29 de dezembro de 2011

wheat



perder o olhar pode ser uma poesia
uma nostalgia do futuro
sento e o vento que balança
o trigo com delicadeza
é o mesmo que traz
os temporais
saudades demais
do que nunca
se teve


Cáh Morandi

31 de outubro de 2011

Milenar



Imagem: Amanda Cass




Os nomes são endereços, incompletos.
Sobrenomes são perplexos ancestrais
Que sem sinais, fizeram um caminho
Entre destinos, repletos azuis e corais.


No começo, alguém já viu algo brilhar
Até nomear a luz no negro, estrela.
Também quando vi teu nome, meu lar
Sabia encontrar o que era, tudo.
Tantas palavras para se criar,
indizível é o teu olhar, meu rumo.


Teu dentro em mim, rascunho.
Fora de mim, deserto.
Território desalinhado.
Anti – final exato.


Peito de vidro, estilhaço.
Múltiplas falas e abraços.
Gravo, muito antes do corte.
As constelações são infinitas, milenares.
O brilho é nosso, ainda.






Cáh Morandi & Priscila Rôde

21 de outubro de 2011

10 de outubro de 2011

September, 12

Cai uma chuva gelada por trás da vidraça. Os dedos dos pés impacientes dentro da meia de lã, as mãos se aquecendo com a xícara de café, os lábios sendo mordiscados com os dentes, um pijama velho, um moletom jogado em cima, os cabelos bem amarrados, os olhos pequenos e perdidos acompanhando o desenho que água faz no vidro da janela.Não me importo em estar assim despojada, só quero me sentir o máximo bem que puder, embora seja improvável isso acontecer em uma noite de sexta, quando o fim de semana chega e você não tem ninguém. Ninguém que vá te abraçar enquanto a chuva cai lá fora. Ninguém que vá acalmar a tempestade que acontece dentro de você. Ninguém que vá te dar a mão quando você tem tanto receio de estar sozinha. Ninguém que ficaria ali, de graça, deitado ao teu lado escutando os trovões. Por um instante você pensa que isso é tão triste, que isso pode ser tão miserável e o amor parece ser uma esmola que você pede em troca de um sorriso, por mais falso que isso pareça. Frágil, o barulho da chuva viola o silêncio do pensamento, da lembrança, da doce ignorância em planejar o futuro. Você tem medo, porque você vê que tem tanta lágrima por dentro, escondida, calada, tímida e um dia chuvoso e frio é tão pouco comparado a tudo que você esconde atrás de um rosto discretamente limpo e doce.



Cáh Morandi

6 de setembro de 2011

sobre esperas


não vejo mais o tempo, não o subestimo,
quando o denomino de futuro
embora mal posso esperar para desvendar
o que já esteve me esperando por milênios
ficar quase sem o ar, e quase morrer, desesperar
ver teu rosto, teus traços se formarem
entre as digitais dos meus dedos que tremem
ver você realizar, ver você ser,
ver você me olhar

de alguma forma a gente soube
(ou saberá)
que o tempo da espera
é o caminho de se encontrar


Cáh Morandi

23 de agosto de 2011

todos os dias

Para: O dono de um lírio.

Penso em você todos os dias
às vezes mais, às vezes menos
algumas vezes nos pensamentos antes de adormecer
outras nas correrias do dia-a-dia
mas só para você saber, sempre penso
talvez mais do que eu tenho suportado
pois a ferida começa a arder, sufocar
não sei o que fazer com os beijos,
não sei o que fazer com os planos,
não sei o que fazer com as fotos,
não sei o que fazer com as poesias,
sopra um vento frio, queria que você viesse
queria mais um minuto nos seus olhos
queria te fitar de novo até adormecer
queria acordar mais uma vez no seu abraço
e fazer caretas com o guardanapo...
as coisas tolas são as que mais ficam,
o importante sempre é passageiro,
mas a gente nunca nota, não é?

Embora você tenha ido, arranjou um jeito de ficar.


P.S: Eu amo você, pequeno. Sou um lírio de agosto.

16 de agosto de 2011

não é?



Quem nunca teve medo?
Quem nunca ficou assustado?
Mesmo quando não era nada...
...e nada era sempre o mais assustador.


Cáh Morandi

15 de agosto de 2011

gente(emer)gente: re-chances

gente(emer)gente: re-chances: "de repente um riso tímido
presenteia meus lábios..."

13 de agosto de 2011

Musicar você

Marisa Vieira recitando poema que fizemos em parceria:



Visite Marisa aqui!

12 de agosto de 2011

divulgando...

que tem um movimento bem legal que vai rolar por aqui:


Com:
Cáh Morandi

Simbora???

11 de agosto de 2011

às vezes, raras vezes, penso que irá passar
por que não iria?
mas não vai, não me abandona
segura minhas mãos
se prende ao meu anseio
encontra um sim no não
faz abrigo no meio peito

nada passa e eu não sigo.
vamos juntos rumo ao nada?


