24 de junho de 2008

Segredos no silêncio




eu te escrevo, embora ninguém entenda
que nesse silêncio te revelo meus segredos;
escrevo e te amo, porque não há outra forma
de passar pela vida se não passares comigo;
me guarde perto das coisas que levaste
para contar quando tudo já estiver tarde;
me eternize num feliz retrato que nenhum poema
ainda conheceu, pois que é só teu meu riso;
não me esqueça, não me deixa, nem parta,
porque agora a inspiração é farta
de tanta rima que surge no teu beijo;
e quando te tenho, e te recebo,
e vens me invadindo o mundo
ah, por esse segundo
eu daria a eternidade inteira.



(Cáh Morandi)

Um comentário:

Conceição disse...

Menina, bom dia!
Quanta profundidade nessa poesia.
Os eternos desencontros de amores, a incerteza de sermos amados o tanto quanto merecemos, nos faz refletir nessa sua poesia
beijos e parabens pela linda pagina

Conceição Bentes

Curta