26 de junho de 2008


pelas saudades que virão
nesse poema eu faço
um apertado abraço
para os dias de solidão



(Cáh Morandi)
O amor é alguém que a gente não tem
e às vezes tem, mas nem desconfia disso

Auto Leitura


e se tudo o que eu sou
ou seja lá o que fosse
já estivesse publicado
carimbado, editado
e distribuído?
não, eu não seria
um best seller
e você nem havia de
ter me conhecido,
ou se conhecesse
nem graça teria,
você já saberia tudo
do meu passado e futuro
até as coisas que eu nem sei
por que devem ter acrescentado.
ah, ai, se me conhecessem
num estudo bibliográfico!
hum, que fracasso
ninguém me compraria!
melhor, eu prefiro é doar poesia,
doar essa coisa que eu sinto
e que transborda...
alguém entenderia,
e veria beleza nas entrelinhas!
ah, eu sou tão pequena...
mas se o universo todinho
cabe dentro de um verso,
eu posso ser ao inverso,
posso ser grande,
posso ser perto
de tudo que quero



(Cáh Morandi)

25 de junho de 2008


"Se escrever for coisa lá de baixo
que Deus perdoe meu lado errado
e me receba quando for meu dia
prefiro morrer fazendo esse pecado
do que viver sem nenhuma poesia"


(Cáh Morandi)

24 de junho de 2008

Além do riso



era como ele me fazia rir
não o riso, mas era como
ele me afundava as mãos
e me torturava de cócegas
nunca foram as gargalhadas
era essa maneira única em
que ele me tirava todo ar
e me matava por um triz
era como me fazia tão feliz
antes e depois de um sorriso



(Cáh Morandi)

Segredos no silêncio




eu te escrevo, embora ninguém entenda
que nesse silêncio te revelo meus segredos;
escrevo e te amo, porque não há outra forma
de passar pela vida se não passares comigo;
me guarde perto das coisas que levaste
para contar quando tudo já estiver tarde;
me eternize num feliz retrato que nenhum poema
ainda conheceu, pois que é só teu meu riso;
não me esqueça, não me deixa, nem parta,
porque agora a inspiração é farta
de tanta rima que surge no teu beijo;
e quando te tenho, e te recebo,
e vens me invadindo o mundo
ah, por esse segundo
eu daria a eternidade inteira.



(Cáh Morandi)

23 de junho de 2008

Sobre o abraço




Se um homem soubesse o poder que seu abraço tem ao acolher uma mulher, a segurança que ela sente, todas as melhores coisas que passam em sua mente, o quanto ela se entrega. Se ele desconfiasse que naquele momento ele a tem inteira, completa, repleta de uma felicidade extrema. Será que ele se manteria ali por mais alguns segundos? Será que a pressa de um abraço seco se tornaria próximo do que uma mulher sente? Será que ele entenderia que essa coisa tão simples, tão gratuita, dentre muitas coisas no mundo é o que gente mais precisa, é o que nos abriga, é o que dá paz ao nosso sono?



(Cáh Morandi)

22 de junho de 2008


o que me der na telha eu faço
escrevo, me rasgo num poema
isso não é problema dos maiores
há coisas que são bem piores,
por exemplo: saudade e solidão.
não, só o amor que tem dois gumes
que dói de tanta felicidade
se por candura ou por maldade
isso também não sei dizer;
o que importa é que a gente “tá por aí”
para quem quiser se arriscar,
se apaixonar ou virar poesia




(Cáh Morandi)

Rápido


e quem me dera que de sorte
ele me amasse
sem eu ter que pedir,
sem eu ter que gritar;
quem me dera que ele
viesse sempre carente,
sempre contente
como no começo parecia;
mas não, passou o
primeiro momento,
o encanto e magia;
tão rápido passa o amor
que tão pouco durou
e já vira nostalgia





(Cáh Morandi)

21 de junho de 2008



Me enchi de uma coragem que até então eu desconhecia, a suportei, não tremi, não gelei, nada, absolutamente nada, nem minha voz, nem ela que é tão delicada e doce como se ainda fosse uma criança, desafinou ou tropeçou:
- Amor, tu me ama?
Ele demorou, talvez mais do que eu pudesse ter suportado, era tempo de eu ter vivido e renascido centenas de vezes. Então por um momento, algo gelou, algo deu de voar para longe, e esse algo era uma espécie de esperança e medo, ainda não respondidos:
- Te amo, mas enfim que já é tão tarde...
Depois eu fui desmoronando, até entender que o amor era algo diferente de mim. Que o amor não tem a mesma urgência, a mesma crença e gana que eu tenho de me sentir viva, ou de apenas sentir.


