31 de maio de 2008

Entre nós


entre teu desejo
e o meu corpo
tem possibilidade
de fogo,
de terremoto,
de selvageria,
depois o gozo,
enfim calmaria



(Cáh Morandi)

29 de maio de 2008

In feliz


todo dia eu saio para roubar
um pouco de alegria na vida de alguém
só que volto para casa
mais triste do que antes
por ser essa pequena ladra com olhos
na felicidade alheia dos outros
juntando risos aos poucos
sem saber ser feliz



(Cáh Morandi)

27 de maio de 2008

Para os que gozam



não vou me importar se ficarem me apontando,
me indicando, cochichando de mim segredos,
nem vou ligar se ficarem me dando as costas,
se citarem meu nome em rodinhas de bossa,
porque não vou deixar de ser essa mulher que sou
essa mulher que ri quando goza
que goza da vida em tudo que possa
que gargalha, que se rola,
que vai por ai a fora
com pouca ou muita pressa;
ser feliz é o que interessa
para todo mundo que goza



(Cáh Morandi)

24 de maio de 2008

Cadente na noite

meus olhos se enchem de estrelas
e devo saber, estou quase dormindo
e não tive tempo de parar de pensar
em todos meus planos para você
estrelas cadentes já vão caindo
dentro dos meus olhos negros
você feito astro passando
eu menina para o céu olhando
e o sono chegando fazendo a noite



(Cáh Morandi)

23 de maio de 2008

Tempo da demora



erraram quando dividiram o tempo
e o puseram em relógios...
agora dependendo de dias e horas,
agora há tempo pra contar,
tempo para te ver,
tempo demais para saber
o quanto você demora



(Cáh Morandi)


.

22 de maio de 2008

eu sento em tuas pernas
aperto teu peito contra o meu
você me embala e balança
adormecendo meus medos

21 de maio de 2008

só sei de você


(para você, que eu não sei desistir)


eu não sei como vai ser
enquanto todos me olham
enquanto todos me chamam
enquanto todos me cantam
enquanto eu só sei de você
(Cáh Morandi)
saio por ai
comprando um amor
como quem compra um cigarro
daí me vem uma tristeza
dessas que a gente sente doer
peço troco, depois eu dôo
meu pobre amor a quem querer

19 de maio de 2008

Mais...


Algumas vezes dói menos
não é sempre, mas acontece
de a saudade estar mais leve
de a vida adoçar um pouco
acontece, um passo para trás
antes de se lançar no abismo;
acontece de se querer pensar
antes de desaparecer ou pular
em até que ponto se pode amar
alguém bem mais do que a gente


(Cáh Morandi)


todas as palavras que escrevo
se escondem do real sentido
e eu nunca consigo dizer
da forma exata que te amo
da forma exata que te chamo
em cada poema que te desenho



(Cáh Morandi)

18 de maio de 2008



a noite não passa
passa a luz da lua
entre teus cabelos
meus olhos negros
te observam dormir
e eu sonho
ao te ver sorrir,
acordada


(Cáh Morandi)

Coração Digital

pegaram meu poema do papel
digitalizaram, mordenizaram
os detalhes que fiz a mão;
me operaram, nem me avisaram
agora é eletrônico meu coração



(Cáh Morandi)

tenho os pensamentos longos transcritos em versos curtos, não abuso da palavra, não me estendo em assuntos; só acrescento amor em tudo que faço, e todo amor vem da gana da vida... em encontrar beleza nas “coisinhas”, em se apaixonar todo dia pelo céu, em ser quase azul entre o mar, e se ver voando, e se ver brincando em asas que só a imaginação é capaz de nos dar.


(Cáh Morandi)

17 de maio de 2008


só há uma forma de se estar perto
quando se está muito longe:
se fecha os olhos, bem forte,
e pensa e deseja muito, muito, muito
estar juntinho de quem ama.
Porque no amor tem dessas coisas
....a gente só não pode abrir os olhos
....a gente só não pode deixar de acreditar



(Cáh Morandi)

15 de maio de 2008

Eu em verso

(poema para viagem)


quando sentir saudades
me lê em algum poema de Ruiz
em algum detalhe de Neruda
em algo que te faz feliz;
e como poucos homens
entre raros loucos e amados
me terás como um verso
que nunca para de sorrir



(Cáh Morandi)

14 de maio de 2008

Só você


Só você me entende
Só você me enfeita
Só você me deita
Só você me tece
Só você conhece
O que não sei de mim;
Só para ti eu corro
Só para ti eu conto
Só para ti eu peço
Só para ti entrego
Só para ti me revelo
Do começo até o fim;



(Cáh Morandi)

Pareço bicho tonto
Quando sinto tua tez
De novo me apaixono
Como na primeira vez
[.]

