30 de dezembro de 2008

adeus bom ano velho

Amados leitores,

Mais um ano chega ao fim e apesar do blog estar um pouco “parado”, agradeço as visitas constantes e o carinho que dedicam a esse espaço. Quero agradecer também pelos recados que são deixados aqui, pelos e-mails, pelos recados no orkut e na comunidade, pela divulgação das minhas poesias no Google e em perfis do orkut. Infelizmente, não consegui responder a todos particularmente, mas estou tentando na medida do possível retribuir de forma ímpar o reconhecimento que vocês tem dado ao meu trabalho.
Peço desculpas pela demora em responder e-mails ou recados, mas o tempo (ou a falta dele) têm sido meu inimigo nos últimos meses. Estarei ausente em janeiro, estou de mudança para meu apartamento novo e vai depender da bondade da empresa telefônica instalar meu novo número.
O ano de 2009 virá com muitas novidades, aguardem. Estou trabalhando no novo livro, e dividindo meu tempo com minhas demais atividades e meu trabalho. Esses últimos dias têm me inspirado bastante, e com a vista do novo ap tenho certeza que vou conseguir fazer render algumas letras.

Um feliz ano novo! Nos veremos por aqui ou por aí em 2009!
Saúde e sucesso.

21 de dezembro de 2008


(para um homem "desafio")


Parece sacanagem
você tão na minha
e eu na sua de primeira
brincadeira
me beijar naquela hora
depois ir embora
e ter sempre ficado
e agora não tem jeito
não dá de parar de pensar
de desejar essa pontinha
de felicidade no peito
mesmo que fique só no olhar
olhar e não ter
olhar e querer
olhar e te colocar,
não parar de imaginar
você
na minha vida
inteira


(Cáh Morandi)

10 de dezembro de 2008

miracles

(foto: Cáh Morandi)


Não há por que ter medo, disse. As coisas são mais simples, a maneira de olhá-las e de levá-las é que complica. Ore, é importante ter fé. Mas não pense que são as orações que trazem a salvação, a cura, o amor: nossos sonhos serão realizados de qualquer forma. Milagres não pertencem ao impossível. Milagres acontecem a cada segundo, a cada coisa imperceptível aos nossos olhos. Queremos as coisas rápido demais, sem entender que a primavera se prepara debaixo do chão frio, repleto de flores secas. As flores nunca morrem, deitam sobre o chão, se afundam na terra, e depois renascem. E isso não é milagre? Não é milagre entre tantas pessoas eu encontrar você? Não é milagre eu poder te ver de tão perto? Não é milagre meus olhos gravarem as expressões do teu rosto para levar por todos os minutos que tenho antes de dormir? Não é milagre tua mão delicada beijando a minha? Não é milagre eu poder te dizer todas essas coisas? Eu também não acreditava em milagres. Mas eu te vi um dia em que eu não tinha fé em mais nada. Mas eu te vi. E agradeci aos céus. Você era o milagre mais lindo que Deus colocou no mundo. Você não acredita, mas seu sorriso abre chances de mais um milhão de milagres para mim. Você me salva de um mundo comum. Você me dá um novo mundo quando acorda de manhã. Você quando sai pela rua, parece que vai pintando tudo de azul, você traz o céu para as pessoas. Você parece que lê um poema de Neruda ao decifrar um cardápio num restaurante de esquina. Você é tão doce quando está no seu auge para ser amargo. Você bebe um café com tanto cuidado como se fosse o último café que tomasse. Você dá para todas as coisas a chance de serem mais serenas e intensas. Nada conseguirá ser menos radiante depois da tua presença. Por causa de você tudo que existe é um milagre. Você entende agora? Você entende por que eu acredito em milagres? Eu tenho você. Eu tenho o que há de mais milagroso sobre toda face do mundo.
.
.
(Cáh Morandi)

9 de dezembro de 2008

asas

O amor já vem com asas
quando parte
quando me reparte
em milhões de pedaços
o amor já vai embora
agora nada mais
agora tanto faz
ele já fez
partiu de vez
partiu
mas algo seu
ficou
e foi
ficando
ficando
até virar
uma parte
de mim
a parte
que não
tão fim
a parte
que melhor
conheço


(Cáh Morandi)

2 de dezembro de 2008





Não há cura para
o que se sente
dizem que há o tempo
e que ele trata de amenizar

Já que tudo tem que passar
quem sabe eu passe por você
enquanto o tempo não chegar
ou se de repente, ele se esquecer




