18 de setembro de 2007

D e v a g a r z i n h o



Caem devagarzinho
As gotas da chuva
Nessa vida amiúde
Passa devagarzinho
Essa dor carnívora
E sempre insistente

“-Devagarzinho, devagarzinho...”
Ele dizia certas vezes
Na minha ansiosidade,
“- Meu amorzinho, meu amorzinho...”
Eu dizia certas vezes
Na minha voracidade.

- Cáh Morandi -

Um comentário:

A. C. O'Rahilly disse...

Obrigado para seus comentários em meu blogue. Eu aprecio.

Este poema é tão verdadeiro. Traz a esse lugar completamente do desejo.

Curta