23 de janeiro de 2008

Descompasso



Ontem eu caminhei até o farol
Um pedaço de terra e eu no meio do mar;
Sentei nas pedras, abracei o vento;
Dois goles de maresia, pedaços de vida,
Nuvens claras em forma de coração.
Por um instante o farol ficou sozinho
Não estive ali e levei o mar comigo,
Não sei ao certo aonde estive;
É como todas as coisas que se parecem
Com algum tipo de magia ou feitiço;
Como todas as coisas que seguem um ritmo
E por um segundo se aceleram e descompassam.



[ Cáh Morandi ]

4 comentários:

Carlos Lima disse...

Olá Cáh, tudo bem? Sua poesia é um ótimo combustível para se iniciar o dia, por isso passo sempre aqui.
Impossível não encantar-se pela ternura de seus pensamentos, que remetem a um lugar que já estive um dia e apesar do lugar continuar lá, perdi o caminho e não sei mais como chegar. Errante, nos caminhos em busca daquele pedaço de mundo distante contém pedras e trilhas desconhecidas, difíceis de vencer.

Carol Mendes disse...

Oi Cáh, uma visitinha básica diária para se energizar. O encanto das suas palavras sempre me faz muito bem. Difícil neste caso não se imaginar sendo abraçada pelo vento e não sentir o seu ritmo.

Carlos Lima disse...

Obrigado pela visita e comentário e a Carol Mendes ligou a sintonia comigo. Ta comprovado que eu não citei nada inverídico.

shengda xu disse...

fred perry shirts
cowboys jerseys
cheap oakley sunglasses
coach factory outlet
polo ralph lauren outlet online
louboutin outlet
adidas yeezy boost
nike air max 95
nike outlet store
christian louboutin sale
xushengda0510

Curta