27 de dezembro de 2012



abro a porta devagar para o passado
deixo passá-lo sem me deixar ir
trocamos olhares, mas não nos fixamos
frente a frente, não lado a lado -
nos fazemos parte
mas já não nos pertencemos.

Cáh Morandi

26 de dezembro de 2012

26.12.12

não há como me colocar para fora
nem me eliminar, maquiar que em ti estive
porque ainda permaneço e me estendo
e me agarro por todos os poros
e vivo não porque quero,
mas porque me regas,
ainda que discretamente,
silenciosamente,
pertinentemente.

Cáh Morandi

25 de dezembro de 2012




Em alguns dias odeio a solidão. Amar e não pode estar é tão injusto. Quero dizer neste silêncio em que me encontro, nesta saída de cena forçada que te amo não apenas quando te tenho, mas mesmo quando não mais te alcanço.

Cáh Morandi

20 de dezembro de 2012

terremotos matinais



‎"Como eu tremo, você me desmorona sem nem mesmo perceber. Uma simples troca, uma mania inocente de abrir os lábios antes dos olhos pela manhã cada vez que te chamo. Levemente sorri e eu bruscamente desarmo. O que seria do meu dia sem teu impacto? Sem teu tato? Sem você no meu mundo?"

Cáh Morandi

19 de dezembro de 2012

Sobre liberdade e raízes


Não sei se quero me prender ou quero viver a liberdade. Amor devia ser vôo, mas também pouso. Varanda além de casa. Raízes muito antes de florescer.

Cáh Morandi

3 de dezembro de 2012

03.12.12



Te amei quando te vi –
não precisaram palavras ou gestos,
nem o passado que trouxemos ou
perspectivas do que queremos –
nos abraçamos por completo.

Cáh Morandi

12 de novembro de 2012

não mais




Lembro de quando te vi a primeira vez, como tremi, como um turbilhão de más e boas intenções vieram em minha cabeça, sinto ainda meu coração disparar. Desde então já não crio expectativas, meu futuro não será melhor que aquele dia.

Cáh Morandi

8 de novembro de 2012

inesquecível



Sempre sobra alguma coisa, um segundo no tempo, um lapso de memória. Um som, um gesto, uma palavra, um toque, qualquer coisa viva e intensa. Mesmo mínima, mesmo perdida em milhões de anos luz, essa pequena faísca que brilhou e apagou quase que ao mesmo tempo, se eterniza em algum lugar da história. Não morrerá comigo, você se fez inesquecível.

Cáh Morandi 

7 de novembro de 2012



A paixão nos abre caminhos. O amor nos leva para casa.

Cáh Morandi

6 de novembro de 2012

O Inesperado




Não há mais nada para acontecer
nada que não seja previsto
nada que possa surpreender
não espanta flores nascendo nas calçadas
não apavora estrelas novas sendo penduradas
nem o corpo vencendo a física
nem o cego lendo mímica
nem a ciência na sua vã experiência e sua cara de
reticências nas coisas que o amor pode fazer...
o mais impossível era esse encontro
entre tantos desencontros,
entre tudo que não tinha nada a ver,
só tinha que ser você para ser inesperado
e agora que venha o que vier
porque de resto nada além,
agora o que vem já é esperado

Cáh Morandi

5 de novembro de 2012

sob


Queremos esconder as tatuagens, mas o amor é profundo demais. Está sob a pele.


Cáh Morandi

31 de outubro de 2012

tempo certo




Sou extremamente medrosa, acredite. Todas as minhas amigas casaram-se, renderam-se ao encontrar amores em diversas formas e lugares... e foram. Estão sendo felizes, estão tentando recomeçar. Quase todas são mães, seus filhos crescem e elas se tornam mulheres ainda mais interessantes e lindas pós-maternidade. Eu as invejo. Elas conseguiram ir, arriscar. Suas vidas tem movimento, cor. Eu tive propostas, uma inesquecível, no final da minha adolescência. Uma que a juventude não soube responder. Uma que hoje eu teria arriscado. Tem loucuras que a gente só faz com muita maturidade.

Cáh Morandi

30 de outubro de 2012


...

"Amor é companhia na foto do porta retrato. É o sorriso que enfeita a sala."

