falta é também minha falta, dividimos agora a ausência. Acho que você deu muitas palavras que o delírio me deixa em ciclos. Qual foi a última vez que fomos verdadeiros? 


Cáh Morandi

15 de julho de 2013

meu sim



Conheço os nomes e os locais 
de todos os terremotos se ele me olha
inexistem as minhas estruturas –
queria cair no meio do seu abraço –
não sei o que há entre nós
ou é justamente o que não há

tire de mim o meu sim,
não é só você,
eu já quis bem antes.

Cáh Morandi

10 de julho de 2013

amor futuro




Não preciso mais ter medo de errar no amor. Vi nos seus olhos que me aceitaria depois de todas as minhas desilusões, me esperaria chegar exausta depois de tantos desacertos. Descanso quando sua mão pressiona meu braço, beijo seus lábios enquanto você me ama com suas milhões de palavras. Me perdoe por não saber corresponder ou não poder corresponder na altura e profundidade que você merece. Agora vou errar, e você sabe, sofre e espera. Sei que é você que irá me recompor no futuro e me ensinará tudo de novo sobre todas as coisas, e quero reaprender. Ainda não estou, mas caminho para você, sei que sabes. Queria ter dito. Queria que você me chacoalhasse pelos ombros e derrubasse as minhas intenções que não são suas. Mas teu amor é paciente, teu amor não me atropela, teu amor me dá a liberdade da escolha. Teu amor me espera, teu amor se guarda para mim sem mais perguntas. Ainda te amarei. 

Cáh Morandi

9 de julho de 2013

esquecerá



Com o tempo você irá me esquecer, assim como se esquece as chaves sobre a mesa, como se esquece as tristezas num dia qualquer de domingo, como se esquece de observar as flores se abrindo na sua estação. Você vai, e algum dia olhará para nós de um lugar já muito distante, mas um sentimento de ontem poderá se balançar. Esquecerá com a obrigação da tua nova vida, esquecerá porque é o que restará depois de inúmeras alternativas. Esquecerá de aquecer meus pés no inverno, esquecerá de procurar livros que ninguém tem, esquecerá as canções que escolhemos para eternizar nossas histórias, esquecerá o som da nossa voz no meio da madrugada, esquecerá de viver o imprevisto que nos assaltava, esquecerá nossos desejos mais secretos: nossa boca com gosto de mel, nossos corpos embrulhados na fita, nossa garganta arranhada das profundidades das palavras perdidas. Me esquecerá quando cruzar comigo em alguma rua, a distância envergonhará nossa nudez. Me esquecerá quando outra poesia te surpreender e te ler mais do que a mim. Me esquecerá fixando os olhos em outras costas, em traços de outras tatuagens. Me esquecerá nos domingos, em outra sala, novos sofás, parecidos carinhos. Talvez também te esqueça. Penso (e sei que pensas) em quem, um dia, nos roubará de nós. O amanhã nos atravessará com a sua covardia. Sem perceber estaremos em mapas desiguais. Haverá saudade, haverá vontade e nada poderemos fazer. Colheremos a escolha do agora, inevitável. Será isto, previsto. O caminho é sempre para frente, um trem não tem escolhas, e aqui nos colocamos de passagem. Amadureceremos na dor, não na culpa. Teremos novas mãos entre as nossas. Nossos planos conheceram seus nomes, nossos filhos não reconhecerão nossos rostos. Nosso amor não conheceu a vida, ficará sempre por nascer, prematuramente.

Cáh Morandi

3 de julho de 2013

me decora


(...) Doce é ver ele decorando cada pintinha da minha pele, como se fosse uma poesia, como se fosse a mais linda poesia, como se eu fosse sua poesia. Meu corpo agora é seu livro de cabeceira. Conhece minhas páginas marcadas. Me grifa a palavra que alerta. Me dedica para sua vida, com amor.


