28 de janeiro de 2008

Brinquedo de coração




Me entregar de novo para aquele “amor” seria como andar na montanha russa sem cintos e de cabelo soltos, e isso não era bom para mim. Nunca gostei de coisas que arriscassem muito a vida, mas sempre tive gana de por meu coração a prova. Exitei. Petrifiquei. Fiquei lá em baixo vendo a montanha russa se agitar sozinha, e foi bom ter ficado. Foi bom ter resistido. Era minha volta da insanidade. E num momento em que a loucura parece ter ficado como algo doce, desviei meu olhar... e a roda gigante rodava com sua imensa saia de todas as cores. Meu coração estava em risco de novo.



[ Cáh Morandi ]

2 comentários:

Carlos Lima disse...

Você tem poesia em tudo, é a própria. O dia já pode começar para mim e simples ou complexo será vencido.

Carol Mendes disse...

Cáh, uma excelente semana!!
Começar ou terminar o dia com uma visitinha aqui é algo que não pode faltar. É o lugar certo para receber aquele calorzinho no coração. E a certeza de que estar aqui vale a pena.

Curta