Cáh Morandi

29 de outubro de 2012

eternize

Fervo, te ter por perto é um arrepio,
tremo se percebo um desvio na tua segurança,
desejo que se perca e se ache no que acredito,
tão impossível vir comigo assim?
errado ou certo quem dirá será o tempo,
o momento pede somente o decidir
entre ir e ficar, o caminho está a frente,
basta saber o que você quer eternizar.

Cáh Morandi

28 de outubro de 2012

Palavra



Levada no canto 
jogada no centro de um furacão, 
sou parte da tempestade 
a essência da delicadeza no fogo do dragão
que ora teima, ora arde e reparte,
corpo é arte em ebulição,
vulcão que alarda o silêncio 
sou levada sem direção, de repente,
atravesso quente feito bala, sou um
tiro a queima roupa, acerto o impreciso
tudo está escrito no não-dito,
nas ideias que me visto
na contramão do pensamento
ou no instante desatento
em que o pensar vira poesia
e o poeta é, sem saber ser
o eternizador de uma faísca
bela, que desliza no ar
até se apagar e dizer
tudo que precisa.




26 de outubro de 2012

sobre um amor esquecível


abri minha vida para que viesse
e este convite e ousadia era um pedido
- me ame.
não perceber, repentino, sua instabilidade,
e notar que tudo que você é completa
minha solidão. dois vazios.
seu amor não me intimida.
esperei  você para mudar toda minha vida,
e ganhei tudo que você poderia dar:
nada.

Cáh Morandi


23 de outubro de 2012

revela-me




não soube e
evitei questionar
teus segredos -
não diga,
o mistério também convida,
nem tudo é palavra ou
exposição

guarde a coisa bonita,
porque as feias já vivi demais -
me ensine uma canção antiga
pois elas são sinais
que entregam nas entrelinhas
e melodias já sei demais

o olhar que te arrepia é meu e
não quero mais nada!
fique com tudo que é teu,
até eu, que entrego tudo,
mas sou segredo no fundo:
ainda não fui revelada.


Cáh Morandi


22 de outubro de 2012

permita-se




Deixe de lado o que é diário ou rotina,
vire a página que deixou marcada,
dispense os óculos e os medos,
se livre do excesso de desculpas e roupas,
ponha as contas de lado, desligue o rádio,
abaixe o farol, reduza a marcha,
conheça o traço pelo paladar,
comece pelo fim, prossiga,
não é necessário entender sempre,
desentenda e se fixe no que estou sendo agora,
perceba meu caminhar alarmante,
como perco o ar, fico ofegante,
meu coração pressiona, é brusco
o vai e vem do meu peito, indiscreto;
nesse limite em que meus olhos te cercam,
no parâmetro dos sonhares que despertam,
na revelação que meus gestos não negam -
não se perca, não se traia, não se distraia,
me ame, não te peço – apenas permito,
seja o findo, o bonito, o indizível, improvável,
implausível, abrigo, itinerário, destino,
seja o que desejo, prove ser inimaginável.

10 de outubro de 2012

quero ficar




Não estou nem aí, não mesmo...
sabe, eu não vou me manter dura,
não vou tentar ser forte, parecer não me importar...
estou aqui mostrando que estou desmoronando, caindo,
expondo minhas fraquezas, confessando um amor e
não quero envelhecer para me arrepender ou esquecer,
antes quero viver o que a força e a loucura me permite agora.
Então, por favor, não caia fora, fica na minha e
entra nessa sintonia de um “felizes para sempre” até durar,
até o beijo desejar, até o tempo permitir...
quero me entregar, quero estar
estou tentando dizer que quero ficar
na sua vida por um tempo, eternamente.

Cáh Morandi

25 de setembro de 2012

25.09.2012

por favor, pare de me olhar,
pare de pedir que eu vá até você,
que eu ceda, que esteja disposta a me render,
- tão difícil me achar nesse convite pra me perder -
não quero dizer sim, não encontro nenhum não,
e você não alivia, pressiona,
duvida e me confronta...
eu não digo nada,
e não dizer
é estar.

Cáh Morandi

21 de setembro de 2012

Re-querer



Só agora eu posso dizer que te amo, me perdoe. É possível voltar um pouco no tempo? Impossível, só descubro no tempo certo as coisas que não me servem e o que preciso, o que me parece imprescindível, escapou pelos dedos da minha mão e eu não vi. Uma lágrima passa nos lábios e rouba o som do riso, as canções falam por nós. O mundo dá muitas voltas para nos levar a todos os lugares, menos naquele que poderia ser nosso verdadeiro lar. Nosso. Se pudéssemos desocupar todos os nossos espaços, talvez o vento levasse embora essa vontade de voltar ao começo, quando amar era só aquele silêncio à par de um segredo, de uma coragem. Você sorri em toda parte. Voltar agora é como cruzar repetidas vezes uma onda de impossíveis. Voltar é o meu destino mais comprido instalado no peito, que só agora consegue dizer que te ama, me perdoe. É possível me aceitar de volta nos seus pensamentos? 