(Cáh Morandi)

28 de novembro de 2008

aviso de chegada


Tenho vindo de longe
ao teu encontro
atravessei continentes
e terras que não tem nomes
comi um pouco de fome
tornei-me estrangeira
de mim mesma


Espera
estou quase no fim do caminho
me reserve para a chegada
um pouco dessa tua doçura
para que quando eu te beijar
o gosto amargo da distância
se dissolva como se nunca
tivesse existido



(Cáh Morandi)

27 de novembro de 2008

23 de novembro de 2008

with closed eyes


para as coisas que existem
sem remédio, sem solução
que te tragam tédio,
desespero, frustação
há outras mil coisas
que são bonitas
que são doces
que são felizes

e se você não achar
nada de bom ou de maior
você cria alguma coisa
qualquer coisa boa que não existe

e se você botar fé nisso
essa coisa vai começar a existir
mesmo que ninguém veja
mesmo que só você acredite



(Cáh Morandi)

22 de novembro de 2008

um presente aos leitores

Amor de índio
Letra de Beto Guedes e Ronaldo Bastos



"No inverno te proteger
No verão sair pra pescar
No outono te conhecer
Primavera poder gostar
No estio me derreter
Pra na chuva dançar
E andar junto
O destino que se cumpriu
De sentir teu calor
E ser tudo

Sim, todo amor é sagrado"

18 de novembro de 2008

a little luck



Sonhei que ele me amava
e que chegava invadindo as portas
de casa; sonhei ou delirava:
ele me amou pela sala, até amar
a minha alma; sonhei e desejava:
entramos tão dentro um do outro
até que eu engravidasse de um filho,
de uma luz e clarão tão fortes
que deram cortes na noite:
abortamos o dia, quem diria,
que tivéssemos tanta sorte.




(Cáh Morandi)

15 de novembro de 2008

faces

não estou no espelho,
não sei o que vejo:
é uma espécie de bicho
maquiado e vaidoso
é horroroso
e se parece obscuro;
é uma espécie de flor
florescendo e abrindo
é lindo
e se parece pintura;
é uma espécie desconhecida
calma e abusiva
é erosiva
e se parece loucura.


(Cáh Morandi)

13 de novembro de 2008

Tenho confundido os dias
com horas ligeiras ao
meu domínio

Tudo é muito duvidoso
e suspeito –
suspenso –

Confundo esse “amor” –
não há de ser amor
aquilo que é milagre


(Cáh Morandi)

9 de novembro de 2008

Que me leve


Mas era isso, e ninguém sabia
Que eu te queria, eu tinha um silêncio
Mas era isso, e era uma vida
Que eu te daria por um pensamento

Mas era risco, e alguém havia
Que eu te cabia, eu tinha um corte
Mas era risco, e era uma via
Que eu te percorria por uma sorte

Me fez uma pequena maravilha
Me ilumina, eu viro estrela matutina
Que ainda de dia não pára de brilhar

Me fez uma grande ventania
Me fascina, eu reviro madrugada
Que ainda calada não para de vibrar



(Cris de Souza e Cáh Morandi)

7 de novembro de 2008

Furacões e Suspiros


Você que me pega pelos braços
me jogando no meio de uma tempestade
afundando um olhar tão castanho

me toca, acorda os vulcões adormecidos:
eu que adoro me queimar no fogo

me gira, desperta em mim um furacão:
eu que não sei lidar com os ventos,
que perco o ar enquanto te admiro,
eu que já me contento em soltar
no teu pescoço um suspiro



(Cáh Morandi)

4 de novembro de 2008

Corpo aberto


Meu corpo aberto sobre o seu
chama que inflama
carne que vibra
as veias marcam a pele
o sangue ferve
breve, leve, rítmico
movimento, movimento
m o v i m e n t o
mãos deslizam molhadas
suam pelas coxas
força, prende, descobre até
o fundo do ventre:

E X P L O D E M

se fala qualquer língua
se ouve qualquer gemido
arde, consome,
afundo no desejo:
- não pára, não pára...



(Cáh Morandi)

2 de novembro de 2008



Sair da vida de alguém
não é um caminho que segue
e sim uma estrada de volta:
desmanchar só um lado da cama, um prato
sozinho sobre a mesa, nenhum recado
colado na geladeira, a casa intacta, a louça
se acumulando na pia, madrugadas mais
frias.


