31 de outubro de 2007

Canção do Suspiro I


E as rosas cochilavam na
pele disfarçada do jardim
e as rosas lambiam odores
nas madrugadas musicais
suspiravam a
canção dos olhos
sublime em maresias

a tarde que se estendia
no paraíso do céu
cintilando gotas meninas
de orvalhos primaveris
nas árvores do jardim
o sorriso se estampava
o amor pedia morada
entre folhas e pétalas
suspirando como perfume de chuva
nos olhos acesos de estrelas


**Gaivota ** & Cáh Morandi

Das razões do amor



A vida é para as pessoas de coragem, e coragem em todo sentido que ela possa abranger. Você pode ter um bom trabalho, uma boa casa, um carro zero na garagem, muito dinheiro no bolso, mas se você não tem quem te ama e principalmente alguém que você quase sofre por tanto amar, daí de nada vale essas outras pequenas coisas.

Se a gente tiver medo do amor e não enfrentá-lo é como passar a vida sem ter feito ou sido nada. Amor é um ato de coragem, ou melhor, o maior ato de coragem que possa existir. Porque amor exige passar por muitas barreiras (principalmente nós mesmos), amor é se expor diante das dificuldades, é não ver idade, nem classe, nem cor. É considerar o trabalho menos importante, aprender a ser tolerante mesmo nas crises semanais. É aprender a ser perseverante e conquistar alguém totalmente diferente de você. Amor é um ato de fé, de entrega, de paciência e aprendizado.

Amor é para gente valente, gente de garra, gente persistente, gente sem vergonha alguma. Medo, recusas e desistências são palavras que não existem para quem entra nessa batalha.

Ele vai doer um pouquinho, vai te fazer chorar algumas tardes de domingo, vai tocar teu celular de madrugada... Porque o amor é esse perigo constante, é entender que a vida passa a não ser mais só sua, mas sua e de mais alguém, até se unir de tal forma que ambas se tornem uma.

Amor é essa fusão, essa entrega, esse querer sempre mais, essa luta diária... É o único caminho capaz de nos conduzir a real sensação de estarmos vivendo, de que há um paraíso e de que podemos estar dentro dele.

[ Cáh Morandi]

30 de outubro de 2007

Se encontrar...




Deves tentar, meu amor,
Em cada arfar de teu ar
Encontrar alguém
Que possas me lembrar!
Vejo que te esforças
E que te lanças
A qualquer sorriso
Fácil, falso e vazio!
Mas vai, meu coração,
Na certeza que estarei
Em algum outro corpo
Na dor de tua saudade,
Há tantos braços
Que se estendem para ti,
E tu vais, como louco,
Mas não há nada
Como eu sou,
E de como te recebo,
E do meu cheiro,
E da força de meu beijo!
Tentes, parte de mim,
Se acreditas que somos
Assim, tão estranhos
Para nos amarmos,
E me diga se encontrar
Alguém capaz
De te fazer sonhar
Enquanto afaga
Teus finos
Fios de cabelo

- Cáh Morandi -

29 de outubro de 2007

Primeira e última vez



Antes que desistamos do amor
Pela última e errada vez,
Gostaria de te olhar
Sob as folhas de uma cerejeira
Onde o sol pudesse tocar teus olhos
Os fazendo fechar tão docemente...
Gostaria de sentir
O leve tremor de teus lábios
Nas pontas de meus dedos finos
Até guardar teu gosto para mim...
Embora esse seja um adeus
Ficarei perdida nessa vida
Como se sempre te esperasse
Na alegria do primeiro encontro.

- Cáh Morandi -




Hoje acordei com uma vontade

De um abraço, de um beijo

Eu hoje acordei com saudade

Do teu corpo e do teu cheiro

Da minha alma se entregando

Com a tua por inteiro.


[ Cáh Morandi ]

28 de outubro de 2007

Escuro coração


Fecho meu coração
Antes de dormir
Em noites em que
Nada existe além da escuridão

Peço que esqueça
Das memórias
Pelas quais ele bate
Peço que cale
O timbre
Pelo qual ele soa

Com meu murmúrio
Carregado de lágrima
Peço que ele durma,
Que não mais acorde
No outro dia que romper


Peço que leve
O amor
Que o pulsa
Peço que morra
N’alguma
Ou nula esperança

- Cáh Morandi -

[Sonho]


Eu sonho
Com os olhos bem abertos
Com o coração esperto
Com o que posso tocar

Eu sonho
Por esses lábios pequenos
Por esse corpo moreno
Por esse amor a pulsar

Eu sonho
Com os dias longínquos
Com os desejos infinitos
Com os azuis do mar

Eu sonho
Por esse nariz desenhado
Por essas curvas de pecado
Por essa vida a nos esperar.

