6 de junho de 2007

Vagos Pensamentos de Sicília IV


Irás buscar outras mulheres, eu sei que sim, e não nego que sinto por isso, mas tens todo o direito de procurar nelas algo que te lembre a mim. Na tua busca louca e desenfreada em outro corpo (que não o meu ) não acharás a pele macia, o perfume dos lírios que escolhemos juntos, as risadas agudas nas conversas que surgiam enquanto tomávamos algum vinho, os meus lábios carregados do sabor doce do pecado, meus cabelos cacheados para confundi-los com tuas mãos, pesarás sobre elas teu corpo mas não encontrará meus olhos quando buscares algo de infinito e de seguro para derramar todo teu prazer, nem receberás o sorriso ( que só eu sei) que precisas depois do amor feito. Não meu amor, elas não tem a mesma poesia, então não te forces a tentar escutar algo que seja perfeito em teus ouvidos antes de deitar, hesite acreditar que elas irão te acordar com o mesmo calor de meus abraços e te agradecer pelo simples fato de tê-las possuído. Essas coisas são nossas. Todas nossas. E o amor que eu te dei ( puro, limpo, eterno) não acontece de volta. Por isso, não culpe nenhuma mulher por não ter as mesmas curvas do meu corpo ou por não saberem te acompanhar numa dança em plena madrugada. Porque inútil é buscares nelas o que é meu ( o que foi teu), pois elas são apenas disfarces pra te enganares dizendo que me esqueceu. E tu, sempre portador dessa imensa certeza que tens de tudo, mal sabe que mesmo longe, separados, nos evitando, morrerei tua e você ( meu eterno amor ) viverá meu.

( Cáh Morandi )

Nenhum comentário:

Curta