28 de agosto de 2008

Revés

vou pegar um vôo
antes que seja tarde demais
eu vou, não volto
nem por céu, nem no cais

vou até os astros
antes que entardeça horizonte
eu vou, sem rastro
bem de fronte, bem na fonte

vou sem hora, sem demora
aventurar em outros ares
que aqui não mais posso ficar
no ansiar por novos mares

vou sem rota, sem derrota
procurar outra parte de mim
que não sei onde perdi
no começo ou perto do fim


(Cris de Souza & Cáh Morandi)

5 comentários:

Cris de Souza disse...

Minha parceira favorita.
amo-te !

Lella disse...

sempre muito iluminada no que escreve...
gosto muito dos teus textos.
xeru

Lyani disse...

Como sempre, belíssimas palavras... é até clichê eu ficar aqui falando... tudo que você escreve é lindo!

Obrigada pela visita ao meu blog =D
bjossss
Ly

Analuka disse...

Vim conhecer, e gostei!
Pouso por aqui e encontro: imagens e letras aladas, sinais de uma alma sensível e livre, ou, ao menos, com ânsias de liberdade!... Linda a foto escolhida para "ilustrar" este poema a quatro mãos! Adoro borboletas, então... E a escrita é leve e móvel, tanto quanto as cores e asas, os sentidos: nada estático, mas, sim, movimento e dança, dos desejos e caminhos! Abraços alados.

Mari disse...

Cah... a leveza de seus textos me levam a profundas reflexões!
Lindo, lindo!

Curta