- Cáh Morandi -



Eu não poderia sentir o veludo das nuvens
Nem as cores desse infinito
Que se pinta sozinho
Perto dos lábios teus
Se não sorrisses trazendo
Parte do que pode ser eterno

Em tudo que era meu
Pusestes novos sonhos
Que podem ser concretos
E que os sinto
Como se nascessem de minhas mãos


Eu estava num mundo branco
De olhos castanhos
Esperando te encontrar
Mal sabia que tu já estavas
Em alguma parte
De meu coração
Mantendo-me viva
Sendo meus olhos,
Sendo meus lábios,
Quase como o ar
Quase como a fé


Você é o paraíso
Onde moram os anjos
Onde Deus descansa
Que minha alma canta
Onde quero ficar.



- Cáh Morandi -

26 de outubro de 2007

Morar-te!



Quero estar dentro de ti
Habitar-te e te chamar de lar
Mobiliar-te de sentimentos,
Limpar-te, manter-te,
Pintar-te e cobrir-te,
Deixar uma parte de mim
Em cada cômodo repartido
Espalhar,de leve, o perfume
Que se prende ao meu vestido
Eu quero morar-te!
Teu nome é meu endereço...


- Cáh Morandi -

25 de outubro de 2007

Amor-perfeito




Quando Deus fecha os olhos
No amamos sedentos
(porque tanto medo?)
Nos rendendo e perdendo
No fogo de nossos corpos
Depois não daremos explicação alguma
Por estarmos nos salvando...
E quando Deus abrir os olhos
Ele há de sorrir em nos ver
Deitados sobre a terra
Germinando as flores
De um amor-perfeito
Com nosso suor



- Cáh Morandi -

Um lado só




É final de outubro
Chove insistentemente
Deixando o dia sem cor alguma
Fazendo com que a primavera
Se esconda por trás desse tempo
Enquanto o mundo fica a girar
Bebendo lágrimas do céu triste
Me perco entre letras e a música
Que diz que há dois lados da janela:
Um que a chuva visita,
Outro, que o amor se despede,
Mas se me descuido num instante
Os dois lados penetram em mim
Se tornando um só sentido
Para todas as coisas dessa manhã:
Um amor que se despede enquanto chove...


- Cáh Morandi -

23 de outubro de 2007

Com você




O ar era mais leve
O gosto mais suave
O dia mais longo
O céu mais azul
A vida mais alegre
O riso mais sincero
Era tudo mais perfeito
E colorido e vivo
Até dia desses...

Mas de repente,
Tudo quis ser triste
E decidindo morrer
Se não tivesse você.


- Cáh Morandi -

Vais me seguindo




Faz tempo que tempo que te deixei,
Mas tu insistes em me seguir
E ficas aparecendo em meu caminho,
Sendo os raios do sol de meu dia,
Estando no gosto de minha comida,
Na caneta que desenha minha caligrafia,
Ès o som das buzinas no trânsito,
Sorrindo em todo meu álbum de fotografia,
Desces comigo nas escadarias do metrô,
Voas nas asas do avião que me leva,
Te bebo num copo de bebida amarga,
Te leio nos noticiários matinais,
E tua voz vai soando e cantando
Em toda e qualquer música...
E teu corpo vai reluzindo e torturando
Em todo e qualquer lugar...
Fecho meus olhos
E tua imagem surge
Viva em minha mente
Pulsando em meu peito
Mesmo eu tendo partido
Tu vais me procurando
E ficando, ficando,
Em todas as coisas minhas
E surgindo até nas belezas
Que busco no mundo lá fora...

- Cáh Morandi -

Rosas cor de carmim




Tenho um jardim
...Onde planto minhas flores
...Onde canto com os pássaros
...Onde me deito para ver o céu
Anda me consumindo
Uma vontade santa
(Vontade insana!)
De regar, dia desses,
O pedaço pequeno de terra
Com meu próprio sangue
Para que floresça parte de mim,
Novas plantas, novos pássaros,
Novas rosas cor de carmim.


