18 de junho de 2007

Um pedaço de nostalgia


  • Cada pessoa pertence a um tempo,
    A um beijo, a um desejo...a uma outra.
    Tudo que somos está preso a aquele instante,
    E isso nos guiará em qualquer destino que sigamos.
    Meu momento é a própria estrada pela qual sigo,
    Pois eu sou toda, a todo tempo, em todo lugar
    A minha loucura, meu devaneio, meu instinto selvagem,
    Minha vontade febril do impossível tocar.
    Compreendo o porquê dessa dor toda se abrigar em mim,
    Estou presa a inúmeras horas, incontáveis lembranças,
    Aos beijos todos, ao passado inteiro que não esqueci.
    Não há sensação mais confusa do que carrego,
    Porque sou o vendaval, a calmaria, a saudade
    E uma eterna viagem ao encontro da face do amor.
    Estou quase aprendendo a suportar o silêncio,
    Que por vezes grita mais alto do que minha voz.

    ( Cáh Morandi )

Nenhum comentário:

Curta