13 de agosto de 2012

(re)encontro das águas




As águas que eram calmas, agora são maremotos em mim
Não me peça mais tempo, não diga: outro dia, quem sabe.
Se na verdade o que nos sobra é só o momento, intenso
Que precisa ser já, agora, nesta hora em que grito
Suplico, eu deliro, eu enlouqueço, o amor me devora.

As lágrimas que eram claras, agora são escuridões em mim
Não me peça maior sentimento, não diga: outro dia, você saberá
Se na verdade o que nos sobra é só o silêncio, imenso
Que precisa amar já, agora, nesta hora em que emudeço
Suspiro, repito, eu tropeço, o amor que me forma
Reconheço, seu começo é o meu lugar.

Cáh Morandi & Priscila Rôde

Curta