27 de fevereiro de 2007

Sobre o amor

O melhor é quando você ama e é amado ao mesmo tempo. É saber falar e ouvir. Chorar e sorrir. Ir devagar e ir rápido. Porque amor é ser companheiro em tudo, ser a mão sempre firmes segurando as dele e ele ser o peito que você possa se abrigar quando se sentir insegura. Amar é deixar que as almas se entendam quando não haver mais palavras. É no meio da noite acordar seu amado para uma dança no quarto. É ser acordada com um beijo.É aquele tapinha na bunda discreto num evento social; É parar pra conversar quando o amor estiver esfriando. É aquele streap tease surpresa. É aquele ligação inesperada no meio tarde, só pra dizer: "tô pensando em você". Amar é doar-se, por inteiro e completo a qualquer hora, em qualquer lugar, mas com uma UNICA PESSOA. Amar de verdade, é só uma vez só na vida, e amor não escolhe a quem, nem a cor dos olhos, nem a idade, nem se ela vai ser mais magrinha ou vai ter um sorriso engraçado, ou se ele vai andar com as pernas meias tortas e fazer caretas na hora do amor. Amar, é rir a qualquer hora, é beijar no restaurante, no carro, na frente dos filhos ou dos pais. Amor é pra ser feito a qualquer a hora, a qualquer tempo!!!

Quer fazer amor comigo ?

( Publicado no tópico "Sobre o amor", na comunidade Poesia, Humor e Cia.)

25 de fevereiro de 2007

Tarde da Dança


Dançaria nessa tarde
Entre as flores
Comigo?
Me rodarias no espaço
Onde o vento
Levantaria meu vestido ?
Me olharia fundo nos olhos
E sem que disse nada
Me beijaria ?
E sem pensar em depois
Meu corpo jogaria na terra
E sem pressa me amaria ?
Depois de exaustos,
Me deitaria me teu peito
E que palavras me diria ?
Seguraria minhas mãos
E juntos olharíamos para o céu
E alguma promessa faríamos ?

Eu te juro a minha vida.
E todos os meus dias.
Me juras tua eternidade nessa tarde florida ?

( Cáh Morandi )

Não sei nada de palavras


Desculpe, mas eu não sei fazer poesia!
O que escrevo é coisa do dia-a-dia
Que meus olhos ficam a ver.
O que declaro é uma saudade
Que amor deixa verter.
Eu danço no meio da palavra
Para ver ela surgir
Mas como não poeta
Ela teima em fugir.

Cáh Morandi
23/02/2007

24 de fevereiro de 2007

Versinhos

1
“ Rodava a vida ao meu redor
Eu tinha umas palavras bonitas
Mas hoje tô sem rima
Pra te falar de amor.”

2
“ Eu vou dizer bem baixinho
O que eu grito para o mundo ouvir
Vou te contar, meu reizinho,
Que quero ao teu lado dormir.”

3
“Pega minha cintura nessa dança
Segura meu corpo com desejo
Me puxa pra perto e me lança
Que na volta eu te roubo um beijo”

4
“ Ensaboei teu corpo nu na banheira
Ouvi teus gemidos de prazer
E antes que chegue a saudade derradeira
Vem amor, amor comigo fazer.”

5
“ Não sei rimar amor com você
Eu tentei, mas não deu de fazer.
Então tive que usar o umbigo
Pra rimar você comigo. "

Estamos



Estamos.
Nós estamos.
Juntos.
Amando.
( Nós estamos amando juntos?)
Estamos num tempo
E na poesia contida.
Estamos na saudade que arde
E na distancia que fica.
No céu que se abre,
E na paixão que domina.
Estamos guardados no templo
Da adoração profunda do ser.
Estamos no instante que ousamos viver.
Estou em ti.
Estás em mim.
Estou naquilo que calas.
Estás nessa poesia que exala.
Nem estava nos planos.
De repente, para sempre, estamos.

