26 de julho de 2012



Enfim, sinto meu coração voltar ser livre. Basta um piscar de olhos e tudo vem para fora e nada mais fica oculto, nenhum incômodo se sente confortável em nós, e de repente todo medo acabou, tudo que nos torturava com angústia e consumismo... e o "adeus" , o "não quero mais", o "acabou" rapidamente são parte do nosso novo vocabulário e são compreendidos por nossa mente. Estamos leves porque estamos livres, e quem voa não encontra mais o mesmo lugar de antes no céu: permite-se a cada impulso, um novo registro na eternidade. Nunca mais passaremos pelo mesmo caminho.


Cáh Morandi

25 de julho de 2012

Mãos Cheias





Por favor,
Me diga o que fazer com tudo isso,
Me diga onde colocar as memórias
De uma forma que elas me deixem prosseguir,
Me mostre o jeito de curar essa dor,
Me indique o antídoto ou veneno...
Porque eu não quero mais estar aqui, entende?
Eu não sei pegar tudo que foi nosso nas mãos
E colocar fora, como se nada de bom sobrasse

Não quero voltar, ao contrário,
Estou tentando abrir um novo caminho
Tudo que sonhamos e vivemos não se apagará
Valerá ao menos um riso na ponta dos lábios
Num dia chuvoso e frio de setembro

Não podemos ficar, não podemos retornar...
Vamos tentar dar uma chance ao futuro.
Por favor, me ajude a me despedir,
Ainda que a última coisa que me ensine
seja dizer adeus.

Cáh Morandi

10 de julho de 2012

Olha para mim

Quantas coisas eu perderia para estar na sua frente agora? Exatamente agora. Não há antes, não há futuros previstos. Eu só queria esse segundo de toda a eternidade que existe, só para te olhar firme e doce, te desarmar sem meus truques, sem gestos brutos, saber me tatuar por todos os teus pensamentos e te devorar por dentro sem mostrar tudo que posso. Como eu queria ser dona das horas que nos restam para mudar todo o destino. Embora seja tão injusto, que chances você teria preso no meu olhar por um milésimo de segundo?

Cáh Morandi

Curta