22 de junho de 2007

Das insignificâncias da vida



Bastava o perfume que os cabelos deixavam nos travesseiros
E aquele beijo trocado em plena tarde de uma segunda feira agitada.
Bastava aquela conversa sobre um assunto sem nexo no café da manhã
E as gargalhadas do ser amado vendo TV em plena madrugada.
Bastava estar abraçados e ainda deitados num dia preguiçoso
E implicarem antes de um passeio por causa de uma saia minúscula.
Bastava mesmo que fosse uma briguinha antes de começar o dia
E você ficar pensando o dia todo em alguma forma de reconciliação.
Bastava que ele chegasse, mesmo esquecendo das compras da semana
E que ela te perguntasse a cada minuto se você a amava.

(...)
São essas pequenas horas que se descobre ter sido feliz,
Mas isso é coisa que demora uma vida toda para se perceber.

( Cáh Morandi )

Um comentário:

marcelo disse...

AS VEZES POETISA PRECISAMOS ESQUECER OQUE JAMAIS PODERÁ VOLTAR,MESMO SENDO DIFICIL NOSSO EGO DEIXAR ESCAPAR,OLHANDO PRA FRENTE E BUSCANDO OQUE NOS DEIXE CONTENTE...

Curta