Cáh Morandi

1 de julho de 2013

para a vida


Hoje acordei perdida para meus olhos. Vejo além do que me parece, certo ou errado, esquece, hoje não me convém acertar. Quero o vento e o beijo no rosto e um gosto na boca perto do romã, descansar um cobertor nas minhas costas e um abraço repleto de uma remota vontade de amar. Quero o livro, comer a palavra, me alargar na poesia. E quero a voz, a voz no ouvido, a voz que tem um gemido para me torturar. Quero os pés descansados na areia, ou dentro da meia, ou jogados no ar. Quero a varanda ao invés da casa, quero a paisagem, a folhagem, a aragem, a bobagem de jurar um amor. Quero deixar meus olhos fechados, meus lábios guardados, meu coração chaveado. E quero que você venha, quero que você chegue, quero que você more, quero que demore o tempo de uma vida ao meu lado.

Cáh Morandi

28 de junho de 2013

Quase nós


Caminho exaustivamente pelos dias, atravesso a agonia da rotina, sacrifico o limite, estendo os horários. Percorro os dias e conto as semanas, agora o tempo é quase pouco. Avisto um bom porto para descansar da viagem, ancoro. Do céu aberto identifico a árvore, o galho e seu ramo, recolherei as asas. A distância do meu colo deitado em teu ombro diminui. O teu cheiro já alerta tua chegada. A realidade se despede para nos dar o sonho. Amarei fortemente, pois a força é meu descanso. Meu corpo ocupará o seu no mesmo lugar do espaço, sem física que nos explique. Juntos nada nos justifica ou questiona, dispensamos as palavras, importa os lábios. Quase estamos em paz.


Cáh Morandi

27 de junho de 2013

reflexo




paraliso em frente ao espelho:
me vejo com teus olhos,
vagarosamente me visto
com tuas mãos imprecisas,
jogo o cabelo para o lado
com o impulso do teu ar,
meu reflexo é sua imagem,
minhas curvas as estradas
que percorremos nos beijos -
únicos e difusos, nada mais
nos separa e diferencia,
meu amor-próprio é você



Cáh Morandi

26 de junho de 2013

seja


Não espere de mim o apelo ou o pedido, porque ao contrário da pergunta, sou a resposta. Já estive do outro lado e não quero mais. Quero que venha porque quer vir. Quero que fique porque quer ficar. Se você se despedir, quero a dor da certeza que quis se despedir. Não somos mais os jovens de outra hora. Há quanto tempo já desacreditamos do amor? Sobreviveremos a esta verdade. Suportaremos o fato de sermos de outros, mesmo sendo nossos. Descartaremos as hipóteses e as poesias. Verei algum pôr-do-sol e desconfiarei ser uma indireta tua atravessando o tempo. Meias palavras. Por que você nunca foi completo?

Cáh Morandi

25 de junho de 2013

escrevo-me



Se uma notícia ruim me atravessar não me prenderei a ela. Hoje preciso ver além da chuva, hoje preciso sentir além do frio, só assim não me recolherei. Recomponho a dor de me perder para o acaso, isto que toma de surpresa pelo caminho e desmorona as esperanças. Agora adio a felicidade sem pressa de possuí-la, para quer ter nas mãos algo que pesa bem mais do que alivia? Esqueço o nome do filho que não tive, lembro das viagens que fiquei por fazer, me divirto pensando nas noites que não dancei. Meu corpo corrompe com o trato de irmos até o fim, não envelheceremos só para não perder a memória. Começo a morrer para a vida ser mais intensa. Se duvidarmos do amanhã, o hoje não poupará na plenitude. Escrevo minha história para não publicá-la, quero ser uma carta que ficou por ser enviada.