Cáh Morandi & Priscila Rôde


20 de setembro de 2012

20.09.12


não sei se aguento tanto tempo
te olhar e não poder fazer nada,
não tenho dúvidas do que você me causa
te olho, instantaneamente te quero –
me desespero.
não sei o que fazer com você...
já que não posso, não devo
e também não nego.

Cáh Morandi

tumblr

Pessoal, estou no tumblr também: cahmorandi.tumblr.com

Espero vocês por lá! Bjs, Cáh Morandi

--- 
Aproveitando:
Twitter: @cahmorandi

18 de setembro de 2012

sobre amor e identidades




Não tenho conseguido me desfazer das tuas digitais
em mim. Em tudo que me olho, te encontro.
Em que parte de mim ainda me possuo ou
será que é só em você que me encontro?
Se não há nós, não sei como, não sei quando
que voltaremos a encontrar nosso próprio rosto
e descobrir nossos velhos gostos de antes
sem nos influenciar pelo tempo que estivemos – juntos.
Volto para casa, mas quando percebo estou na sua rua.
Difícil reacostumar com o nosso próprio endereço.

Um amor é um convite para uma travessia
de quem somos para quem nunca voltaremos a ser.

Cáh Morandi

12 de setembro de 2012

12.09.2012


Estou te amando e me odeio por isso
minha vida planejou outra pessoa,
mas meu coração escolheu você
dá para lutar? Melhor me entregar
deixar pra lá o amor dos meus planos
me surpreender com o humano
sem esperar o que é platônico.

Cáh Morandi

10 de setembro de 2012

Do eterno


Contamos os dias para não esquecer o sorriso recitenciado.
Pois o cair da noite, por si só, nos guarda na memória,
Vibram na acústica inócua da alma, onde meus onténs somam a ti.
Amei, como nunca havia amado; e é como se a porta abrisse
E o escuro céu sumisse feito vento manso, afinal,
Quantos não sabem ou veem, o possível habitar dentro do outro?
Em mim te encontro e me permito a pausa para os arrepios;
Posso sentir o peso dos beijos nos ombros subir até minha nuca,
Como se houvesse um segundo, esquecido pelo tempo, para nós.
Não cogitei a possibilidade da lágrima, esta orla enfeitada nos olhos,
Que deixei repousar em tuas mãos enquanto eu te alcançava.
Não volte para me roubar, levar o que guardei das nossas histórias,
Ninguém chegou tão perto, sem ser teu peito, a sentir meu coração,
Tão pleno pulsando. Como você encontrou coragem de ir?
O fremir do tempo convoca teus espaços,
Pois minha saudade não é do seu agora,
Nem dos gestos anunciando os labirintos propostos,
Mas de um passado tão presente; do seu queixo quadrado;
De suas confissões precipitando a distância
Subverto assim destemida, tão cautelosa.
Urgente.
Uma eternidade para nosso amor.

Cáh Morandi & Fernanda Fraga

27 de agosto de 2012

diretamente




Olha, se um dia você quiser voltar
Não pense duas vezes, eu não sei pedir,
Mas sou tão boa em te querer de novo,
De repente, minha sinceridade me expõe,
Mas a gente cansa de se importar,
Eu tô tentando mesmo ser feliz,
Tô querendo olhar para o futuro
E te ver comigo, pra valer.

Se você tiver outro plano melhor,
Eu aprendo a entender, nós poetas,
Pensamos que tudo é para sempre
Mesmo escrevendo sobre os finais.
Queria terminar contigo, minha vida.
Não sei se ainda te amo,
Mas posso me apaixonar de novo,
Deixar a porta entreaberta propositalmente...
Consegues ver meu sinal de alerta?