- Cáh Morandi -

22 de outubro de 2007

Se um oceano está em seu coração




Quando eu sinto que está tudo em paz
Doces lírios brotam em meus olhos
Deixando em desatino minhas certezas
E criando novos sonhos em minha mente.
Amo os dias que me nego em usar sapatos
E me visto de candura e pés descalços
Para ficar mais fácil de me afundar
Nas areias quentes próximas do mar.
Meu sorriso arde perto de teus desejos
Esperando aquele (intenso) beijo
Onde tamanha intensidade e luz
Ascenderiam todas as estrelas do céu.
E se fecho meus olhos sem receio
Acredito que teu abraço me guardará
Junto com meu coração e meu amor
E estarei inundada em teu corpo,
Um oceano está em meu coração.

- Cáh Morandi -

19 de outubro de 2007

Escolher




A vida, raramente,
Será como nós queremos .
Ela tem a mania
De contrariar nossos desejos,
Ir contra nossas vontades
E daí, você partiu dia desses
Comprovando ser verdade
Essas coisas de que
Que o destino
Talvez exista...
Talvez persista
Em nos separar
Do nosso amor.
Uma das regras que
Não me agrada nenhum pouco
É que a gente não pode
Escolher de quem gostar.

(Mas se eu pudesse....
Ainda assim escolheria você.)


- Cáh Morandi -

Em segredo


Se me fosse permitido amar
As coisas que não devo
Perderia a graça de viver, pois
O que conduz a vida
É a emoção constante
De amá-las em segredo

- Cáh Morandi -

18 de outubro de 2007

Para me salvar


Não me deixe que eu me torne
Num pedaço seco de chão,
Nem uma estrela vive
Sem ter seu brilho,
Ninguém, amor,
Vive sem paixão.
Recolha essas minhas
Insistentes lágrimas
Com teus beijos
Em minha face.
Firme meu corpo
Trêmulo, em tuas
Certas mãos.
Não permita
Que eu desfaleça
Porque são cinco
Da tarde
E é tão cedo
Para que eu durma.
Me salve
Dessas coisas
Que nem eu mesma sei,
Mas que sinto medo
Se você não está
Por perto.
O mundo é tão
Deserto
Se você não vem.

- Cáh Morandi -

If a lily In Your Heart Is


Devo ser grata ao Andrew (pequeno oceano!), presentes lindos que recebi e hoje uma poesia que me fez chorar nas primeiras horas da manhã! Obrigado... Vou eternizá-la aqui sweet heart!



If a lily In Your Heart Is


the world does not begin
to tilt and spin until
the brown curls of her hair
touch his lips and cheek
with the softness of air.
The rhythm of her lines
sing of poetry and bring
an image to his mind
of voluptuous fields
of lilies that ripple
and flow in the wind
with the elegant swing
of a woman’s hips
as she walks past him
through the tropical garden
of his heart, soil rich words
of love and passion
from his lily, Carine.

[ Andrew Arnold ]


Tradução:

(por Carine Morandi)


Se Um Lírio Está Em Seu Coração

O mundo não começa
A cair e girar até
As ondas do seu cabelo castanho
Tocar seus lábios e bochecha
Com a suavidade do ar.
O ritmo das suas linhas
Canto de poesia e trazem
Uma imagem à sua mente
Dos campos da valúpia
De lírios que ondulam
E conduzem o vento
Com o balanço elegante
Dos quadris de uma mulher
Como ela caminha no passado dele
Através do jardim tropical
De seu coração, o solo rico de palavras
De amor e paixão
Do seu lírio, Carine.

[Andrew Arnold]

Colorido no céu



Olhei para o céu,
Desvios de azul e nuvens.
Amarelos mesclados,
Avermelhados.
Pássaros multicores
Formavam um arco-íris
E meus olhos
Sensíveis ao encanto
Faziam meu corpo dançar
Na chuva de flores
Caindo no mar
E num instante
Como quando
Se pisca,
Lá estava o céu
Apenas azul,
Cansado de festa.