Cáh Morandi

10 de agosto de 2011

um som para não esquecer



Eu poderia ter gritado mais alto, mas nem sempre o desespero exige a palavra ou o tom grave que agride os sonhos que dão adeus. As malas cheias de roupas e decepções. Por que nenhuma salvação a tempo? Por que nenhum gesto voluntário de desculpa? Aí se foram as canções que Chico nos cantava pela manhã, aí se foram os sons dos nossos movimentos pela casa, aí se foram as melodias que o vento criava em nossa janela, aí o bipe da campainha começou a desafinar, aí tudo que tinha sintonia e harmonia já não mais existia. E na despedida se conhece um novo som, de significado e que ecoa: as portas batendo em tom de nunca mais.


Cáh Morandi


Nós...

... voltamos a fazer (emergências) por aqui!

Vem com a gente?

28 de julho de 2011

Algumas Canções


O teu respiro me inspira
Expira e me mantém suave
Feito a ave quando encontra
seu ninho
Feito a vida quando me descobre
E o destino age como se fosse acaso
Quando no nosso caso já estava escrito
O dito pelo não dito nas canções
que ouvimos
Avarandadas em seus instintos
Que de tão lindas e exaustas
Do amor que fica quando passa
Anulando o medo que quer morada
E mais se afasta quando tuas mãos
Repousam sob meus futuros


Cáh Morandi & Priscila Rôde

14 de julho de 2011

as mãos no amor


não que eu tenha medo
não que eu seja insegura,
mas dar minhas mãos as tuas
é só para unir meu corpo no teu
quando andamos pelas avenidas
quando nenhuma cortina encobre
quando a cama são as calçadas
se o teto é qualquer lua
se a morada é qualquer rua
o amor é feito as claras
das mãos se dando, nuas


Cáh Morandi

14 de junho de 2011

déjà vu




queria me apaixonar de novo
e mais uma vez por você
nada diferente de tudo que já tive
nem de mais ou de menos, mas exato
como nosso tempo no espaço
como os abraços que nunca se desfizeram
e os beijos não terminados
é tanto passado nesse presente
indiferente, se não fizer futuro.

(Cáh Morandi)


*obs: vale lembrar que eu também estava com saudades daqui!

30 de março de 2011

Beijos e Estrelas




Um beijo não acontece sempre, porque um beijo é algo muito perto do milagre, e milagres demoram para se alcançar. Porque não basta fazer promessa, primeiro se deve acreditar, e isso é fé. O beijo é parecido, porque não é só um lábio no outro, duas línguas se tocando, mas sim quando esse encontro acontece e então a gente sente como se todas as estrelas do céu da nossa boca estivessem caindo e derretendo em nossa garganta. Beijos-milagres-estrelas são como aquelas cadentes que a gente vê raras vezes e que se pode fazer um pedido (os milagres que desejamos) enquanto dura o pequeno espaço de sua existência.




(Cáh Morandi)

5 de março de 2011

passando para ficar


quando você passa
nem parece que passa levando todo ar
e todo sentido no que ando sentindo
quando brinco de me apaixonar
e de tanto brincar e de tanto você passar
quem diria que no andar, você ficaria
e ficar não como quem visita,
mas ficar como quem mora,
quem habita até se enraizar



Cáh Morandi

7 de fevereiro de 2011

beirando

[Foto: Amanda Cass]





Você está vendo só?
tão simples cair na vida de alguém
mesmo que seja de mansinho,
de pouquinho em pouquinho
até nos encontrarmos inteiros,
mergulhados, envolvidos,
na vida do outro

passa mais perto,
passa beirando meu abismo,
anda sobre a linha que nos divide,
é um risco assumido,
mas é o caminho que se percorre
para de leve, muito leve,
entrar na minha vida.



(Cáh Morandi)

4 de fevereiro de 2011

tempestade

A lembrança da tua voz
é minha companheira nos dias de tempestade
nas horas que lembro, viver é preciso
apesar de...
apesar de tanta coisa ficar perdida
entre os olhares que nunca,
n-u-n-c-a mais irão se cruzar
mas a tua voz fica, e soa,
e canta às vezes
e eu começo a chover,
a chover,
c
h
o
v
e
r
para dentro de quem um dia fui
contigo.


(Cáh Morandi)

3 de fevereiro de 2011

tempo de tempo




Estou dando um tempo. Não sei, mas não tenho vontade de abrir novos livros, por enquanto.


Cáh Morandi

25 de janeiro de 2011



Guardo meu coração para depois, ainda não sei o que fazer com a parte que era tua.


Cáh Morandi

19 de janeiro de 2011

chove-me

para Lalo, sempre nordestino




Vejo a chuva descer quando você esquece
As águas que são raras,
A calmaria que sensura, ditadura própria.

E o chão fica alagado da tua tempestade,
E eu mergulho no que transborda,
Me jogo contra teu submarino.

Eu que não acho ruim,
Eu que sempre quis dançar na chuva,
Eu sempre árida.



Cáh Morandi

Curta