5 de abril de 2007

Amor que não existe



Me consome esse cansaço do amor ausente
Corroi-me, fadiga-me, exausta-me...
Amor sem palavras. Amor sem carinho.
Acordei fazendo poesias para meu amado
Dançando músicas e contando fados
Beijei seu corpo inteiro
Entreguei-lhe a alma como presente
Segurei suas mãos frias em minhas quentes
Ah, pequeno Amor que me rendo
Eu tinha os sonhos mais lindos
Eu tinha as palavras tão certas
Tinha eu, sentimento mais puro
Pena que não queres,
Pena que não basto,
Pena que não me assumes como tua
Dói-me,
Que não me ames.

( Cáh Morandi )

Nenhum comentário:

Curta