4 de setembro de 2007

Por si [só]


Houve um tempo
Em que você me perguntava
Por qual razão eu te amava
E eu lembro que respondi,
Mas foi uma única vez...
O meu amor estava no peito,
Tatuado no meu coração
O que eu tinha na cabeça
Para te amar sem medida?
Nada!
Tudo estava aqui
Pulsando com minhas veias,
Bombeando meu sangue,
E te levando a cada lugar meu.
Mas tua morada era ali,
Calmo entre meus seios...
Nunca precisei de razão
E se precisar um dia
Então não te amarei mais
O amor não precisa de porquês,
De motivos, de saberes,
O amor basta por si só...


- Cáh Morandi -

2 comentários:

Erika Glena disse...

uma honra ser a primeira a postar heheheehhe

Lindos dizeres...por muitas vezes meu amor me pergunta por qual razão o amo e é até engraçado como não comseguimos definir algo tão intenso q sentimos...ele mesmo n consegue quando eu faço a mesma pergunta(com uma pontinha de brincadeira e verdade na ao fazer isso)! =)

A verdadeira arte de amar está na indefinição,na intensidade,na verdade que é não conseguir dizer nada,mas sentir tudo!

beijinhos Cáh!

Erika Glena disse...

uma honra ser a primeira a postar heheheehhe

Lindos dizeres...por muitas vezes meu amor me pergunta por qual razão o amo e é até engraçado como não comseguimos definir algo tão intenso q sentimos...ele mesmo n consegue quando eu faço a mesma pergunta(com uma pontinha de brincadeira e verdade na ao fazer isso)! =)

A verdadeira arte de amar está na indefinição,na intensidade,na verdade que é não conseguir dizer nada,mas sentir tudo!

beijinhos Cáh!

Curta