(Cáh Morandi)

20 de junho de 2008

eu não tenho medo da morte,
eu tenho medo é da sorte
sendo tão boa me trazendo você

(Cáh Morandi)

me engana (eu gosto!)


ele lança um sorriso
pensa que vai me ganhar,
disfarço, nem vejo
ele me faz notar
sacana, me engana
dizendo me amar
ele me leva de um jeito
para dentro do olhar
e tanto me prende,
me deixa sem jeito,
ele me faz acreditar





(Cáh Morandi)



eu acredito
que Deus não acredita
mais em mim...
não, eu nunca menti,
mas é que ao orar
eu sempre ri
em vez de chorar...
ele pensa que sou forte,
ele pensa que tá tudo bem,
e na verdade está...
Ele me olha de lá,
eu o cumprimento daqui
e dia desses, depois de tudo cumprido,
a gente se fala, a gente se acerta
se Ele deixar a porta do céu aberta
para essa pagã entrar
.
.
(Cáh Morandi)

19 de junho de 2008

Duvido!

.
.

se você mentir
eu acredito,
principalmente
se diz:
- não te amo...
ah, amor, eu d-u-v-i-d-o!

.
.

Suspenso


você me complementa
me faz inteira
me faz primeira
estrela da manhã

você me experimenta
me faz brincadeira
me faz clareira
janela pagã

o que você vê
se me olha?
o que você quer
de mim agora?

No que você crê
Se me molha?
O que você tiver
De mim vigora ?



(Cris Souza e Cáh Morandi)

18 de junho de 2008

Aceite uma mortal


juro, amor, não quero ser imortal
não combina comigo, não tem nada ver
essa vida louca já me marcou dia e hora...
e mesmo que insistam, só aceito
se você for comigo,
porque se não vai ser castigo
passar a eternidade sem você...
ah, bem melhor morrer
do que sofrer uma infinidade inteira



(Cáh Morandi)

17 de junho de 2008

Aprendendo


como não me apaixonar
não me render, não me entregar,
não me completar com
tudo que é você;
que me rouba o pensamento,
que me deu meu melhor momento,
que tem me ensinado o que
eu não sei do verbo amar



(Cáh Morandi)

Um poema para nós




ninguém acredita da forma
que a gente se cola e gruda
uma pele na outra, nuas
a coisa vira tão única
que nessa loucura
um corpo no outro
a gente tatua;
o que irão dizer
todos os sábios
quando souberem
que em um abraço
a gente ocupa
o mesmo lugar
no espaço?


(Cáh Morandi)

16 de junho de 2008

Festa de tudo


quando o amor era só
um rastro de cometa,
um pó de estrelas
quebradas no céu;

mas quando meu olhar
cruzou com o teu
foi como se todos
santos e demônios
se juntassem para
uma festa;
o amor não é mais
só o que resta;
o amor era só
o princípio de tudo




(Cáh Morandi)

12 de junho de 2008



ao meu namorado,
ao homem que escolhi,
que por felicidade me escolheu,
a esse que amo com a mesma
inocência de quando o conheci,
que amo com uma intensidade
maior a cada beijo,
é esse, sem dúvida, com quem
vou casar, ter uma dezena de filhos,
comprar um apartamento de frente para o mar,
planejar alguma viagem se nossos meninos
e meninas concordarem,
e se você quiser e deixar
te dar meu pensamento
do último ao primeiro
te amar pela vida toda
por completo e inteiro



(Cáh Morandi)

10 de junho de 2008

Um poema [small]



a gente se encontra nas fotografias
do passado;
meu riso exagerado, teu cabelo
arrepiado ao vento;
eu sempre lembro e tento
levar a vida na reação de como
ganho um presente, porque
nunca sei se choro ou se sorrio...
se você lembrar de um lírio,
se descobrir o que é um lírio,
os sorrisos nunca sairão da fotografia,
nem da memória, nem dos ouvidos...

há lírios que serão de apenas uma pessoa;
há uma pessoa no mundo que tem um lírio....
(....)

8 de junho de 2008

Indescritível



Digo, é você
Que se precipita
E no meu verbo
Apita

Sinto, é você
Se um olhar me fita
E na vida me lanço
Infinita

Veja, é você
Que se balança
E no meu seio
Avança

Pinto, é você
Que se mostra
E a pele na pele
Encosta





(Cáh Morandi e Cris Poesia)

5 de junho de 2008

Eterno segundo



a eternidade não passa disso:
desse pequeno momento
em que pisco os olhos
e de repente te observo;
e toda vida está ali
exatamente intocável,
pronta a nascer ou morrer
diante de um “sempre”
que sobrevive um segundo



(Cáh Morandi)

eu sou a melhor coisa que poderia te acontecer
sem modéstia nenhuma e não nego ao dizer;
ah meu bem, não vou chorar por você
tenho na lista mais de mil homens amantes ,
que me consideram mais importante
do que os programas de tevê.

azar o seu, que me perdeu
sem nunca me ter
.
.
.
(Cáh Morandi)

2 de junho de 2008

Para dizer sim


numa estação que o tempo não deu nome,
quando o sol estiver nascendo devagar
e nossos corpos estiverem tão pertos
e meu coração sentir o teu no meu tocar,
se pudermos respirar quase o mesmo ar
na cama, entrelaçando as pernas,
sem nenhuma das juras eternas
além do sim,
além do vou aceitar
me casar com você
todos os dias
depois desse dia
que eu tiver pra viver




(Cáh Morandi)

1 de junho de 2008


"muito tempo para pensar
faz a gente amar ou desamar
além da conta"


(Cáh Morandi)

Curta