Cáh Morandi

23 de junho de 2013

poesia de domingo


Poesia é cada manhã de domingo, é despertar do sonho na segurança do abraço, é alvorecer dentro da preguiça das horas, é tardar nos planos, é transferir a fome para matar a sede, é comprometer o juízo pelos lençóis, é demorar na respiração para se reconhecer no cheiro do corpo amanhecido, é recontar os arrepios da pele para se perder no calafrio, é adoçar o beijo ainda nos próprios lábios, é abrir os olhos para cerrar os cílios da alma, é não ter pressa de se reconhecer para ser anônimo na dor, é buscar o livro da cabeceira para redecorar o vocabulário, é adiar o movimento para estremecer na permanência, é procurar as costas debaixo das cobertas para deitar o toque. Poesia é sempre um domingo, é sempre esta manhã em que posso escolher as palavras. Tua voz penetra calmamente meus ouvidos e me convida para namorar o dia. Hoje só serei encontrada no amor.

Cáh Morandi

20 de junho de 2013

para a liberdade




se o tempo passar
deixe apenas
que passe

no tempo não
há alianças
nem algemas,
nele se anulam
as promessas

há este segredo:
não nascemos para um amor,
morreremos pela liberdade.


Cáh Morandi

19 de junho de 2013

líquida

escorro só para
não perder a gota,
recolho a saliva
para inundar o gosto -
líquida, provoco a sede
evaporando para voltar
na próxima chuva
para ti,
acalmo as ondas -
não quero ser
um rio, que passa:
quero ser foz,
que verte

Cáh Morandi

18 de junho de 2013

bem agora



calma, me acalma
nos próximos segundos

você chegou repleto
de palavras guardadas
sufocadas em você
eu só não esperava, 
bem agora, esta
novidade:

um convite, no meio
da minha liberdade,
pra me prender a você

o que eu esperava
na hora errada
de acontecer


Cáh Morandi

14 de junho de 2013

dureza


Não sei bem certo quando amadureci demais para o amor. Me separei do poema, como águas de cores diferentes. Nos repartimos para nos multiplicar. Deixei o carinho nas palavras, levei a dureza para os dias. Uso a razão para não mais me ferir. Endureci não por falta de amar, mas por excesso. Nunca medi o tamanho do beijo, antes da paixão eu já cedia na entrega. Não mais, por agora. Uma serenidade me convidou ao descanso. Somente espero sem subornar a expectativa. Nem sempre a espera tem recompensa. Ela apenas favorece o tempo. E o tempo, traz cura. Hoje quero apenas companhia, uma mão pousada sobre a minha até o próximo domingo. Uma vida sem crer no amor é tão cruel como a morte. Por enquanto, adormeço.

Cáh Morandi

para não dizer


não decepciono no amor
falho apenas na correspondência:
imóvel, não sou de grandes gestos
falo pouco, sou tímida na voz
desvio o olhar para negar
tenho medo de confessar
teu nome, secreto -
para não dizer,
te escrevo poemas

Cáh Morandi

12 de junho de 2013

aqui em mim


demorei para reparar
que você havia chegado
em mim

te descubro entre
as coisas boas e melhores
morando em meu peito

não do lado esquerdo,
mas estranhamente direito:
precisei de um novo coração
para te receber


Cáh Morandi

11 de junho de 2013

descuido


Perdi antes mesmo de ser derrotada pelo amor. Ao contrário de tudo que espero, inverso ao meu desejo mais secreto, você está. Não me oferece futuro, não aliança nossas mãos para um sempre. Me deixa para depois, fico estagnada na dúvida, sem avanço ou recuo. Cedo para ele ficar um pouco mais. Guardo a expectativa para correspondê-lo no agora. Não precipito para continuar no beijo. Enquanto posso, enlaço meus dedos nos dele, troco nossas digitais para a eternidade. Deixo ele ficar no meu corpo pelo tempo que queira e não pelo que desejo, tardo no suor. Não digo que o amo, embora. Não mostro que o quero, porém. Engano-me no amor para não sofrer a despedida.

Cáh Morandi

10 de junho de 2013

isto


isto que paira
entre o nosso olhar,
isto que morde
os lábios da nossa boca,
isto que arrepia
nossos pêlos e peles

isto que disfarçamos,
que negamos com um sorriso,
que escapamos com o alívio
de não nos entregar

Cáh Morandi

Curta