- Cáh Morandi -

17 de outubro de 2007

Sopro




Os ventos sopram mudando a direção
Do destino e dos caminhos
Que se cruzam, que se findam,
Que se dão.
Vai levando tantas coisas no ar
O pólen caído na face da terra
O gérmen pairando no céu
O mundo andando, soprando,
Entre as coisas que não se vê.
A vida fica passando,
Horas ardendo,
Horas contando,
O tempo do tempo.
Nossas mãos procurando
No vazio da brisa
As palavras não ditas
Eternas feridas
Sangrando paixão.
Se acalme, sente...
O sentimento de
Tanta e tanta gente
No vão do sopro
Constante.
Latente.

- Cáh Morandi -

Pessoa milagre



(dedicada á Dilean de Bragança)



Há pessoas que possuem dons
E você pode fazer milagres
Quando canta e quando sorri!
Você pode salvar um dia cinza
E iluminar qualquer vida
Mais forte que o sol...
Você é um anjo, eu sei,
E vou guardar segredo,
Tuas asas invisíveis
Me mandam ventos
De descanso e afago...
E quando sua voz alcançar o mundo
Vai ser um absurdo
De graça e beleza por todo canto!
Maninha,
Eu acredito em fé
Quando te ouço...

- Cáh Morandi -

As flores que eu batizava




Um dia eu coloquei meu melhor vestido, minha melhor sandália, arrumei cada cacho do cabelo, fiz poses em frente ao espelho, e devia ter uns sete anos, não mais que isso. Daí, eu fui brincar no jardim de casa, mas nada de bonecas, o que eu gostava era de me pendurar nas árvores e desenhar na terra... E na primavera, era sempre mais divertido e bonito, porque eu inventava um nome para cada flor que nascia.Geralmente, cada flor, recebia no batismo o nome de alguém que eu amava e nisso entrava parte da família, alguns amigos, e uma vez até o nome do João, que foi minha paixão na terceira série. Só não gostava quando o dia ia terminando e minha mãe ficava gritando para que eu entrasse para o banho. Esse dia, me lembrei com saudade, porque foi a primeira vez que ela não brigou por eu ter usado minhas melhores vestes para brincar, não sei o que havia acontecido no seu dia , mas ela me abraçou com um amor tamanho, que logo quando chegou de novo a primavera, mais de 20 flores receberam o nome da minha mãe.


- Cáh Morandi -

Mentiras



Quando você abre o seu sorriso
Eu já nem me importo
Com aquelas mentiras que não me atingem
Porque eu penso
E te olho com verdade
Com a mesma sinceridade
Que falamos de nós...
Prefiro te ver ainda como um menino,
Apesar desses teus trinta e poucos
E dessas suas manias febris.
Quando amo teu corpo
Assim, cheio de imperfeições
E de perdições divinas,
Reconheço que é melhor
Não controlar a vida,
Nem tuas palavras...
Porque você é uma farsa
Por trás de uma máscara
Mas eu te busco,
Cada vez que você se perde
Nestes tantos mundos,
Que você criou.

- Cáh Morandi -

Decorando formas




Quando chegar nosso tempo
(quanto tempo!)
Já terei decorado
As tantas formas
Que criei para te amar.
Só vou querer
Que você deite
Que meu corpo no teu, aceite
E que nunca peça para eu parar.
Quando a gente cansar
Ainda assim vou pedir
Para ficar deitada sobre ti
Até eu dormir,
E te amar em meus sonhos.

- Cáh Morandi -

15 de outubro de 2007

Diálogo 10



- O que você pensa de mim?


(Que você tem um cheiro de primavera, mãos macias de algodão, lábios em forma de coração e com gosto de mel, tem cabelos sedosos, tem os olhos pequenos que se fecham quando você sorri, tem a pele colorida pelo sol, e uma voz que pássaro algum teria, tem um colo que me enche de suspiros quando você arfa para respirar, tem um nariz pequeno e desenhado, pés delicados que hão de andar por todo mundo, e uma paz e um amor por qual eu seria capaz de matar e morrer sem antes ter te conhecido.)

- Que você é tudo que alguém desejaria amar.