Voltar,
até as esperanças ficam
nos retratos que serão recolhidos.
Voltar,
ter a mala vazia e estranhamente
mais pesada.


(Cáh Morandi)

28 de outubro de 2008

um beijo, boa noite


Hoje eu queria te levar um beijo de boa noite. Um beijo delicado sobre tua testa, sem nenhuma outra intenção além de te desejar uma boa noite de sono. Nem pedir para estar em teus sonhos, nem pedir para dormir ao teu lado. Queria apenas te ver doce, te ver repousar com todas as inseguranças e perspectivas de um menino, já que a barba será feita somente antes do trabalho, já que os compromissos, por enquanto, estão apenas na agenda, já que o coração está tranqüilo e quase amando uma menina que queria beijar sua testa pelas noites que virão, já que o sono parece uma boa cama para os sonhos que ainda precisam esperar, já que agora o homem pode tirar a máscara e deixar o nu da face iluminar um punhado de estrelas que moram no teto do seu quarto, já que o tempo entre um pensamento e outro é tão rápido e tão milagroso que pode despertar o próximo dia.
.
.
(Cáh Morandi)

27 de outubro de 2008


quantas coisas, primaveras,
borboletas no ar, sol,
chuva, continentes,
de repente até o mar,
outubro, outono,
vinis, Paris, aquele céu,
aquele amor, aquela hora,
agora, a madrugada,
e se quiser até a aurora,
a cor que não existe,
a fênix, as sereias que não vi,
os duendes, as fadas,
todos os contos que li,
paisagem, janela,
Guanabara, coração,
verão, apartamento,
avião, dólar, euro.
o que eu não daria
por um momento?
o que eu recusaria
para ter seu pensamento?
o tempo vai passar
e deixa passar com algum sentido
vem passar comigo
a vida, depois, o infinito.

(Cáh Morandi)

22 de outubro de 2008

f r a g m e n t o s

- ela sussurra seu nome -
e você lembra
que nossos corpos
falavam em silêncio?

18 de outubro de 2008

Ilumina-me



o sol reflete direto no seu sorriso
e isso não é certo, isso não é bom
o reflexo bate em mim
fico assim, quase cega
de te procurar, ver você radiar
e você quase vira uma estrela
em plena manhã de sexta-feira
no meu quarto escuro
risos e absurdos
você que brilha,
você que me faz brilhar

isso não é certo,
você sair pelas ruas
andando sem pressa alguma
enquanto fico na loucura
de tanta gente te fitar
você que é tão bonito de olhar
essa multidão que te cerca
mas você é a coisa mais certa
aonde quero chegar
você que apaixona,
você que me faz apaixonar



(Cáh Morandi)

14 de outubro de 2008

O beijo e a chave


- posso te beijar?
- mas agora não tenho tempo para isso.
- um beijo?
- não, para o que virá depois...
- mas não se pode prever o que virá!
- o beijo é uma chave que pode nos abrir para o amor.


(Cáh Morandi)

11 de outubro de 2008

É perigoso


É perigoso brincar com fogo, fazer fogueira,
Me acordar no meio da madrugada
Se quiser dormir ela inteira
Eu sei das manhas tuas
Deixo as costas nuas
e um beijo na nuca me acordar
Você corre um grande risco
Você nem imagina o perigo
Que é ficar preso no meu olhar



(Cáh Morandi)

Dangerous


O que faz com que as pessoas vejam em mim a delicadeza? Será esse meu rosto claríssimo em contraste com o negro dos cabelos cacheados? A boca desenhada em “forma de coração” pintada como uma tela de um vermelho ardente? Os olhos pequenos, levemente puxados, abraçados pelos longos cílios? As mãos pequenas cuidadas porque quem tem um jardim de palavras? E como pode ser que seja isso que eu transpareça? E essa coisa tão selvagem no meu jeito de olhar ? E esse fogo, coisa que são só dos dragões, que me arde a garganta? E essas garras afiadas, cuidadas, como se não pudessem arranhar, cravar, fazer doer? E essa fera que me revira por dentro, que parece que sangra, que ronda, que me morde, que acorda quando quero dormir? Como pode ninguém perceber esse perigo que sou, esse bicho feminino que anda por aí a solta, revolta, em vez de pêlo, encoberta de pele e malha fina.