12 de maio de 2008

Corro demais


Sempre chego cedo demais
E já ansiosa pelo o que há de vir;
Ah, eu me esqueço que corro para o fim;


(Cáh Morandi)

10 de maio de 2008


dá um trabalho enorme
quando teimo em me encontrar
temos ao meio um abismo


entre mim e mim
há muitos nós distantes


(Cáh Morandi)

8 de maio de 2008

Bem se quer


Não vou ser uma estrela
não vou ser nada que apareça
somente algo que se pareça ao máximo comigo
ser um lírio, ser o mar molhando a areia,
ser uma poesia em canto de sereia
ser como um conto, ser como o que não se vê
e que acaba se tornando desejado e bonito
porque pode ser imaginado como bem se quer



(Cáh Morandi)

7 de maio de 2008

I miss (you)



Sinto sua falta
e a casa vazia é só impressão
em tudo há o teu retrato
espalhados retalhos de(coração)
futuro projetado de lembranças
roupas descoloridas no armário
vestígios largados de solidão
mil adeus já ensaiados
novos amores fracassados
nossos estilhaços pelo chão



(Cáh Morandi)

6 de maio de 2008

Ao teu encontro


disfarça, não repara
esse meu mal jeito
faz tanto tempo
são tantas horas
eu nunca soube
nem quero aprender
como ir embora




(Cáh Morandi)

Moda antiga


Vive comigo um amor sem moda
Ou se for de moda, que seja antiga
Me manda uma “cartinha”
Com letras “redondinhas”
Cheias de “eu te amo”
Me escreve uma poesia
Cheia de “riminha”
Me proponha uma jura
Daquelas que não se fazem:
“Quer ser pra sempre,
Sempre minha?”



(Cáh Morandi)

5 de maio de 2008

não fale
me vê
me lê
o corpo
em braile



(Cáh Morandi)

Sem saber

(é assim que ainda te vejo... dorme)


não vou saber o que sentir
enquanto te observo dormir
depois de me amar;
não vou saber o que falar
assim que você acordar
e de repente sorrir;
não vou saber o que dizer
só vou saber o que vou querer:
na tua vida me deixar



(Cáh Morandi)
espero ter coragem para te roubar
um primeiro beijo
seguidos de outros que vou exigir
só para te sacanear

Presente


Ganha-me de mim
Desencanta a solidão
Prende-me assim
Agiganta o coração

Revela-me os segredos
Desnorteia meu norte
Ajeita-me teu brinquedo
Manuseia minha sorte

Dê-me as pistas até você
Bagagem para me render
Dê-me os laços até buquê
Passagem para me perder


[ Cris Poesia & Cáh Morandi ]

4 de maio de 2008

(to my small and for the love)


vou te amar
como no instante de quando te vi
de quando me apaixonei pela primeira vez;
te amar como se disso dependesse a vida
como se o amor fosse mais do que ar;

te amar só por te ver sorrir...
te amar só por te ver...



(Cáh Morandi)

quem?


Quem vai me levar para casa
quando nem eu mesma souber onde estou?
Quem vai me roubar o pensamento
quando minha imaginação for perigosa?
Quem vai me acalmar a alma
quando meu corpo for puro movimento?
Quem vai me furtar meu coração
quando eu quiser amor em vez de solidão?


(Cáh Morandi)

2 de maio de 2008

Me repara



Acho engraçada a forma que falas
das coisas tuas, de teus planos,
como me colocas em teus sonhos
mesmo sem malicia alguma;
esse teu diz-não-diz que me ama
que escapa nas entrelinhas
dos teus gestos e de teu olhar;
é lindo como você me nega
e me observa sem perceber;
é lindo como você se entrega
e não repara eu me render;

(Cáh Morandi)

1 de maio de 2008

Se ele me tremesse


Se ele chegasse e me tremesse
feito um terremoto, e me arranhasse,
me deitasse e devorasse
feito um bicho solto;
se me descobrisse pelos pêlos,
me segurasse pelos cabelos e
se cometesse esse desejo
incontido e louco;


(Cáh Morandi)

*

Recado aos leitores

Peço a todos que me lêem aqui, deixem um e-mail para contato ou me enviem também um e-mail (cahmorandi@gmail.com) para que eu possa agradecer de forma merecida!
Um beijo!
Cáh Morandi

Curta