[ Cáh Morandi ]

Um poema de sentimento



(dedicada à Carla Carolina Pereira)


Às vezes para se fazer poema
É preciso mais do que um punhado de palavras:
Necessita-se de um bom motivo,
De uma pessoa inesquecível
De uma amizade sem preço.
Esse é um desses poemas
Em que gostaria de depositar
Parte de meu coração e amizade
E dizer com toda verdade:
Foi bom te encontrar nessa vida!
Pelas risadas, pelos segredos,
Pelas madrugadas, pelos planos,
Por comer tarde da noite,
Por inventar nossas possibilidades,
Por saber, qual fosse a hora,
Eu poderia te chamar.
Carla Carolina,
Que gosta tanto de rima
Minha irmã escolhida
Pelo tempo que durar.


- Cáh Morandi –


15 de outubro de 2007.
00:21

Morrer de amar



Odeio quando me contam mentiras
Essas deslavadas e tortas verdades.
Outro dia ouvi comentar:
“Morreu de tanto amar...”
Me indignei com essa!
Onde que já se viu
O amor matar alguém?
No meu mundo
E em todas as coisas
Em que acredito e creio
Que é por “morrer de tanto amar”
É que a gente de verdade de vive.


- Cáh Morandi –

Exceção




Amanhã, quando você acordar,
E lembrar de mim a cada hora
Vê se não chora, grande homem,
Por perder mais um dia sem me amar.
Seja dono dessa força toda
Que você diz que tem,
Não ligue para dizer “meu bem”
Ou “vamos nos casar”.
Eu penso no que você acredita,
Então, já que você é tão
Senhor de tudo,
Lembre-se que sou a exceção,
Que você já não me tem.

- Cáh Morandi –

Chance


Sinto que estou perdida e confesso não estar tão apavorada como realmente devia estar. Gostaria de me entender melhor e aprender a lidar com os sentimentos que carrego de forma mais organizada e menos sensível. Quisera eu ter a capacidade de ser mais sincera com meu coração a ponto de ser extremamente honesta e jogar limpo com minhas lembranças (essas tortuosas lembranças que me consomem o presente e condenam meu amanhã). Por não saber de mim, já por tanto tempo na vida, me aborreço em ter que registrar nessas palavras essas horas sem direção e previsão de tempo. No fundo dessas incertezas todas há uma calmaria estranha e bem-vinda, e penso que pode ser bom estar perdida. Dizem que quando não se sabe para onde está se indo, existe metade das chances de chegar a um bom lugar. Metade e possíveis chances, melhor acreditar.

- Cáh Morandi –

13 de outubro de 2007

Jura Secreta




Só uma coisa me entristece: o beijo de amor que não roubei.A jura secreta que não fiz.A briga de amor que não causei.Nada do que posso me alucina, tanto quanto o que não fiz. Nada do que eu quero me suprime de que por não saber ainda não quis. Só uma palavra me devora: aquela que meu coração não diz. Só o que me cega, o que me faz infeliz é o brilho do olhar que não sofri.

[Sueli Costa e Abel Silva]

Tuas palavras



Vivo, nas vezes que me olhas,
Me tocas, me abraças,
Me beijas, me cheiras,
Me abraçando no
Teus braços macios
E sussurrando baixo
Em meu ouvido
Qualquer segredo
Com o poder sublime
Que tem tuas palavras
De tocar a alma
De minha alma.

- Cáh Morandi -

Do que restou



De tudo
Que eu fui
E poderia ser,
Restou que sou um pedacinho,
Micro pedacinho
Perdido nas
Curvas incertas do vento
Propensa a velocidade
Do tempo e suas dúvidas,
E todas as coisas
Grandiosas e altas
Já passaram...
Triste e incerto
Pedacinho,
Flutue e voe
És a única
Lembrança restante
De um grande, forte,
E que diziam eterno,
Amor.

- Cáh Morandi -

9 de outubro de 2007

Tuas (pequenas) mãos



Quando fui até a praia
Levei tuas mãos comigo
(As levei entre as minhas mãos)
Elas são tão pequenas e leves
Sempre se convidam para um passeio.
Essas tuas doces mãos,
Que por vezes me revelam
Que por noites me ascendem
Que por dias me carregam
Que por desejo me derretem
Que por amor me adormecem
Que por inocência me dominam.
Essas tuas mãos, pequeninas,
Que me desvirtuam, que me levam,
Que me fazem tua, que me deixam nua.
Sim, essas mãos que levo até a praia
E as lavo entre as ondas que quebram
Para deixar o teu cheiro de maresia
E ser entregue em todos os mares do mundo.

