5 de abril de 2008

Soneto para a demora



Não demore a chegar, meu amor
Tenho tanta pressa em ser tua
Revelar-me, mostrar-me nua
Sem provar da saudade, o ardor

Não demore a chegar, meu coração
Quero desabar nos teus braços
Te amarrar em infinitos laços
Para que nunca nos cesse a paixão

Arquiteto planos contra a demora
Dias inteiros, inúmeras possibilidades
Vida que o tempo em mim devora

Te espero, enquanto a vida acontece
Inventando sonhos, escolhendo sua cor
Velando a flor que com você se parece


(Cáh Morandi)

Nenhum comentário:

Curta