(Cáh Morandi)

7 de outubro de 2008

Para dias sem esperança



Eu que já não tinha coração
Não tinha olhos de atenção
Nem mãos procurando par
Não tinha nada além da madrugada
Além da certeza exata:
Nunca mais amar.

Quem diria, quem apostaria
No que custo acreditar?
Eu que já não tinha vida
Não tinha casa e nem lar
Eu que caminhava perdida
Cheia de ferida antiga
Que esperança tinha
De sentir o que agora sinto
De não saber nem o que digo
Assim que você acordar...

(Cáh Morandi)

4 de outubro de 2008

Sobre a nudez


Estávamos nus um frente ao outro. Não nos sentíamos tímidos ou envergonhados. Estivemos assim, despidos, desde a primeira vez. Aonde nenhuma palavra poderia ser duvidosa, nenhum gesto incerto. Nós possuímos uma verdade absoluta: não queríamos mais nada além de uma possibilidade. De uma chance que nos trouxesse a vida novamente. É bom estar nu na frente de quem se ama, nenhuma máscara finge a feição da face, nenhum pano esconde o que o outro já conhece a dedos e bocas. O corpo tenta esconder a alma, mas a alma também está nua, e dançando, na retina dos olhos.



(Cáh Morandi)

3 de outubro de 2008

Sobre possuir

(foto: Cáh Morandi)


não nos basta o brilho dos olhos
os beijos doces e delicados
os abraços para dormir
o carinho, o sussurro,
a presença e o cheiro
nem mesmo
os laços invisíveis
que o amor nos envolve
não nos basta
essa raridade
de possuir
o essencial
o imprescindível



(Cáh Morandi)

29 de setembro de 2008

take me


não me leve embora
me leve a sério
me leve agora
para dentro
para cama
para uma noite
inteira
para uma vida
passageira
mas me leve
para algum lugar
para algum país
me faz feliz
me faz, me leve



(Cáh Morandi)




25 de setembro de 2008

Grão


Quando se é planta, quando se é verde,
pega-se um grão, pequena semente
e deixa numa parte que se supunha
ser da gente, só para ver se germina
depois se cruza as mãos
e põe toda a fé para chover
só para ver se a gente cresce
quem sabe floresce
dentro daquele coração
de repente somos flores,
de repente somos árvores,
de repente somos grama,
de repente ficamos grãos,
mas isso não é motivo de
tristeza ou de frustração
nem todo coração
suporta o nascer de
uma primavera



(Cáh Morandi)

21 de setembro de 2008

Os espaços vazios




Nunca soube o que fazer
com os espaços que ficam
depois que alguém vai embora
uma dúvida insiste
e de tanto, o meu tentar desiste
de trocar a ausência
por qualquer coisa que fira menos:
nada para repor
nada para suprir
nada que realmente comportasse
o encanto de algo que ficou
para trás



(Cáh Morandi)


17 de setembro de 2008

e quem diria
que o amor se fazia
à meia luz
de uma madrugada
que sorria?

ah, quem pensaria
que amor é só poesia
a meia noite
de uma lua clara
que amanhecia?


(Cáh Morandi)

12 de setembro de 2008

12th September


Cai uma chuva gelada por trás da vidraça. Os dedos dos pés impacientes dentro da meia de lã, as mãos se aquecendo com a xícara de café, os lábios sendo mordiscados com os dentes, um pijama velho, um moletom jogado em cima, os cabelos bem amarrados, os olhos pequenos e perdidos acompanhando o desenho que água faz no vidro da janela.Não me importo em estar assim despojada, só quero me sentir o máximo bem que puder, embora seja improvável isso acontecer em uma noite de sexta, quando o fim de semana chega e você não tem ninguém. Ninguém que vá te abraçar enquanto a chuva cai lá fora. Ninguém que vá acalmar a tempestade que acontece dentro de você. Ninguém que vá te dar a mão quando você tem tanto receio de estar sozinha. Ninguém que ficaria ali, de graça, deitado ao teu lado escutando os trovões. Por um instante você pensa que isso é tão triste, que isso pode ser tão miserável e o amor parece ser uma esmola que você pede em troca de um sorriso, por mais falso que isso pareça. Frágil, o barulho da chuva viola o silêncio do pensamento, da lembrança, da doce ignorância em planejar o futuro. Você tem medo, porque você vê que tem tanta lágrima por dentro, escondida, calada, tímida e um dia chuvoso e frio é tão pouco comparado a tudo que você esconde atrás de um rosto discretamente limpo e doce.