- Cáh Morandi -



Teu nome



Eu hei de escrever teu nome
Num pedaço de vento
Na lista do mercado
Num importante documento
E eu hei de tatuá-lo
Enquanto pulsa meu coração
Por toda minha mente
No ar de meu pulmão
Só para não esquecer
Esse teu doce nome
Que sempre consome
Toda minha inspiração

- Cáh Morandi -

Olhos abertos


Não feche os olhos
Enquanto me ama
Deixe-os abertos
Olhos espertos,
Repletos de fome

- Cáh Morandi -

Jovem Coração



para o jovem coração
o tempo não passa
porque vê e manifesta
tudo de forma eterna

intensamente vibra
sempre leve e presente
pois seu palpitar abriga
apenas aquilo que sente

em seu pulsar latente
está a sua coragem
seu amor e escudo
seus sonhos e bagagem

seu sangue vermelho
o torna tão vivo
que só deixa ser escrito
pelas cores da paixão

e sem saber cessar
de tanta vida que bate
suas artérias se abrem
e atrai todos os corações

- Cah Morandi e Alain de Paula -

8 de outubro de 2007

Estou indo

Vez em quando,
Quando eu ando,
Eu levo o tempo
Em minhas costas
Vou cambaleando,
Trocando as pernas,
Virando o salto,
Mas estou indo
Embora assim,
Em algum lugar
Devo estar chegando

- Cáh Morandi -

Conceito de beleza


Se me questionam sobre a beleza, logo uso a frase pronta: “ A beleza está além dos olhos!” E assim é. A real beleza está muito além de um corpo bonito e sarado ou sem nenhuma deficiência. As pessoas deviam começar a enxergar de dentro para fora, daí, quem sabe, havia menos sofrimentos naquilo que chamamos de “amor”.

Começaríamos nos apaixonando pelo humor, pelos sentimentos, pelas sensibilidades, pelo comportamento.

Depois a gente devia sentir. Sentir o cheiro, o toque, os fios de cabelos, a textura da pele.

Em seguida deveríamos ouvir sua voz, seus planos, como é a pessoa cantando, verificar se o timbre muda durante o dia.

Todo mundo devia antes conversar sobre tudo e durante muito tempo. E só depois de tudo sentido, ouvido, tocado, falado é que deveríamos então abrir os olhos. E a beleza há de estar ali. Aquela que importa, aquela que vale acordar e dormir até o último dia de sua vida.Para os que serão capazes de fazer esse experimento o feio e o inútil nunca existirão.

A beleza, invariavelmente, está naquilo ou naqueles que a gente verdadeiramente ama (e principalmente conhece).

- Cáh Morandi -

Duas noites


Meu choro é uma flecha
Que rompe a noite entristecida
Deslizante e fria lágrima
Surgindo dos olhos,
Caindo sobre a face,
Mergulhando no vazio de minhas mãos


Deve chorar quem dor sente
E se não sente, não há amor
Se do céu estrelas nascem
Esperançosas, se jogam as cadentes.
Todo corpo é um astro ardente
Que de desejo inflama e queima


A noite, então, é duas,
Duas luas num só céu,
De uma lado está quem chora
Do outro quem ri e dorme em paz.
Há dois corações separados
Em dois peitos, um só amor


A lágrima sempre persiste
No sentimento em bom momento
Ou na falta de um outro alguém
E descubro que posso parar agora
Mesmo nesta noite em que fico
Há uma lua (talvez duas) radiando luz.


- Cáh Morandi -

Banquete


Posso ser um banquete
Mas não me degustes de talheres
Não sou como as demais mulheres
Se queres, me devore com tuas mãos

- Cáh Morandi -

7 de outubro de 2007

Pequenos momentos


Tem muita coisa em mim
Que tem saudade...

Meus pés, por exemplo,
Gostavam de brincar
Dentro da banheira com os teus

Meus olhos, sempre atentos,
Observavam os teus
Nos movimentos do amor

Tuas mãos, tão pequenas,
Tremiam e suavam
Na curva de minha cintura


São pelos pequenos momentos
...Que a gente quase morre
...Que intensamente vive
...Que longamente espera


- Cáh Morandi -

6 de outubro de 2007

Em silêncio


Não diga nada,
Absolutamente nada!
Hoje tudo que quero
É te amar em silêncio.

