21 de novembro de 2007

Sobre minha poesia


Que nada seja lembrado de mim
Se não essas rasas palavras
Que me rasgaram a alma
Tantas vezes e tantas noites
Me deixaram acordada
Por uma única vírgula
Para finalizar um poema

Que meu tamanho não
Sejam esses poucos palmos
Me meçam de salto alto
E de braços erguidos
Porque alcancei o céu
Quando tive por perto
A capacidade do amor

Que meus sentimentos
Sejam bem digitados
Em algum livro futuro
Fielmente me retratando
Nas emoções, nas sensações,
Para que eu esteja viva ali,
Com minha voz declamando

Que o amor que eu acredito
Tenha sido mais capaz
Do que eu mesma pensei,
Que ele tenha resistido
Na carne, no espírito,
Permanecido bonito
Como um dia eu sonhei


[ Cáh Morandi ]

Um comentário:

A. C. O'Rahilly disse...

brilhante!

Curta