18 de setembro de 2007

Ainda te vejo



Prefiro acreditar que ainda te tenho
Do que morrer nessa noite que chove
Quero lembrar teu riso e teus olhos
Porque se os lembro, sei que os tive
Gosto de sentir teu cheiro pela casa
Pois te perfumavas para me render
Que seja ilusão ainda teu corpo
Do que a certeza de não mais te ter
Te esperarei em cada novo sonho
Implorando para o dia não amanhecer
Se for a única forma, então aceito,
Fecho os olhos e ainda posso te ver.

- Cáh Morandi -

Um comentário:

A. C. O'Rahilly disse...

Você tem um ritmo grande a sua escrita. As palavras fluem assim fàcilmente. Eu sou jealous e orgulhoso ao mesmo tempo.

Beijos,
Andrew

Curta