11 de agosto de 2011

às vezes, raras vezes, penso que irá passar
por que não iria?
mas não vai, não me abandona
segura minhas mãos
se prende ao meu anseio
encontra um sim no não
faz abrigo no meio peito

nada passa e eu não sigo.
vamos juntos rumo ao nada?


Cáh Morandi

3 comentários:

Elisabeth disse...

Lindo...lindo...lindo seu blog... adorei seus poemas e afins... já te sigo...qdo puder dê uma passadinha em http://sentimentosemparticulas.blogspot.com/ em individualidades tem algumas coisas que gosto de escrever...grande abraço e parabéns pelo trabalho...beijos!

Rachel Nunes disse...

Compartilho desse mesmo pensamento.
Às vezes parece que estanca, não flui.
E dá vontade de segurar uma mão e ir para o nada.

Beijos

Erica Gaião disse...

Cáh!

Lindo, lindo... E tão solitário, sabe? Àquela solidão vazia e oca, que nos invade logo após a partida... E a gente tenta recuperar, às vezes sem sucesso, o elo perdido. Mas a gente vai tocando a vida...

Beijos

Curta