Me arrisquei muito neste tempo,
Procurar o amor não foi fácil,
A gente vai muito longe para encontrar
Algo que já passou pelo nosso caminho.
Foi num sábado a tarde e meus cabelos
Ainda estão molhados, essa é a minha
Lembrança do dia que descobri o amor.
Estou lá. Estou esperando que me abrace,
Porque seu abraço medroso me fortalece.
Não dou garantias, não posso te prometer nada,
Mas estou presa nesse segundo em que te amo
E não quero sair daqui, isso é o que sei.


Cáh Morandi

13 de agosto de 2012

(re)encontro das águas




As águas que eram calmas, agora são maremotos em mim
Não me peça mais tempo, não diga: outro dia, quem sabe.
Se na verdade o que nos sobra é só o momento, intenso
Que precisa ser já, agora, nesta hora em que grito
Suplico, eu deliro, eu enlouqueço, o amor me devora.

As lágrimas que eram claras, agora são escuridões em mim
Não me peça maior sentimento, não diga: outro dia, você saberá
Se na verdade o que nos sobra é só o silêncio, imenso
Que precisa amar já, agora, nesta hora em que emudeço
Suspiro, repito, eu tropeço, o amor que me forma
Reconheço, seu começo é o meu lugar.

Cáh Morandi & Priscila Rôde

9 de agosto de 2012



As muralhas que precisam cair em nossas vidas não estão fora, não vieram prontas de algum lugar para nos cercar: nós mesmos que as construímos ao redor de nós na medida que damos mais espaço para o medo, lugar a insegurança, acreditamos no fracasso, anulamos novas tentativas... Esses "tijolinhos" um dia se tornam fortes e ao invés de nos proteger, acabam nos isolando. Construir se torna fácil, mas graças a Deus que os recomeços podem começar a qualquer hora, inclusive quando a tarefa é desconstruir.


Cáh Morandi

26 de julho de 2012



Enfim, sinto meu coração voltar ser livre. Basta um piscar de olhos e tudo vem para fora e nada mais fica oculto, nenhum incômodo se sente confortável em nós, e de repente todo medo acabou, tudo que nos torturava com angústia e consumismo... e o "adeus" , o "não quero mais", o "acabou" rapidamente são parte do nosso novo vocabulário e são compreendidos por nossa mente. Estamos leves porque estamos livres, e quem voa não encontra mais o mesmo lugar de antes no céu: permite-se a cada impulso, um novo registro na eternidade. Nunca mais passaremos pelo mesmo caminho.


Cáh Morandi

25 de julho de 2012

Mãos Cheias





Por favor,
Me diga o que fazer com tudo isso,
Me diga onde colocar as memórias
De uma forma que elas me deixem prosseguir,
Me mostre o jeito de curar essa dor,
Me indique o antídoto ou veneno...
Porque eu não quero mais estar aqui, entende?
Eu não sei pegar tudo que foi nosso nas mãos
E colocar fora, como se nada de bom sobrasse

Não quero voltar, ao contrário,
Estou tentando abrir um novo caminho
Tudo que sonhamos e vivemos não se apagará
Valerá ao menos um riso na ponta dos lábios
Num dia chuvoso e frio de setembro

Não podemos ficar, não podemos retornar...
Vamos tentar dar uma chance ao futuro.
Por favor, me ajude a me despedir,
Ainda que a última coisa que me ensine
seja dizer adeus.

Cáh Morandi

10 de julho de 2012

Olha para mim

Quantas coisas eu perderia para estar na sua frente agora? Exatamente agora. Não há antes, não há futuros previstos. Eu só queria esse segundo de toda a eternidade que existe, só para te olhar firme e doce, te desarmar sem meus truques, sem gestos brutos, saber me tatuar por todos os teus pensamentos e te devorar por dentro sem mostrar tudo que posso. Como eu queria ser dona das horas que nos restam para mudar todo o destino. Embora seja tão injusto, que chances você teria preso no meu olhar por um milésimo de segundo?

Cáh Morandi

26 de junho de 2012

Oração



Às vezes eu peço a Deus para te esquecer, mas lá no fundo, o que eu queria pedir mesmo, era que você desse um sinal, mesmo pequeno, de que poderíamos tentar fazer tudo diferente dessa vez. Sei que o sinal não virá, então conto com Deus para conseguir prosseguir, talvez nem tanto feliz, mas continuar em frente.