Cáh Morandi

11 de setembro de 2008

Atrevimento

Não acredito em meus medos
Nem crio mais pesadelos
Que me fazem perder

Não acredito em meus debates
Nem crio mais impasses
Que me fazem reter

Sou inteira em cada envolvimento
Saltando buracos ao relento
Com vínculo ao clarear

Sou certeira em cada movimento
Cortando as curvas do vento
Com ímpeto ao voar



(Cris de Souza e Cáh Morandi)

7 de setembro de 2008

about a small time


Quanto tempo se tem
para amar alguém
que a gente não amou ainda?
Alguém que a gente esperou tanto
quase toda uma vida
só para poder ver e estar?
Tantas horas
vamos perder só no encantamento
de se olhar
de admirar a beleza que criamos...
Tanto silêncio
para dizer o que valerá por anos
e tanto, e tanto, e tanto
do tudo que ainda virá


Sentir o ar que o outro solta
e os seus pêlos se arrepiarem
e seus pensamentos se fracionarem
em pequenos gestos de amor
tudo para nem pensar
em ir para cama...
amar estava sendo aquilo:
a admiração e beleza
de se encontrar.


(Cáh Morandi)

4 de setembro de 2008

Setembro Tarda


manhã de setembro
dentro algo muda
no jardim suspenso
o botão da prosa
flora poesia
cor - de - rosa

o tempo tarda
por fora desnuda
a praia calma
a onda do verso
quebrando muda
ao vento adverso


manhã de setembro
dentro algo surta
no relógio dos confins
o refrão da retina
seduz os ponteiros
do bem-te-vis

o tempo tarda
por dentro anula
as fugas da alma
o real absurdo
máscaras ocultas
um grito mudo


Cris de Souza e Cáh Morandi

1 de setembro de 2008

Sobre fazer sonhar

Foto: alonegut

Nunca consegui enumerar todas as coisas que eu gostava e as que você me fazia sentir. Primeiro, porque eram muitas. Segundo, porque algumas não tinham nome. Éramos extremamente felizes porque acreditávamos no amor, porque de início não víamos nada de empecilho, não víamos distancias, sejam de idades ou sejam de cidades, nós apenas vivíamos aquele presente que a vida parecia nos dar. E quando começaram surgir os planos, os sonhos, e fomos dando nomes para eles, a dar local e datas, e eu, então, parecendo um foguete a voar pelo céu de felicidade, vi você se afastando, medroso, inseguro. Mas que direito tinha eu de te fazer estar comigo todos os dias de amanhã? Que direito tinha eu de amarrar tuas mãos com a minhas? Não precisavas ter medo, tu não tinhas que arranjar uma forma de fazer tudo acontecer, tua única obrigação era me fazer sonhar.



(Cáh Morandi)

28 de agosto de 2008

Revés

vou pegar um vôo
antes que seja tarde demais
eu vou, não volto
nem por céu, nem no cais

vou até os astros
antes que entardeça horizonte
eu vou, sem rastro
bem de fronte, bem na fonte

vou sem hora, sem demora
aventurar em outros ares
que aqui não mais posso ficar
no ansiar por novos mares

vou sem rota, sem derrota
procurar outra parte de mim
que não sei onde perdi
no começo ou perto do fim


(Cris de Souza & Cáh Morandi)

Mais perto



Não te tocar
Não saber o teor da tua pele
Não te sentir
Não descobrir como vibra tua voz
Não saber o que não é segredo
Nenhuma desconfiança
Nenhuma esperança nula
Algumas palavras vagas
Por não saber dizer
As palavras certas
Que te levariam a
Um sim, que te
Trouxessem para
Mim, que nos fizesse
Mais perto



(Cáh Morandi)

25 de agosto de 2008

Por enquanto


Deus, eu sei que tu me ouves. A madrugada inteira ficou me cutucando, muito espaço para a saudade se estender. Levantei incomodada, arrumei os lençóis, abri a porta da varanda, tentei dormir, mas era impossível. Deus, minha cama é muito grande, e não tem ninguém aqui para ocupar tanto espaço, o que fica espalhado são pedaços de passado e expectativas de futuro. Só um lado da cama acorda desfeito, e não o meu, porque tenho deitado imóvel: são minhas mãos sonolentas e esperançosas buscando algum vestígio, agarrando-se ao que não há. Deus, só diminua a minha cama para que nenhuma lembrança vá querer dormir comigo. E só quando der ou se puder, alguém para dormir e caminhar junto.
.
.
(Cáh Morandi)

