17 de fevereiro de 2007


É. Algumas vezes eu me fiz essa pergunta: Carine Morandi, quem tu és? Foi um susto observar que com freqüência mudavam as respostas. O que sei, por enquanto, é que ando me descobrindo. Sou a paixão pela fotografia. Sou uma poesia que surge a qualquer momento. Sou a Natureza de um Príncipe. Sou a vontade uma dança, sou o riso que se perde num olhar. Sou a saudade abafada de um amor. Vez em quando eu tenho medo, vez em quando sou guerreira. Sou o choro que chega de mansinho. Hoje, aqui escrevendo, sou a recordação de um bom momento. Mas revelar-se , assim por inteiro, ninguém seria capaz. Se eu soubesse por um único instante quem eu sou de verdade provavelmente me decepcionaria. To vivendo com o que eu tenho: meus pensamentos, umas palavras perdidas e a esperança que surge de um lugar qualquer. Sou tudo o que me falta. Sou tudo o que eu não tenho. Tem dias que eu gostaria de ser um grito.Também sou o que desejo: um abraço e um beijo do meu príncipe. Uma noite de amor. Devo ter em mim algum vestígio de fé. Do mais tenho certeza: que nenhuma beleza tenho, que o que trago são versos e um coração sagrando, e o que levo é uma saudade de um não sei o quê.

Nenhum comentário:

Curta