20 de novembro de 2007

Meu


“Mais leve que o ar, tão doce de olhar
Que nenhum adeus pode apagar...”
(Caetano Veloso)


A maneira que teus olhos ardiam
Quando olhavam para o sol,
Como caminhavas pela terra
Como se pisasse nas nuvens do céu,
A delicadeza de tuas suaves mãos
Brincando entre meus cabelos,
Tuas palavras sussurradas
Com calma, antes de dormir,
O movimento lento do teu corpo
Na hora de fazermos amor;
Isso tudo, que é só teu,
(Que foi meu por algum tempo)
Ficaram na memória remoendo
Ardendo nas lembranças de meu peito;
Histórias que são somente nossas
Que jamais deixarei partir
Porque estão em tudo que é meu
E não haverá qualquer adeus
Capaz de as levar...


[ Cáh Morandi ]

Nenhum comentário:

Curta