22 de agosto de 2008

Da Poesia Banhada a Lírios - Um presente de Davi Drummond

foto: o lírio em minhas costas e iniciais


(Davi Drummond para Cáh Morandi)


os lírios
que crescem
em suas costas
não crescem
pela água que
cai e se esvai

nem mesmo
existem sementes
que fazem brotar
novos ramos

pétala por pétala
a magia de seus lírios
transforma-se em versos líricos
que se espalham pelo chão
e por si renovam-se em cores

sendo flor
sua poesia é regada
por silêncio
ternura
e seus delírios

21 de agosto de 2008

Das insignificâncias da vida


Bastava o perfume que os cabelos deixavam nos travesseiros
E aquele beijo trocado em plena tarde de uma segunda feira agitada
Bastava aquela conversa sobre um assunto sem nexo no café da manhã
E as gargalhadas do ser amado vendo TV em plena madrugada
Bastava estarem abraçados e ainda deitados num dia preguiçoso
E implicarem antes de um passeio por causa de uma saia minúscula
Bastava mesmo que fosse uma briguinha antes de começar o dia
E você ficar pensando o dia todo em alguma forma de reconciliação
Bastava que ele chegasse, mesmo esquecendo das compras da semana
E que ela te perguntasse a cada minuto se você a amava

São nessas pequenas horas que se descobre ter sido feliz,
Mas isso é coisa que demora uma vida toda para se perceber



( Cáh Morandi )

20 de agosto de 2008

Mar Aberto





Um dia nós vamos nos cruzar
de amores novos
e aí não sei no que vai dar
se vamos só passar um pelo outro
ou vamos segurar um pouquinho o olhar
vai ser muita coisa para passar na mente:
muitos filmes, muitos discos,
muitos livros de presente,
muitos planos, muitos domingos,
muitas viagens, muitas sacanagens
e isso vai doer mais do que quando
fomos nos abandonando,
pois a dor é justamente a lembrança:
é a saudade de quando a vida nos
era um mar aberto arrebentando ondas




(Cáh Morandi)

17 de agosto de 2008

imagem: alone gut

(Para meu amor)

- Devíamos ter mais opções de escolha.
- Como assim?
- Escolher de quem gostar, por exemplo...
- Isso não dá.
- E se desse, o que você faria?
- Ainda assim escolheria você.



(Cáh Morandi)

14 de agosto de 2008

Casa Abandonada


É que agora – aqui dentro – a casa foi ficando meio empoeirada, como se toda essa mobília sentimental não tivesse sendo mais usada, a janela foi deixada aberta e tanto vento foi passando, levando as cores dos retratos e deixando o pó como ressarcimento.Aqui em casa não tem mais conforto, tudo virou incômodo, e às vezes nem em casa eu me sinto. Não tem mais abraço, não tem mais teto para pintar de sonhos toda a noite, nem tapete colorido para deitar no domingo. Tudo daqui foi sumindo, não tem mais ninguém nessa casa, só um eco se espalha quando eu volto e os passos ficam rangendo o assoalho, e fica uma sensação estranha de ver cinza onde tudo foi festa e euforia. Na porta de entrada eu sempre pedia um beijo, até que um dia o beijo foi de despedida.



(Cáh Morandi)

13 de agosto de 2008


Eu queria que quando de minha parte já não houvesse mais nada, você me desse algo de esperança, algo que só as lembranças boas poderiam me ascender, queria que me desse algo de delicado e bonito, e aquela gana que tínhamos, aquela fé um no outro, para que eu desejasse tudo de novo e ainda mais. Para que eu me apaixonasse por você como na primeira vez, queria que me desse o amor que a gente fez só de se olhar.
.
.
(Cáh Morandi)

12 de agosto de 2008

Domingão

É uma delicadeza
Um domingo a tarde contigo no sofá
Receber tua cabeça em minhas pernas
Alisar teu cabelo, escutar teus sonhos
Ver o teu riso se transformar em choro
E de um choro pular a um extremo gozo
Ver teus medos se espalhando pela sala
Sentir teus planos abraçando corpo e alma
A TV ligada, mas nada nos importa
Não nos pertence mais o mundo lá fora,
Nem as horas, nem os sons das buzinas,
Nada nos tira do nosso momento de agora


