4 de novembro de 2008

Corpo aberto


Meu corpo aberto sobre o seu
chama que inflama
carne que vibra
as veias marcam a pele
o sangue ferve
breve, leve, rítmico
movimento, movimento
m o v i m e n t o
mãos deslizam molhadas
suam pelas coxas
força, prende, descobre até
o fundo do ventre:

E X P L O D E M

se fala qualquer língua
se ouve qualquer gemido
arde, consome,
afundo no desejo:
- não pára, não pára...



(Cáh Morandi)

8 comentários:

Alexandre Spinelli disse...

Cah...
Achei lindo... forte, intenso, no limite, sem apelar, sem ser explícito... no ponto...
Não pára, não pára...

Beijos

Tatiana disse...

*.* ... nao pará, nao pará ...
forte . provocante . discreto
nao pare de escrever jamais

Anônimo disse...

ola de dili, timor-leste!

obrigado pelo seu passagem na minha blog (em lingua indonesia).

se tiverese tempo, passa por esta blog meu em lingua inglesa:

//www.dadolin.blgspot.com//

ate breve.
ABE BARRETO SOARES

Lu Souza disse...

Oi Cáh, cheguei aqui através do Olhos de Mar. Adorei. E concordo com os depoimentos acima, provocante e sensual, sem ser apelativo.

Voltarei outras vezes.
Bjos

Miss T disse...

Carine, adorei, lindo texto, sinuoso, insinuante. Parabéns.
Tahys Meybom

Edu disse...

Ai, Jesus... e se um dia fosse eu. Será??? Tomara!!!!!!!!!!!!!! lindo poema ainda não minha cáh...

bjo... Edu

jo disse...

Oi Cáh Morandi...

Que delícia teu blog,amo poesia...corpo aberto é sensual,delicado poema.
Cheguei aqui através de publicações que li no blog da Sonia Realy e não saio mais.
Carinhosamente
Jo.

Anônimo disse...

Sim, provavelmente por isso e

Curta