4 de setembro de 2008

Setembro Tarda


manhã de setembro
dentro algo muda
no jardim suspenso
o botão da prosa
flora poesia
cor - de - rosa

o tempo tarda
por fora desnuda
a praia calma
a onda do verso
quebrando muda
ao vento adverso


manhã de setembro
dentro algo surta
no relógio dos confins
o refrão da retina
seduz os ponteiros
do bem-te-vis

o tempo tarda
por dentro anula
as fugas da alma
o real absurdo
máscaras ocultas
um grito mudo


Cris de Souza e Cáh Morandi

2 comentários:

Robson Ribeiro disse...

Olá, menina talentosa!
Muito bom o seu cantinho.
Leve e cheio de magia...

Parabéns!

Um abraço!

Cesar Maia disse...

Sua arte é bálsamo espiritual,Carine.

Curta