(Cáh Morandi)

11 de agosto de 2008

Quando vier meu mundo


Logo virá um tempo
Em que eu terei um mundo
feito para mim;
Regarei a minha terra,
Cuidarei de minhas flores,
Alimentarei os meus sonhos;
Hei de olhar dentro dos olhos
Verdes e pequenos do
[ meu mundo ]
E soltar seus cabelos castanhos
Para voarem ao vento;
Hei de pegar as mãos
Pequenas e delicadas do
[ meu mundo ]
E conduzi-lo a um lugar
Onde só haja paz;
Hei de amar por completo
E sem medida o
[ meu mundo ]
E depois dá-lo a um mundo
Que não sei quem é o dono;
Mas ele irá lembrar das
Coisas de meu tempo;
E ele irá se sentir seguro
Quando lembrar do meu
Olhar fixo;
E de minhas mãos
segurando
As suas, firmes!
.
.
(Cáh Morandi)

7 de agosto de 2008

Para as lembranças



Para que a dor seja maior depois que o nosso tempo tiver passado, prefiro te ser mais presente nas coisas simples: nas brincadeiras com pipocas nos filmes, na hora do banho em que brinco com o sabonete em tuas costas, nos bilhetinhos que deixo entre tuas roupas, nas marcas de minhas unhas em tuas coxas, em todo meu preparo para lavar louça, o meu corredor preferido no supermercado, minha inquietude em não poder te ver deitar de lado e já me encaixar em você. Em tudo vou deixar um pouco do meu jeito: no reflexo do espelho, em quando eu te pedia um beijo e meu rosto se sujava do creme barbeador, me manter viva nos segundos, nos domingos em que planejávamos mudar o mundo sentados no sofá. Prometo me espalhar por todos os cantos da casa, e não te deixar me esquecer em nenhum gesto ou sorriso em um futuro amor que você possa ter.




(Cáh Morandi)

6 de agosto de 2008

Visitante no blog

um bom poema
leva anos
cinco jogando bola,
mais cinco estudando sânscrito,
seis carregando pedra,
nove namorando a vizinha,
sete levando porrada,
quatro andando sozinho,
três mudando de cidade,
dez trocando de assunto,
uma eternidade, eu e você,
caminhando junto...


(Paulo Leminski)

5 de agosto de 2008

Meu lado bom


o homem que eu amo
é minha parte mais bonita
minha parte mais poética
minha parte mais penteada
minha parte mais bem vestida
eu sozinha sou quase nada
porque é ele que me enfeita
é ele que me adorna
é ele que me torna
uma mulher completa,
intensa, repleta

3 de agosto de 2008

uma estrela e um astro


pegas meu corpo
me prendes num abraço
giramos no espaço
me levas no céu
me pintas no alto
perto d’uma estrela
coberta de luz
luzindo meu astro

amor traidor



nossos braços se cruzam nas costas
em meio as promessas falsas de um pecador
na meia luz são só meios corpos
me enrosco nas pernas do meu traidor
os beijos são cheios de salivas amargas
as palavras tão claras de um doce rancor
no fim a gente nega, se perde na entrega,
uma indiferença tão perto do amor



(Cáh Morandi)

1 de agosto de 2008

meu homem e seu menino



dentro dele
tem um menino que me olha
medroso e inseguro
que se esconde
atrás de um homem de barba
enquanto me abraça
um que me pesa o corpo
um que me pesa a alma
ele ri, ele e o menino
os dois tão perdidos
que não se sabem
quem está mais dentro
um do outro



(Cáh Morandi)

31 de julho de 2008

Rain, July 31, 2008


A chuva cai devagar, uma garoa chatinha para o último de julho e um frio que parece nos cravar as unhas na pele. Poças de água pequenas se formando na grama, as folhagens pingando, a terra molhada e suspensa. O céu tão cinza e tão gelado que nenhum pássaro poderia voar mesmo depois que toda a chuva passasse. O dia já acordou grafite e dias tão molhados me dão uma certa inspiração. Uma inspiração perto da tristeza, porque são nesses dias que chovem que o que nos faz mais falta pega nosso coração e aperta, aperta tanto até que tudo que a gente lembra vai saindo para fora e se pintando nas paredes do quarto. E então, ver o que se sente dói bem mais. Porque a dor e as coisas que se sente tem rosto, tem voz, tem cheiro, e principalmente tem uma parte da gente que nunca mais vai voltar.