23 de fevereiro de 2007

Um Corte


Pensei que amar era a coisa mais importante.
Mas se não se tem a quem amar ,
Do que vale um sentimento tão cortante ?
Porque corta, sim,
Corta a alma e os dias,
De vez em quando até a alegria
Que se sente em amar.
E se eu pudesse escolher,
Um amor pra quem viver,
Não queria me cortar.
Se eu pudesse ter uma boca pra beijar
Queria entre muitas,
O meu lábio num príncipe encostar.
Mas amor, nessa vida, não tem rima
E um amor que meu peito não comprima
Eu sei que não vou achar.

Dorzinha no Peito

Dorzinha no peito
Ou é amor ou é saudade
Que me consome e invade
Nessas tardes tão vazias
Quem dera que minhas mãos frias
Tivessem um pouco de teu calor.
E que houvesse em minha boca
Outro gosto que não fosse teu sabor.
Mas é amor ou é saudade
Que dói e que me confunde.
Deus, de certeza meu peito inunde,
Pra que eu não sofra de duvidar
Ou é amor ou é saudade
E eu descobri que tenho os dois:
Amor eu sou toda quando estou perto de ti
Saudade é todo vazio que sou
Quando não estás aqui.


.

.

.

De uma vontade



Deita meu amor,
Deita no meu colo e deixa ali tua tristeza.
Deita como se deitasse em mim para sempre.

Descansa teu corpo sobre o meu.
Repousa tua cabeça em minhas pernas.
E sonha com os dias que seremos eternos.
Deita meu amor,
Que agora eu cuido de teu caminho,
Te deixa aqui em meus braços
E dorme, porque velarei teu sono.
Quando acordares estarei cantando
a canção de nosso dias.
Te segurarei firme contra meu peito.
Te darei o beijo que sempre anseio.
Meu Pequeno, meu Príncipe.

Deita meu amor,
Deita no meu colo e deixa ali tua tristeza.
Deita como se deitasse em mim ...para sempre.
.
.
.

21 de fevereiro de 2007




Hoje acordei com uma vontade
De um abraço, de um beijo
Eu hoje acordei com saudade.
Do teu corpo, e do teu cheiro
Da minha alma se entregando
Com a tua por inteiro.

17 de fevereiro de 2007


É. Algumas vezes eu me fiz essa pergunta: Carine Morandi, quem tu és? Foi um susto observar que com freqüência mudavam as respostas. O que sei, por enquanto, é que ando me descobrindo. Sou a paixão pela fotografia. Sou uma poesia que surge a qualquer momento. Sou a Natureza de um Príncipe. Sou a vontade uma dança, sou o riso que se perde num olhar. Sou a saudade abafada de um amor. Vez em quando eu tenho medo, vez em quando sou guerreira. Sou o choro que chega de mansinho. Hoje, aqui escrevendo, sou a recordação de um bom momento. Mas revelar-se , assim por inteiro, ninguém seria capaz. Se eu soubesse por um único instante quem eu sou de verdade provavelmente me decepcionaria. To vivendo com o que eu tenho: meus pensamentos, umas palavras perdidas e a esperança que surge de um lugar qualquer. Sou tudo o que me falta. Sou tudo o que eu não tenho. Tem dias que eu gostaria de ser um grito.Também sou o que desejo: um abraço e um beijo do meu príncipe. Uma noite de amor. Devo ter em mim algum vestígio de fé. Do mais tenho certeza: que nenhuma beleza tenho, que o que trago são versos e um coração sagrando, e o que levo é uma saudade de um não sei o quê.

16 de fevereiro de 2007


Príncipe, pequenino
Que para sempre quero ter
Vim aqui fazer essa rima
Pois um segredo tenho para dizer:
Que hoje o dia nasceu lindo
Só porque eu tenho você.


Cáh Morandi
16 de fevereiro de 2007.
09:07h.

