3 de julho de 2007

Sob o fio, sob o corpo



E um dia quando eu dormisse
No fio da navalha afiada do teu corpo
Queria render-me sem medo de descansar
Escorre-me sobre o peito a gota de suor duvidosa
Entre as curvas sinuosas de meus seios
Sem saber ao certo até onde pode ser levada

E um dia quando eu dormisse
No fio da navalha afiada do teu corpo
Pudera eu não ter receio de fechar os olhos
Pensando que podes fugir ao meio da noite
Vai que eu sinta frio durante a madrugada
E terei que inventar fogueiras no quarto.

E um dia quando eu dormisse
No fio da navalha afiada do teu corpo
Que minha fragilidade seja mais forte, mais firme
E que se não se desfaça diante da tua rigidez
O amor anda tão próximo do silêncio
Que eu te pediria para fazer silêncio comigo

(Um dia em que dormisse no fio da navalha,
Um dia eu amanhecesse sob o peso de teu corpo)


( Cáh Morandi )

Um comentário:

marcelo disse...

ATE MESMO QUANDO SENTES DESEJOS ARDENTES PELO CORPO QUE TE CONSOME , AS SUAS PALAVRAS SAO DELICADAS E INOCENTES COMO SE FOSSE UM QUERUBIM DE DEUS...

Curta