(Cáh Morandi)

30 de julho de 2008

Partes iguais

penso antes de dormir,
como está teu corpo?
ainda tão quente
derretendo os lençóis?
penso nessa lembrança
que me arde:
quando o meu corpo
do teu era parte
quando a gente se deixava
em um corpo só



(Cáh Morandi)

Saudade

Saudade é só uma forma
De sentir o amor pelo avesso

(Cáh Morandi)

28 de julho de 2008

Realidade


Um dia nos tiram alguma coisa e não adianta se prevenir, se precaver ou ficar atento. Isso vai acontecer. Ninguém sai da vida inteiro e os que saíram, bom, eu não os conheci. Uma noite você vai estar perdida ou tão despercebida que irão tirar sua intimidade, e acredite: você vai sentir que anda nua por toda a vida. Um dia vão lhe tirar um riso, uma oportunidade, um direito, algo que você mais gosta ou aquilo que você mais preza. Talvez você perceba na hora, talvez você só perceba muito tempo depois. Não quero parecer pessimista, mas a realidade é assim. Acredite no que te digo: o que vão tirar de você é irrecuperável.

(Repito: Ninguém sai da vida inteiro.)



(Cáh Morandi)

Já não tenho previsão para os dias
Já não tenho mais nada do que queria
Mas se por ventura, anos depois,
Quando vier aquela menina, pequena,
Refletindo meus olhos de felicidade
Vou passar horas atrás de vestigios...
Como não poder imaginar, procurar,
Como não pensar que ela terá
O teu mesmo sorriso ao acordar?



(Cáh Morandi)

27 de julho de 2008

Feito flor


ele diz que sou flor
e de repente me toca
me abre e respira
me chama pra vida
pétala por pétala
no chão despida



(Cáh Morandi)

25 de julho de 2008

Obrigada


Hoje é o dia! Estou num misto de felicidade e ansiosidade! Como disse ontem no meu outro blog, repito aqui: hoje é um dia de somente lembrar e agradecer por tudo de bom que tem acontecido... Nada, absolutamente nada de ruim deve ser considerado! Quero agradecer aos amigos que se mostraram presentes, a tanta ajuda e carinho que recebi de onde não esperava! Um beijo no coração a todos aqueles que vibraram comigo e que vibrarão hoje a noite! Nem tenho como descrever o tamanho da minha felicidade!! Hoje, sem dúvida, é um dia inesquecivel para minha vida pessoal, porque é o primeiro lançamento do meu primeiro livro (dos muitos que viração, espero)! Aos meus leitores de longe, tenho certeza que seus bons pensamentos estarão comigo! Aos meus amigos, familia e leitores que me encontrarão hoje a noite: vibraremos muito!


OBRIGADA!

Relembrando
Lançamento do mini-livro "Borboletas no Estômago"
Local: Biblioteca da Faculdade Sinergia
Horário: das 19:00h às 20:30h

24 de julho de 2008


arrumando as malas
para ir embora

a casa perdendo
o cheiro da tua roupa

e um riso forçado
no canto dos lábios
em sinal de:
“- tudo bem, pode ir...”

e a felicidade não passará
de um descolorido retrato
guardado no fundo do armário
com todos os sonhos cometidos



(Cáh Morandi)

19 de julho de 2008

Sobre a saudade


Ter do que se lembrar não nos remete a fotografias e vídeos, nem a memória viva da face daqueles que amamos, embora isso possa parecer egoísmo, mas uma saudade forte é ainda poder saber a intensidade de como nos sentimos naquele momento em que tudo isso fez parte de nós; de lembrarmos o nosso arrepio no corpo de quando conhecemos nossos amores que partiram, a forma que nos sentíamos quando os víamos dormir, quando os beijamos, quando fomos quase únicos. Saudade que faz falta é quando nos olhamos ainda na infância, brincando em balanços e parece que o vento nunca parou de nos tocar a face e de levantar nossos cabelos. Então a saudade não está em lembrar... Saudade é ainda poder sentir.



(Cáh Morandi)


Curta