Cáh Morandi

20 de junho de 2012

Paixão em tempo de seriedade


Estou olhando com mais seriedade para a vida neste momento. Algumas coisas ainda são incompreensíveis, mas que domínio eu tenho sobre a direção do vento que nos obriga a balançar no caminho? O que eu posso fazer se as mãos que um dia te permitiram ir, não são tão firmes como as que tenho hoje? O que seria necessário para trazer nosso tempo para o aqui e agora? Penso sempre em você, mais do que eu realmente gostaria. Penso não amando, não apaixonada, mas penso com carinho, com cuidado, com mimo... só isso que sobrou: uma boa lembrança e peito carregado de esperanças antigas. Fique bem, fique feliz. Foi assim que sonhei ver você.


Cáh Morandi

24 de maio de 2012

fênix

não quero fechar os olhos
meu lugar já não é tão íntimo
cansei dos meus monólogos
e do monótono jeito de olhar
a vida que percebo passar
não quero mais me deixar ou
me esquecer no meu abondono
...apagar-me de propósito

de repente, quero despertar
me presentear com o novo
me deixar arrepiar
perder o fôlego
de tanta sede
de ar

Cáh Morandi

4 de abril de 2012

Poderíamos ser

não somos estrelas, nem trovões, nem sol
mas nascemos com um brilho
que se esconde, na timidez
e nas fraquezas que sobrepõe
os corajosos que deveríamos ser

não temos exércitos
nós não governamos uma nação
não temos sangue real
nascemos condenados
a sermos escravos
de nós mesmos


nós somos tanto,
e optamos ser nada.


Cáh Morandi

25 de março de 2012

Amor, não.




Queria poder te encontrar, uns segundos apenas
Ver se o tempo teria conseguido nos vencer,
Eu sinto que nem toda água do mar
Poderia apagar, levar, nossos dias
Nossas alegrias espontâneas
Nossa felicidade que só precisa
De um riso e de um mundo fictício

Sinto sua falta.

Talvez sinta tanta falta que passo
A vida deixando espaços vazios
Na esperança de que você pudesse preenchê-los
Você sabe, eu sou tão boba às vezes
E crio esperanças que serão em vão
Tenho quase certeza, não te verei mais
Não vou nunca mais sentir aquela sensação
De te ver pela primeira vez, a segunda, a vigésima
Não mais, não mais amar com as impossibilidades
Não mais descobrir teus lugares preferidos

Guardo teus poemas escritos da Irlanda,
Embora não saiba o que sou hoje na tua vida,
Quando leio aquelas palavras, posso ainda
Me sentir amada.
Se neva bruscamente em Nova Iorque,
Te imagino na solidão das multidões nos trens,
E os dias passando vagarosamente,
E estou de mãos atadas.


Não quero nada,
Não escrevo essas palavras pedindo amor,
Não me declaro criando qualquer expectativa,
Pois sei que esse tempo não é mais nosso.
Só escrevo para não esquecer quem você foi
Naqueles dias de dezembro,
Escrevo porque preciso regar o lírio
Que você me fez acreditar ser.
Escrevo não porque te amo,
Mas porque ainda gostaria de amar.




Cáh Morandi

23 de março de 2012

variáveis





queria que fosse você
juro que sim
só por causa do seu sorriso
da sua mão me guiando pelas costas
pelos seus gestos tão imprecisos
que eu preciso, preciso agora
será que naquela hora
tudo seria possível?
impossível saber
só o tempo irá dizer
se sim ou não,
mas no talvez
de algo acontecer
posso querer
e pensar amar você.



Cáh Morandi

18 de março de 2012

choro e riso




o infinito que queríamos
ficou no bom do imaginar
quando as coisas nunca serão
não passarão de fragmentos e palavras
jogadas ao vento e um tempo fechado
de qualquer forma, só o fato de lembrar
faz desaguar a chuva que em mim mora
é ainda melhor chorar de saudades
do que rir de tristezas.



Cáh Morandi

5 de março de 2012

Ecos



quando tudo mudar
não pense em se desperar
tudo irá acontecer
exatamente como deve ser
e não há como prever
nossos amanhãs

aproveite esse instante
o que acontece
exatamente agora
é o que ecoa na
eternidade



Cáh Morandi

4 de fevereiro de 2012

Valorosa Espera




Quanto mais me guardo
mais valorosa será a chegada
toda espera é recompensada
nunca tarda, o amor tem sua hora
será como não imaginamos
surpreenderá todos os planos
antes premeditados
e numa fração de segundos
se formará o eterno.


Depois de muito longe,
estamos chegando perto.



Cáh Morandi

Curta