14 de fevereiro de 2007


De vez em quando eu tenho meus surtos, e dá vontade de gritar para o mundo essas coisas que gente sente doer no peito. Essas coisas que nem sei o nome, porque de tantas me confunde e eu não sei bem certo o que sinto... As vezes de noite, como quando a gente acorda de um sonho, me levanto e me sento na cama e fito meus olhos na paisagem que se esconde atrás da cortina transparente e do vidro... E entre as frestas da parede e da janela, por aquele pequenino espaço, já senti tantas vezes minha alma passar. Minha alma vooa para um lugar que meus olhos ainda não viram, e só quando ela volta, às vezes mais gelada, as vezes mais calma, é que consigo dormir. Quanto ao meu corpo, sempre foi essa massa feia e fria. Sempre tive esses cabelos cacheados e que se enrolam ainda mais com o vento, sempre tive essas mãos sem calor, esse sorriso forçado, esse olhar vazio... De vez em quando eu tenho meus surtos... De vez em quando eu sinto uma saudade de um não sei o quê, mas que lateja, Ah Deus, como lateja dentro de mim.Desconfio querer ter a mesma paz e a mesma vontade que tem a minha alma quando voa pela janela.

Um comentário:

Denis disse...

Gostei... notei que a "liberdade" está colocada exatamente no "centro" do texto.

Experimente os pontos áureos...!

E parabéns!!!

Curta