1 de junho de 2007

Poesia fria


Tenho caminhado como se tivesse algum destino
Mas não tenho pra onde ir certo dias,
Nem tenho casa de alguém que me espere chegar.
Não posso ficar parada, sentada vendo a vida passar
Enrolo-me com meu cachecol de lã barata,
Empurro minhas botas tão forradas de algodão
E sigo reto nessa calçada que acompanha o mar.
Pensando em alguma possível rima,
Contando os segundos que passo sem nele pensar.
Céu cinza, mãos escondidas no bolso do casaco.
Bate essa brisa marítima tão fria e incessante
Olhos negros, pele de neve, lábios ainda rosados.
Estou cansando, minhas pernas estão gelando.
Eu olho pra trás e vejo nada.
De um lado é rua.Do outro é mar.
Na frente nada, nada nem ninguém pra me esperar.
Olho pra cima e é longe demais.
Pra baixo nada é seguro pra mim.
Então eu olho pra dentro
Numa esperança divina de algo encontrar.
E só vejo um abismo imenso,
Onde tão só e calmo
Palpita algo estranhamente vago
Do que um dia foi meu coração.


( Cáh Morandi )

Nenhum comentário:

Curta