29 de março de 2008

O que resta, amor?


Vem comigo para onde não sei que vou
Esquece dos bilhetes no espelho
Eu sou o mesmo do primeiro beijo
Que hoje de manhã você roubou

Que sacanagem, como a vida acontece
Mas vê se não desaparece como tudo em mim
Saiba que tudo antes de ti era companhia ruim
E não diga que esquece vai, ninguém merece

Não vista as roupas com a mesma pressa
Se o que (de verdade) interessa está por vir
Seus olhos gritam, você vai ter que convir
Que não é esse único adeus que nos resta

Eu me lembro quando te vi, como me senti
Como você me fez mudar todos os meus planos
E eu, determinado lhe entregar meus futuros anos
Ouço mudo, sua teoria de viva a vida, será que perdi?


E se eu quiser mais de nós dois
Agora, para sempre e depois?
Abraço o clichê chato
De Louco apaixonado?



(Cáh Morandi e Henrique Bastos)

Nenhum comentário:

Curta