15 de fevereiro de 2007

Príncipe, pequenino
De alma tão grande
E olhos de menino
Medo pra quê ?
Tanta coisa errada nesse mundo
Não seria lindo eu e você ?
Se bate mais forte o coração
Deixa-te dormir em meu peito
Segure para sempre minha mão
E quando o mundo se virar para nos ver
Vou me jogar em teus braços
E tão cheia de vontade beijar você.

14 de fevereiro de 2007


De vez em quando eu tenho meus surtos, e dá vontade de gritar para o mundo essas coisas que gente sente doer no peito. Essas coisas que nem sei o nome, porque de tantas me confunde e eu não sei bem certo o que sinto... As vezes de noite, como quando a gente acorda de um sonho, me levanto e me sento na cama e fito meus olhos na paisagem que se esconde atrás da cortina transparente e do vidro... E entre as frestas da parede e da janela, por aquele pequenino espaço, já senti tantas vezes minha alma passar. Minha alma vooa para um lugar que meus olhos ainda não viram, e só quando ela volta, às vezes mais gelada, as vezes mais calma, é que consigo dormir. Quanto ao meu corpo, sempre foi essa massa feia e fria. Sempre tive esses cabelos cacheados e que se enrolam ainda mais com o vento, sempre tive essas mãos sem calor, esse sorriso forçado, esse olhar vazio... De vez em quando eu tenho meus surtos... De vez em quando eu sinto uma saudade de um não sei o quê, mas que lateja, Ah Deus, como lateja dentro de mim.Desconfio querer ter a mesma paz e a mesma vontade que tem a minha alma quando voa pela janela.

O Poema que era doce



Dedicada a Roseli Fagoni


Se a doçura e a sinceridade
Em algum lugar pudessem habitar
Era na vida e nas palavras tuas
Que elas iriam estar
É que Deus quando te criou
De certa forma exagerou
De tanta bondade a exalar
O sorriso que esbanja
E a verdade que de ti emana
Souberam me encantar
Eu que nem poesia sei fazer
Quis alguma coisa te oferecer
Retribuindo a amizade a me dar
Se diz que emociona quando me lês
É que vez em quando saio da sensatez
E deixo minh’alma para o mundo gritar
Eu que nem sabia o valor único da amizade
Encontrei , quem diria, numa comunidade
A amiga mais confidente para meus segredos partilhar.
Se eu pudesse no céu iria uma estrela buscar
Mas como coisas impossíveis não posso te dar
Peço a Deus para tua vida com carinho guardar.
E toda noite quando fizer minha oração
Eu lembrarei do teu nobre coração
E nele terei onde minha vida espelhar.
Como poeta nada de riqueza tenho para te oferecer,
Mas das palavras que sempre souberam me render
Agradeço por na minha você estar.
Por meu caminho iluminar,
Pelas palavras certas que tens... quando eu precisar.


Cáh Morandi

13 de fevereiro de 2007

Dom


Dedicada á Fernando Febá

Dom.
Isso é o que tens com as palavras.
As joga de um lado pelo outro.
As ordena. As possuis.
Dá a elas o ritmo necessário.
A doçura que seduz.
A sinceridade que exigem.
E sei que quando danças,
Faz dos versos a melodia preferida.
Sei que quando choras,
Foi das palavras tristonhas que lembras-te.
E quando sorri, assim, meio que a toa,
É porque um soneto lembrou-te um sorriso.
Oras, veja, um encantador de palavras !
E que dela, diz, inventou poesias.
Poesias, poesias!
Das palavras a poesia.
Da poesia que me inspirasse!