- Cáh Morandi -

Para ser mulher




O amor é algo
Tão unido do céu
E tão próximo ao inferno
Que me descubro um anjo
Vestido de puro desejo
Entre a inocência e um beijo,
Entre alçar vôo no azul
Ou me queimar no fogo ardente,
A maçã e a serpente,
Em tudo divina e pecadora mulher.


- Cáh Morandi -

(eu) Rio


Eu sou como um rio
Repara que fortes afluentes
Águas densas e revoltas
Doce sal, agridoce,
Meu sul, meu sal,
Oceano, vertente
Em que lado morro?
Em que lado nasço?
Sou um rio que não acabo
Que meu destino sigo
Para beijar outro rio
E quando a chuva cai
A recebo num abraço
Onde as gotas novas bebo
Meu ciclo refaço

Eu sou como um rio
Muito longo e comprido
(Quem dera ser mar,
Largo, tão perto do anil,
Talvez um tanto infinito)

- Cáh Morandi -

Onde florescer


Me contaste em alguma hora
Em que éramos como um,
Dessas folhas secas que voam e
Que enfeitam o parque
Nas tardes em que ali caminhamos;
Dos amores que brotam
Entre pedras e secas
Fortes, verdes, flores.
Tu me dizias sempre
De coisas que não eram minhas:
Teus sonhos, teus planos, teu amor.
Pensei em escrever sobre essa hora
Nos próximos mil anos
Porque, de leve, pude te sentir
Mais perto, mais meu...
Tal como a raiz se penetra na terra
Tal como meus versos se afundam em ti
E tentam te desvendar e te conhecer,
Sugar teu ar e tuas seivas
Para que eu nasça e floresça
Plantada ao longo de teu corpo
Bebendo os raios de teu sol...

- Cáh Morandi –


Sem que...


Nenhum dia se vai
Sem que eu lembre teu nome
Sem que eu te pertença infinitas vezes
Sem que eu me afunde em teu amor.
Cada dia é cheio dessa espera
De que eu abra meus olhos
E te encontre perto de algum céu
Onde eu possa colorir teus lábios
Com beijos feitos de canção
Onde eu possa me prender ao teu corpo
Com laços vermelhos invisíveis de paixão
Sim, meu amor,
Nenhum dia se vai
Sem esse céu que invento,
Sem que eu perceba
Que a única forma de te tocar
É através das poesias
Que ao entardecer te escrevo...

- Cáh Morandi -

Onde eu estava


Tive saudades de mim
Quando hoje reparei em casa,
Nas fotos pela sala,
Nos objetos sobre os móveis,
Prestei atenção na música
E uma falta eu me fiz...
Na hora que cinza jazia
Me reencontrei, me revi!
E tudo que (realmente) sou
Está em detalhes esquecidos...
Estou numa lembrança
Cobrindo-me do pó
De meus sonhos adormecidos


- Cáh Morandi -

Série: Poemetos

Até as estrelas
Precisavam deitar
Nas noites negras
De meu céu?

- Cáh Morandi -

Série: Poemetos


Para nunca esquecer
Para sempre lembrar:
Só você vou querer
Infinitamente vou te amar

- Cáh Morandi -

5 de outubro de 2007

Meu amor



Meu amor tem os olhos roubados do céu
Que se fundem com o mar, onde eu mergulho
Meu amor tem as mãos carregadas de afeto
E minha pele a sede desse toque sutil
Meu amor tem coisas em que acredita
E me sinto ser a própria fé que o guia
Meu amor tem as cores de aquarela
E me torno branca em seus abraços
Meu amor tem os pés no caminho
Que vai ao fundo da minha mente
Meu amor tem o que me completa
O corpo, a alma e o seu coração.

- Cáh Morandi -

my love


( de meu Pequeno)


my love has two eyes to see my smile
and my eyes reflect unconditional love.
my love has one heart to record
and exhibit the truth of my being.
my love has one soul to know
the depth and trials of my soul.
my love has two lips to kiss
me to feel the passion of my blood.
my love has one body to cry
from in pleasure or pain.
my love has two ears to hear
my pledges of fidelity and eternity.
my love has one sense of mystery
to torture me with her sensuality.
my love has one mind to create
the world in which I exist.


- Andrew -


( Não sei se a poesia era para mim,
mas havia vestígios que lembravam
minha face e minhas palavras.
E aqui o eternizei.)

Curta