Cáh Morandi

Obrigado não é bem a palavra que eu queria lhe dizer.Eu queria poder encontrar outra forma de lhe falar o quanto você é importante para mim e um simples " Obrigado " não possibilitaria isso. Um dia eu vi a tristeza chegar de mansinho, o vento bater na janela, a chuva cair no telhado e eu tive medo! parecia que tudo a minha volta estava errado, que o mundo estava virado, eu não tinha mais aquela alegria de viver, que geralmente percebemos nos olhos das crianças. Então, eu te encontrei... e foi tão estranho porque você sempre esteve ali.. mas só então eu te senti ...e melhorei. Então o sorriso aos poucos foi ficando nos meus lábios, cada vez que eu te tinha do meu lado.

8 de fevereiro de 2007




" Quem começa a entender o amor, a explicá-lo, a qualificá-lo e a quantificá-lo, já não está amando "
( Roberto Freire )

Sobre a Saudade



Só hoje descobri o que era a saudade,
Porque pela primeira vez eu soube que ela tinha teu cheiro;
Que saudade tinha o teu sorriso;
Saudade tem tuas palavras sussurrando em meus ouvidos.
Saudade tem o amor que bate no meu peito;
Saudade tem a mesma força de nossas mãos se dando;
... tem o mesmo calor que nossas almas se entregando;
Saudade tem a mesma voz da nossa música;
Saudade tem os mesmos lugares que nos amamos;
Saudade tem a mesma segurança do teu abraço.
Saudade tem os olhos brilhantes iguais aos teus.
Saudade tem o mesmo gosto dos vinhos de nossas noites.
... e a mesma fome dos nossos corpos a tarde.
Saudade tem o mesmo som de nossos risos;
Saudade tem a mesma estrutura do teu corpo;
Saudade tem a mesma vontade de nossos beijos;
Saudade tem a mesma firmeza do teu toque;
Saudade tem a mesma dor de quando tu some.
Saudade , eu descobri, tem o teu o nome.



Por Cáh Morandi, em 07 de fevereiro de 2007.
Pensando no Principe.

7 de fevereiro de 2007

Que o sabor da minha boca dure para sempre
na tua memória, para que nunca te esqueças
que um dia o nosso beijo aconteceu.
Se por algum motivo me quiseres esquecer,
que o esquecimento se esconda de ti
e te ofereça a lembrança
do sabor
de um beijo meu.

6 de fevereiro de 2007

Diz que é mentira


Então diz que é mentira...
Se não sou teu primeiro pensamento quando acordas.
Se não permaneço em tudo que você faz durante o dia.
Que não sou tua ultima lembrança antes que chegue teu sono.
E que quando finalmente dormes não sou teu sonho.
E que quando tocas outra mulher não é meu corpo que imaginas.
Que quando você sai do banho não é meu cheiro que te invade.
Que quando deitas na cama não é minha cintura que buscas abraçar.
Que quando andas pelas ruas não imaginas andarmos de mãos dadas.
E que não sentes solidão enorme em ver que em teu carro tem um banco vazio.
E que quando vês um filme acha demasiadamente chato não me ouvir falar todo tempo.
Que não sentes falta de me ter para acordar quando chegas tarde da noite.
Que não sentes vontade de cantar nossa música e me ver sorrindo de olhos fechados.
Que não sentes falta de minhas roupas atiradas no banheiro.
E que vez em quando não colocas uma toalha limpa no box como se eu viesse para o banho.
Que não esperas pelo dia que eu te ligue só para dizer um oi.
Que não sentas no metrô em banco de dois lugares
Que não te entristece a falta que faz eu andar de calcinha pelo quarto cantando.
Que não sentes falta do meu sexo ao meio tarde.
Que não olhas pra cama esperando me ver para deitar.
E que não abres os olhos de madrugada esperando encontrar os meus olhos a te olhar.

Navegantes, 06 de fevereiro de 2007

10:58

5 de fevereiro de 2007

As três versões


Abriu a porta e sorriu ao me ver dormir na cama
Tirou a roupa, me puxou pela cintura como quem clama
Juntou meu corpo quente com o seu em chama
Tocou minhas pernas como se fossem de dama
Bebeu do meu cálice que de prazer derrama
É que sabes da paixão que em mim inflama
Depois me olha nos olhos como quem ama.

Eu dormia quando você chegou
Se despiu, e pela cintura meu corpo ao teu juntou
Da paixão que em nós ardia o quarto esquentou
Como se lesse meu pensamentos me tocou
Rasgando a noite o desejo em mim gritou
Me prendeu em suas pernas e me inundou
Depois me olhou nos olhos como quem amou.

Eu dormia na cama branca do apartamento
Tirando a roupa, levou meu corpo quente ao seu fervendo
Tocou- me com leveza e em suas mãos fui me perdendo
Tomou da essência que em mim o prazer ia vertendo
Gritei na noite porque contigo me sentia vivendo
Me segurou presa em ti até que o dia ia nascendo
Depois me olhou nos olhos mas não sabia o sentimento.

05 de fevereiro de 2007.
15:50


Poesia sobre nossa sexta-feira.

Meu Principe



Meus olhos se encantaram por ti.
Meu corpo se completou com o teu.
Minha alma fez poesia com a tua.
Minha mão se sentiu segura nas tuas mãos.
Teu sorriso ganhou o meu.
Teu abraço, por toda, me estremeceu.
Tens a alma nobre que beleza emana.
Tens o beijo que minha boca clama.
E o meu ser que no teu toque se abriu em flor,
Sentiu que não viveria mais sem o teu calor.
Sobre os campos que se estendem nesse mundo
Te peço que me acompanhe...
Seremos dois numa mesma estrada.
E ainda que nem pose, nem beleza eu tenha para princesa,
Para ti meu príncipe, serei tua segura fortaleza.
E a cada dia que amanhecer, será repleto
Por eu ter sido tua.
Deixa teu reino, deixa esses muros de teu castelo
e vem comigo no caminho que faremos.
Dançaremos sobre a luz de um luar.
Dormirás me abraçando contra ti.
E te acordarei com meus lábios nas manhãs.
Príncipe, eis-me como tua serva.
Leva-me para ti e ama-me como o primeiro dia.
Guardarei tua essência junto com a minha.
E farei que vivas todo dia em alegria.
E tua dor será minha dor.
E meu amor teu amor.
Meu corpo será teu corpo.
E tua vida será minha vida.
( ... a tua vida será “ a razão” da minha vida.)
Beberemos da seiva que emana do suor.
E comeremos dos frutos que plantaremos.
Seja meu príncipe, onde quer que for.
Seja meu príncipe, seja meu amor.
Me guia, me toma, me leva.
Cavalgaremos dias sem fim.
És toda poesia que habita mim.

05 fevereiro de 2007 / 11:17h

Tua Natureza

Agora me chamo Natureza.
Onde pisarás em minha terra.
Onde dançaras em minha chuva.
Onde sentirás a essência de minhas flores.
E brincarás entre os galhos de minhas árvores.
Nadarás em meu lagos,
E comerás do alimento de meus rios.
Para cada fera que existe mim,
Tu as guiará somente com teu olhar
E elas te obedecerão segundo tua fala.
E minhas cachoeiras serão quentes para ti,
E água não te pesará quando escorrer em teu ombros.
As borboletas irão te guiar quando estiveres perdido.
E nas noites de minhas selvas,
Os pássaros cantarão para que chegue teu sono.
E a minha lua iluminará na escuridão que tiveres.
Acordarás com os finos raios do meu sol,
Que nunca te cegarão, mas te darão a luz necessária para teu dias.
Caminhe em meus campos serenos,
E te mandarei o vento para que me sintas em plenitude.
Ao fim da tarde, derramarei a garoa para que se molhe em mim.,
E para que sintas o cheiro da água que dá vida nova a terra.
Eu me chamo Natureza.
Sou a tua Natureza.
E mesmo que nada possa contra mim,
Pra sempre te pertencerei.

05 de fevereiro de 2007.
11:32

Curta